blogwiki

Como Contar para sua Mãe que Você Menstruou

Como Contar para sua Mãe que Você Menstruou

Escrito em parceria com

Equipe blogwiki

Neste Artigo:Aceitando a menstruaçãoFalando com sua mãe pessoalmenteFalando com sua mãe à distância8 Referências

Menstruar pela primeira vez pode ser assustador e a simples ideia de contar para sua mãe pode ser ainda pior – lembre-se de que isso é completamente normal e natural na vida de qualquer mulher; sua mãe passou por isso, sua avó também e sua bisavó também. Não precisa ficar nervosa, sentir vergonha ou medo. No futuro, você olhará para esse dia e se perguntará qual era o drama, pode apostar.

Parte 1

Aceitando a menstruação

  1. 1
    Aprenda o que significa menstruar. O ciclo menstrual é um processo mensal pelo qual o seu corpo passa para se preparar para uma futura gestação. No começo do ciclo seu corpo aumenta a produção de estrogênio, o que faz com que o endométrio (revestimento do útero) engrosse com sangue e muco. Ao mesmo tempo os ovários liberam um óvulo que, se for fertilizado por um espermatozoide, se fixará na parede do útero, agora engrossada. No entanto, se o óvulo não for fertilizado, ele desmanchará e será descartado junto do endométrio inutilizado, o que resulta na menstruação.[1]

    • O mais comum é ela descer pela primeira vez entre os 12 e 14 anos, mas é possível que desça até com oito anos de idade.
    • Todo mundo fala da famosa menstruação mensal, mas é comum ela ser irregular, especialmente no começo. Não se preocupe se ela não descer exatamente no mesmo dia todos os meses; é possível até que ela não venha em um mês ou outro. Em geral, ela pode ocorrer em ciclos de 21 a 35 dias, com duração entre três e cinco dias.[2]
  2. 2
    Tenha suprimentos. Cada garota tem sua preferência em relação aos produtos de higiene íntima. O melhor jeito de saber quais são os seus é experimentá-los! Você pode comprar produtos para menstruação em farmácias, mercados e pela internet, mas se souber onde sua mãe ou irmã mais velha guardam os delas, pode pedir para usá-los até conversar com sua mãe (provavelmente você os achará embaixo da pia do banheiro ou no armário). Há uma variedade enorme de produtos disponíveis para essa finalidade, alguns são descartáveis, outros são reutilizáveis.

    • Absorventes externos absorvem o fluído menstrual e podem ter abas com fitas adesivas para serem fixados à calcinha, dificultando vazamentos. Os protetores diários de calcinha (aqueles menorzinhos) devem ser usados somente no comecinho ou no final da menstruação, pois nesses casos um absorvente normal é exagero.
    • Absorventes de pano funcionam do mesmo jeito, mas são laváveis e reutilizáveis.
    • O absorvente interno é descartável; ele é inserido dentro da vagina e lá ele absorve o sangue antes de sair do corpo.
    • O coletor menstrual é um copinho inserido do mesmo jeito que os absorventes internos, mas é lavado e reutilizado ao longo da menstruação. Os absorventes internos e o coletor são ideais para usar em piscinas e para praticar esportes.[3]
  3. 3
    Controle as cólicas e a TPM. Tensão Pré-Menstrual é o termo usado para descrever um conjunto de sintomas que muitas mulheres sentem durante os dias ou semanas anteriores à menstruação[4]. Ela é causada por alterações hormonais e químicas que ocorrem durante o ciclo e podem ser afetadas pela dieta e níveis de vitaminas. Cada corpo é diferente, mas os sintomas incluem depressão, reações emocionais intensas, aumento no apetite, cansaço, inchaço, retenção de líquido, dor de cabeça e seios doloridos.[5] Cólicas muito fortes também são muito comuns, causadas pelas contrações que o útero faz para expelir o endométrio.

    • Analgésicos e anti-inflamatórios como aspirina e ibuprofeno podem ajudar com as dores.
    • Evite fumar (ilegal para menores de 18 anos), consumir álcool (também ilegal para menores de 18 anos), cafeína e sal em excesso (para prevenir a retenção de líquido e inchaço que ele causa).
    • Exercícios regulares ajudam a reduzir as cólicas e melhoram o humor.
    • Tenha uma dieta saudável e balanceada sempre.[6]
    • Tenha guloseimas saudáveis à mão para combater a fome. Quando estiver difícil controlar a vontade de comer, prefira alimentos mais saudáveis. Para desejo de salgados, coma arroz integral com um pouco de shoyu em vez de fast food gorduroso (cuidado com o sódio contido no shoyu). Faça um chocolate quente em vez de comprar barras de chocolate e faça “batatas-fritas” no forno quando quiser comer frituras.
  4. 4
    Prepare-se para a conversa com sua mãe. É importante ficar tranquila e não entrar em pânico quando sua menstruação descer pela primeira vez. É normal e não tem nada demais, assim como contar para a sua mãe. Dê tempo para se adaptar ao processo de mudanças que seu corpo está passando. Não se preocupe se não estiver pronta para contar agora – é seu corpo, sua decisão.

    • Antes de contar, esforce-se para estar relaxada. Faça o que for preciso, tome um longo banho, faça uma caminhada, leia um livro, tire uma soneca, respire fundo, enfim. Acalme-se.
    • Pense no que vai dizer para ela. Tente escrever as coisas mais importantes e ensaie.
    • Você pode pedir ajuda para uma enfermeira da escola, um médico, professora ou outro adulto em quem confia se estiver com dúvidas e ainda não estiver pronta para falar com sua mãe. Pode ser mais fácil contar para outra pessoa antes, assim não será tão difícil quando a hora chegar.
    • Você pode tentar conversar com uma amiga ou com algum parente se achar mais fácil. Outras meninas com idade superior à sua já devem ter passado por tudo isso e podem dar algumas dicas a você.

Parte 2

Falando com sua mãe pessoalmente

  1. 1
    Peça para falar com ela em um lugar reservado. Separe um momento tranquilo do dia para que vocês conversem sozinhas. Não se apavore! Tente não pensar demais nisso e vá direto ao ponto. Lembre-se: ela é sua mãe, ninguém no mundo ama você tanto quanto ela ou entende mais o que você está passando. Mencione o assunto do jeito que preferir, seja com música e coreografia ou falar que se sente desconfortável, mas precisa conversar. Se não souber bem como puxar o papo, tente algo como:

    • “Então mãe, minha menstruação desceu.”
    • “Mãe, vamos à farmácia? Eu preciso de uns produtos de higiene feminina.”
    • “Vai ser difícil, mas eu vou falar: eu menstruei.”
    • “Eu não sei como dizer, mas “aquilo” desceu.”
  2. 2
    Quando estiverem juntas, toque no assunto como quem não quer nada. Qualquer momento em que estiverem sozinhas é um bom momento para falar disso com sua mãe, ainda mais se a ideia de uma conversa formal for angustiante demais. Fale a caminho da escola, das aulas de futebol ou de piano, enquanto assistem TV, antes de dizer boa noite ou qualquer outra ocasião em que não tiverem pressa. Conte que a sua menstruação desceu assim, com simplicidade.

    • Introduza o assunto perguntando quantos anos ela tinha quando a menstruação dela desceu pela primeira vez, caso não se sinta confortável em falar abertamente.
    • Puxe uma conversa que não tenha nada a ver com o assunto e dê um jeito de incluir a informação no meio. Isso lhe dará tempo para pensar antes de começar a falar e o assunto pode surgir quando você se sentir confortável.
  3. 3
    Faça uma parada proposital no corredor de produtos de higiene íntima com ela. Sair para fazer compras juntas pode ser uma ótima oportunidade de contar para ela sobre sua menstruação sem ter que iniciar a conversa. Direcione-a para o corredor de produtos de higiene e perfumaria no supermercado ou na farmácia e diga que precisa pegar algumas coisas. Esse é um ótimo momento para pedir recomendações de produtos também e ela perceberá o que você está falando sutilmente.
  4. 4
    Faça perguntas. Menstruar significa que seu corpo está passando por uma série de mudanças. Tire todas as suas dúvidas com sua mãe. Esse é um bom jeito de fortalecer os laços entre vocês e provavelmente ela também quer conversar sobre uma porção de coisas.

    • Use esse momento para perguntar sobre saúde sexual, mas só se você estiver à vontade.
    • Pergunte se ela tem produtos favoritos, o que ela tem vontade de comer quando está menstruada e como ela lida com a TPM e com as cólicas.

Parte 3

Falando com sua mãe à distância

  1. 1
    Escreva um bilhete. Contar pessoalmente pode ser pavoroso e, se você não tiver coragem, pode contar por escrito. Assim, ela poderá puxar o assunto na próxima vez em que estiverem juntas sem ninguém por perto.[7] Deixe o bilhete em algum lugar que só ela tenha acesso, como a bolsa dela. O bilhete pode ser longo e complicado, ou curto e doce, como:

    • “Querida mãe, hoje eu menstruei pela primeira vez! Podemos ir à farmácia para comprar absorventes e outras coisas juntas mais tarde? Amo você!”
    • “Minha menstruação desceu. Será que você poderia trazer uns O.B.’s ou absorventes? Obrigada!”
  2. 2
    Conte pelo telefone. Você ainda pode contar pessoalmente mas pelo telefone, se não se sentir à vontade para falar cara a cara. Use as mesmas técnicas e estratégias que usaria se fosse pessoalmente ou diga algo como:

    • “Chego em casa em uma hora; podemos conversar quando eu chegar? Eu menstruei.”
    • “Hoje eu vou chegar um pouco mais tarde que o normal porque preciso comprar absorventes.”
    • “Podemos comer bolo de chocolate hoje? Estou com tanta vontade de comer um bolinho, desde o dia que a minha menstruação desceu.”
  3. 3
    Envie um SMS. Outro jeito de contar para ela o que está acontecendo é enviar um SMS. Não é a coisa mais pessoal do mundo, mas é efetivo. Você pode escrever uma mensagem semelhante à que escreveria em um bilhete, dizendo:

    • “Só para dizer que eu menstruei. A gente se vê em casa.”
    • “Podemos conversar em casa? Minha menstruação desceu.”
    • “Quando você vai fazer compras de novo? Minha menstruação desceu e eu preciso de algumas coisas.”

Dicas

  • Acompanhe suas menstruações para saber quando será a próxima; assim, você saberá se ela atrasar e poderá consultar um médico.[8]
  • Você não precisa jogar sua calcinha manchada no lixo, mas você terá de enxaguá-la o mais rápido possível e colocá-la para lavar.
  • Tenha sempre um kit emergencial na mochila ou bolsa, para nunca ser pega desprevenida.

Referências

  1. http://www.womenshealth.gov/publications/our-publications/fact-sheet/menstruation.html
  2. http://www.webmd.com/women/guide/treating-irregular-periods
  3. http://kidshealth.org/kid/grow/periods/period_school.html
  4. http://drauziovarella.com.br/mulher-2/tensao-pre-menstrual-2/
  5. http://www.mayoclinic.org/diseases-conditions/premenstrual-syndrome/basics/symptoms/con-20020003
  6. http://www.womenshealth.gov/publications/our-publications/fact-sheet/premenstrual-syndrome.html
  7. http://www.beinggirl.com/article/period-talk-with-mom/
  8. http://www.girlshealth.gov/body/period/


Como Contar para o seu Filho que Você está se Separando

Como Contar para o seu Filho que Você está se Separando

Escrito em parceria com

Klare Heston, LCSW

Neste Artigo:Preparando-se para a conversaExplicando a situaçãoAjudando-o a se adaptar à nova realidade12 Referências

Passar por uma separação já é emocionalmente estressante e o processo pode complicar-se ainda mais quando há crianças envolvidas. Como pai ou mãe, você pode ter dúvidas sobre como contar para seu filho sobre essa nova situação familiar. Neste artigo, serão apresentados alguns modos de se preparar para falar sobre o assunto com seu filho, explicando a separação de maneira simples e objetiva, auxiliando a criança nessa transição.

Parte 1

Preparando-se para a conversa

  1. 1
    Primeiramente, assuma o controle de suas emoções. Caso seu cônjuge tenha pedido a separação recentemente ou você ainda esteja decidindo sobre o processo de divórcio, espere para contar ao seu filho. Para conseguir oferecer um apoio emocional adequado, você precisará ter controle das suas emoções para evitar passar qualquer reação negativa para a criança.[1]

    • Peça ao cônjuge um tempo antes de contar a novidade para seu filho. Diga que precisa de alguns dias para se preparar emocionalmente para a notícia.
    • Enquanto isso, conte com o apoio dos amigos e familiares e seja paciente consigo mesmo enquanto lida com a separação.
  2. 2
    Esteja em consonância com seu cônjuge. Ambos os pais devem ter o mesmo discurso quando forem conversar com a criança, por isso, é essencial que combinem os detalhes e os tópicos da discussão antes de falarem com seu filho.

    • Por exemplo, você pode dizer: “Seu pai e eu vamos nos separar” e seu cônjuge pode continuar dizendo: “Nós não estamos mais nos dando tão bem quanto antes”. Lembre-se também de sempre reafirmar que ambos amam muito a criança e que o divórcio não mudará o sentimento que vocês têm por ela.
  3. 3
    Converse com seu filho juntamente com seu cônjuge. Será confuso para ele se cada um falar separadamente e de uma maneira diferente sobre o assunto. O ideal é que seu filho veja ambos trabalhando juntos como pais, mostrando que o papel de vocês na criação dele não mudou. Planeje com antecedência um horário e local para conversarem todos juntos.[2]

    • Escolha um momento em que esteja livre e relativamente relaxado. Desmarque outros compromissos para que possa conversar com a criança sem pressa, oferecendo-a todo o suporte necessário.
    • Além disso, se o processo de divórcio ainda for demorar, você pode optar por adiar essa conversa para não confundir seu filho, que pode achar que os pais mudaram de opinião por ainda estarem morando juntos ou conversando com frequência.[3]
    • Caso um dos pais não consiga ou não queira participar da conversa, tente permanecer o mais neutro possível. Não critique ou desmereça o cônjuge, apenas explique o que aconteceu de maneira verdadeira para a criança.

Parte 2

Explicando a situação

  1. 1
    Seja direto e breve. Falar sobre a separação não é fácil, mas é necessário, e quanto mais objetivo você for sobre o assunto melhor. Diga algo como: “A mamãe e o papai não estão mais se dando tão bem como antes, por isso, decidimos viver cada um em uma casa.”[4]

    • Adote um tom de voz calmo e empático ao conversar com seu filho e não culpe seu cônjuge pelo divórcio.
  2. 2
    Não conte todos os detalhes. Ainda que tenha havido uma tensão clara no casamento, a criança não precisa saber de todos os detalhes das discussões do casal. Diga somente o necessário e mantenha o foco no seu filho, não em você.[5]

    • Por exemplo, é totalmente inapropriado mencionar traições, abusos ou problemas financeiros para uma criança. Isso só irá deixá-la mais confusa ainda.
    • Seja mais direto e claro dizendo simplesmente: “A mamãe e o papai vão se sentir mais felizes vivendo em casas diferentes”.
  3. 3
    Tranquilize seu filho. Cada criança reage à notícia do divórcio de uma maneira diferente. Você deve tranquilizar seu filho reafirmando que, embora as coisas estejam mudando na casa, seu papel parental permanece o mesmo. Ambos os pais devem dizer o quanto amam a criança e que estarão sempre ao lado dela.[6]

    • Você pode dizer algo como: “Isto está acontecendo porque eu e seu pai não estamos mais nos dando bem. Você não fez nada errado. Nós o amamos e sempre iremos amá-lo. Não vamos mais viver juntos, mas nós dois vamos continuar cuidando de você”.
  4. 4
    Descreva como o divórcio mudará o dia a dia do seu filho. A maioria das crianças se preocupa em como a separação mudará o cotidiano dela, se verá ambos os pais todos os dias ou se algum deles se mudará para muito longe. É essencial ser sincero e claro com seu filho para que ele não fique ansioso.[7]

    • Por exemplo, explique que o papai continuará morando com ele, enquanto você se mudará para outra casa, onde ele passará os finais de semana.
  5. 5
    Responda às perguntas do seu filho com honestidade, mas de acordo com a idade dele. Ele pode perguntar se alguns motivos específicos levaram à separação e, para que ele confie em você, é necessário ser sincero. Explique se algumas causas pontuadas por ele realmente foram motivo do divórcio, mas sem entrar em detalhes.[8]

    • Por exemplo, crianças em idade pré-escolar podem pensar que o pai que está saindo de casa está abandonando a família e somente o outro ficará com eles. Esclareça esses equívocos e tranquilize seu filho dizendo que a separação não é culpa dele.
    • As crianças mais velhas podem sonhar com a reconciliação dos pais. Você pode dizer que talvez exista essa possibilidade, mas não é possível prever o que irá acontecer.
    • Seu filho pode se posicionar na discussão dizendo com quem prefere morar. No entanto, será necessário explicar a ele que existem outros fatores envolvidos nessa decisão e que os pais definirão juntos os próximos passos.

Parte 3

Ajudando-o a se adaptar à nova realidade

  1. 1
    Incentive seu filho a falar sobre seus sentimentos. Pergunte o que ele está pensando e como ele está se sentindo em relação à notícia. Tenha em mente que não será uma conversa única, mas sim uma discussão em andamento.[9]

    • Você pode dizer: “Você está muito quieto nos últimos dias. Posso imaginar que tudo isso seja muito confuso, mas quero que saiba que você pode falar comigo sempre que quiser”.
  2. 2
    Mantenha-o fora das disputas conjugais. Embora você possa abordar o assunto da separação de maneira mais controlada inicialmente, é fácil perder o controle e envolver a criança no conflito. Evite que isso ocorra definindo limites claros com seu cônjuge, dizendo o que concorda ou não discutir com a criança.[10]

    • Defina bem os papéis de cada um sobre os dias da guarda da criança. Não mande recados para o ex pelo seu filho e mantenha a comunicação entre vocês de maneira mais sigilosa por mensagens de texto ou por e-mail.
  3. 3
    Mantenha o cronograma da criança. As mudanças provenientes da separação já são bastante difíceis de lidar, portanto mude o menos possível a rotina e os hábitos cotidianos de seu filho. Mantenha as regras da casa estipulando os mesmos horários para ele fazer o dever de casa e dormir, por exemplo.[11]
  4. 4
    Considere fazer uma terapia familiar. Lidar com uma separação pode ser difícil para todos os envolvidos, por isso, considere fazer uma terapia sistêmica ou familiar durante esse período. O psicólogo é capaz de oferecer apoio emocional aos pais e às crianças, além de orientações para lidar com essa nova realidade.[12]

    • Esclareça quaisquer dúvidas que tiver com o profissional e confie no sigilo das consultas.

Referências

  1. http://www.huffingtonpost.com/michelle-rozen/telling-children-about-divorce_b_3351936.html
  2. http://www.evansfamilylawgroup.com/wp-content/uploads/2011/12/Telling-the-Kids-about-Separation-and-Divorce.pdf
  3. http://theparentconnection.org.uk/articles/when-to-tell-your-children-about-the-separation-parent-connection
  4. https://www.helpguide.org/articles/family-divorce/children-and-divorce.htm
  5. http://www.huffingtonpost.com/michelle-rozen/telling-children-about-divorce_b_3351936.html
  6. https://www.helpguide.org/articles/family-divorce/children-and-divorce.htm
  7. http://www.evansfamilylawgroup.com/wp-content/uploads/2011/12/Telling-the-Kids-about-Separation-and-Divorce.pdf
  8. https://www.todaysparent.com/family/kids-and-divorce-an-age-by-age-guide/
  9. http://www.lianalowenstein.com/explaining_separation_divorce.pdf

Exibir mais… (3)


Como Contar para a Família sobre seu Transtorno de Ansiedade

Como Contar para a Família sobre seu Transtorno de Ansiedade

Escrito em parceria com

Tasha Rube, LMSW

Neste Artigo:Escolhendo a hora e o lugarSe abrindoDesenvolvendo uma rede de apoio14 Referências

É normal sentir medo de vez em quando, mas, para algumas pessoas, a ansiedade pode ser paralisante. Quando os sentimentos de angústia e medo de uma pessoa começam a interferir na vida diária — em ataques de pânico, rotinas obsessivas, pesadelos, palpitações ou náusea — o problema é uma doença mental grave, chamada “transtorno de ansiedade”.[1]Procurar o apoio da família é o primeiro passo necessário se você acha que tem um transtorno de ansiedade – falar com os entes queridos, se abrir e conseguir o apoio deles, enquanto procura também ajuda profissional.

Parte 1

Escolhendo a hora e o lugar

  1. 1
    Comece uma conversa. Pode ser difícil falar sobre uma doença como a ansiedade. Talvez você tenha medo de que as pessoas vão julgá-lo ou ficar desconfortáveis e sem saber como agir perto de você. Ainda assim, vale a pena falar, mesmo que você não tenha certeza de como a família vai reagir. Diga que você tem algo a contar, seja para os pais, irmãos ou outros parentes.[2]

    • Eles provavelmente já perceberam que algo não está certo. Talvez queiram ajudar, mas não saibam exatamente o que está errado. Ter uma conversa séria vai dar a eles uma oportunidade melhor de oferecer auxílio.
    • Comece pedindo para sentar e conversar. Nesse momento, não é necessário dizer nada específico, apenas indicar que você quer conversar. Diga, por exemplo: “Oi pai, você tem um tempo para conversar mais tarde? Tem algo que preciso dizer”. Ou: “Mãe, podemos conversar hoje mais tarde? Quero falar sobre algo importante”.
    • O momento certo para contar também pode aparecer naturalmente. Seus pais podem vê-lo ter um ataque de ansiedade e perguntar: “O que está acontecendo? Está tudo bem?” – aproveite a oportunidade para contar.
  2. 2
    Escolha o melhor momento possível. A família pode perceber que algo está errado, mas não necessariamente. As pessoas muitas vezes estão tão ocupadas e atarefadas que não notam quando há algum problema. Sendo assim, é melhor trazer o assunto à tona quando houver bastante tempo. Espere até que a família esteja em casa, relaxando em um momento de lazer — após o trabalho ou na hora do jantar, por exemplo.[3][4]

    • Fale quando você estiver se sentindo bem e pronto para isso. Não é bom se apressar para ter uma conversa importante como essa. Lembre-se de que é necessário ter bastante tempo disponível (uma hora ou mais), para que não seja preciso parar a conversa por conta de uma tarefa ou compromisso.
    • Escolha um lugar calmo e reservado, de preferência em casa, para que você possa falar abertamente, sem sentir vergonha.
    • Porém, se for uma emergência, aja imediatamente. Diga que é urgente e vocês precisam conversar.
  3. 3
    Considere escrever uma carta. Algumas pessoas acham que falar sobre a ansiedade que sentem causa ainda mais ansiedade. Nesse caso, a melhor opção pode ser escrever uma carta aberta aos membros da família. Você pode incluir todas as informações e ler em voz alta ou pedir para que eles leiam sozinhos, deixando a conversa para mais tarde.

    • A carta pode bem longa ou bem curta, dependendo apenas do que você preferir. Porém, certifique-se de expressar o ponto principal, ou seja: “Mãe, tenho tido problemas para lidar com o estresse e a ansiedade. Às vezes tenho ataques de pânico”. Ou “Pai, você deve ter notado que eu tenho rotinas estranhas. Não consigo deixar de pensar que, sem elas, algo muito ruim vai acontecer”.
    • Deixe a carta em um lugar onde ela será encontrada, como na mesa de centro, na mesa da cozinha ou na cama. Ou, leve para o momento da conversa e leia em voz alta. Diga algo como: “Escrevi algumas palavras e gostaria que vocês ouvissem”.

Parte 2

Se abrindo

  1. 1
    Comece devagar. Explicar uma condição mental como o transtorno de ansiedade pode ser muito difícil no começo, e você pode não saber o que dizer. É uma boa ideia começar devagar, e simplesmente conversar sobre conversar em vez de compartilhar informações. É uma técnica que vai ajudá-lo a colocar os pensamentos em ordem, e também pedir paciência à família.[5]

    • “Não sei como falar sobre isso, mas você pode me escutar e tentar entender? Eu espero me sentir melhor depois de falar com alguém.”
    • “Não sei se isso faz sentido, e eu me sinto desconfortável falando sobre isso, mas quero contar a alguém. Você poderia me ouvir sem rir ou fazer alguma piada?”
  2. 2
    Diga como se sente. Saiba que a família vai querer ajudá-lo, mas eles podem não compreender totalmente o que está acontecendo. Ter um transtorno de ansiedade pode ser difícil e causar isolamento. Mas você vai se sentir melhor com o apoio de pessoas queridas. Explique como se sente e comece a se abrir sobre o problema.[6][7]

    • Seja claro sobre o que está acontecendo: “Tenho tido episódios nos últimos dias e não consigo mais lidar sozinho. Eu entro em pânico, fico com medo e sinto que não consigo respirar. Está acontecendo com cada vez mais frequência”. Ou: “Eu sinto que tenho que seguir essas rotinas e rituais. Não sei explicar por quê. Mas eu entro em pânico só de pensar em não fazer”.
    • Diga o nome. A família precisa saber que o que você está passando é uma condição reconhecida. Você poderia dizer: “Eu acho que isso é transtorno de ansiedade social” ou “Eu acho que tenho transtorno de comportamento obsessivo-compulsivo”.
  3. 3
    Use exemplos concretos. Talvez eles não saibam muito sobre o que é o transtorno de ansiedade, ou até mesmo sobre as doenças mentais. Eles podem não reagir bem ou negar que há um problema, pensando que você pode apenas “parar com isso”. Para ajudá-los a compreender o problema que você está enfrentando, ofereça exemplos concretos de como a ansiedade está afetando a vida – e como isso é um problema sério. Fale sobre os eventos que acontecem com você ou o impacto que eles causam.[8]

    • “Eu tenho tido problemas em lidar com o estresse na escola. Eu me sinto tão sobrecarregado que comecei a faltar à aula às vezes.”
    • “Não consigo parar de pensar em germes e sempre me sinto sujo. Alguns dias eu lavo as mãos 20 ou 30 vezes, tanto que elas ficam ressecadas ou machucadas.”
    • É claro que não é preciso dizer tudo, mas não tente amenizar a situação para poupar os entes queridos. Deixe muito claro que a ansiedade impede que você viva uma vida normal e saudável.

Parte 3

Desenvolvendo uma rede de apoio

  1. 1
    Peça ajuda. Não fique tanto tempo tentando analisar ou explicar por que você se sente como se sente. Apenas diga, sem rodeios, que você quer melhorar e precisa da ajuda. Novamente, você não precisa entrar em detalhes. Concentre-se na parte mais importante: você quer e precisa de ajuda.[9][10]

    • Você pode dizer algo como: “Eu só quero voltar a me sentir como eu mesmo e aprender maneiras de controlar a minha ansiedade. Vocês poderiam me ajudar a encontrar um terapeuta?”
    • Talvez eles digam que o que você descreveu não parece anormal, que vai passar sozinho ou que não é tão preocupante. Nesse caso, diga que você tem certeza: “Não, pai, eu tenho certeza de que se trata de um problema sério”.
  2. 2
    Sugira maneiras para que eles possam ajudá-lo. Diga como eles podem oferecer apoio e ajuda. Isso significa ajudar a encontrar um profissional como um psicólogo ou psiquiatra, mas também outras formas. Eles podem contribuir ajudando com as tarefas diárias, encorajando você a comer bem, fazer exercícios e socializar ou oferecendo apoio moral.[11]

    • Peça ajuda para procurar um profissional de saúde mental. Diga: “Eu sei que deveria ir ao médico, mas tenho medo de marcar uma consulta. Você pode me ajudar a encontrar alguém e marcar um horário?” Eles também podem levá-lo às consultas e garantir que você faça o tratamento corretamente.
    • Peça ajuda para o dia a dia: “Eu preciso que você esteja sempre presente, me encorajando. Posso contar com seu apoio?” Ou “Eu apenas gostaria de saber que tenho seu apoio e receber um abraço de vez em quando”.
  3. 3
    Seja paciente e esteja preparado para responder às perguntas. Eles provavelmente vão se dispor e querer saber como ajudar. Ainda assim, esteja preparado para receber muitas perguntas, principalmente no começo. Seja paciente e responda da melhor maneira possível, lembrando que quanto mais eles souberem, melhor podem apoiá-lo e ajudá-lo a se recuperar.[12]

    • Uma pergunta que você pode receber é: “O que está causando a ansiedade?” Eles também podem querer saber há quanto tempo você está se sentindo assim. A causa exata do distúrbio de ansiedade geralmente não é tão clara, mas tente responder o mais honestamente possível.
    • Eles também podem ficar preocupados pensando que a ansiedade está relacionada com algo que eles fizeram ou disseram. Tranquilize-os afirmando que não é culpa deles.
  4. 4
    Não desista. Não perca a esperança, mesmo que sua família não aceite ou acredite na condição em um primeiro momento. Toque novamente no assunto. Volte a dizer que você precisa de ajuda se achar que eles estão deixando para lá. Deixe claro que você acha que o problema é grave e está interferindo na vida diária. O tratamento é importante o suficiente para pedir quantas vezes for necessário.[13][14]

    • Toque no assunto quantas vezes for preciso. Por exemplo, você poderia dizer: “Mãe, eu realmente acho que algo está muito errado. Eu preciso ver alguém”. Reforce que a situação não é apenas medo comum. Diga: “Não, pai, isso é diferente. Eu fico paralisado com essa ansiedade”.
    • Fale com outro adulto confiável se a família não for capaz ou não estiver disposta a ajudar. Pense em outras pessoas que poderiam ajudar — como professores, mentores, amigos ou treinadores — e diga pelo que você está passando. Conte para alguém de confiança, que vai ouvir e respeitar sua privacidade.

Referências

  1. http://my.clevelandclinic.org/services/neurological_institute/center-for-behavioral-health/disease-conditions/hic-anxiety-disorders
  2. https://www.nami.org/Find-Support/Living-with-a-Mental-Health-Condition/Disclosing-to-Others
  3. https://www.nami.org/Find-Support/Living-with-a-Mental-Health-Condition/Disclosing-to-Others
  4. http://childmind.org/article/how-to-talk-to-your-parents-about-getting-help-if-you-think-you-need-it/
  5. https://www.nami.org/Find-Support/Living-with-a-Mental-Health-Condition/Disclosing-to-Others
  6. http://childmind.org/article/how-to-talk-to-your-parents-about-getting-help-if-you-think-you-need-it/
  7. https://www.nami.org/Find-Support/Living-with-a-Mental-Health-Condition/Disclosing-to-Others
  8. https://www.nami.org/Find-Support/Living-with-a-Mental-Health-Condition/Disclosing-to-Others
  9. http://childmind.org/article/how-to-talk-to-your-parents-about-getting-help-if-you-think-you-need-it/

Exibir mais… (5)


Como Contar para Alguém que Você é Bissexual

Como Contar para Alguém que Você é Bissexual

Escrito em parceria com

Trudi Griffin, LPC, MS

Neste Artigo:Tendo uma conversa proveitosaEscolhendo o momento e a pessoa certa para se assumirContando aos seus pais, parceiro e demais pessoas18 Referências

Sentir-se confortável com a sua sexualidade é uma jornada pessoal muito importante. Se tiver se descoberto bissexual, talvez você esteja pensando em como dar a notícia para as pessoas. A coisa mais importante é estar bem consigo mesmo e com a sua orientação. Pense se está realmente pronto para revelar isso aos outros. Se sim, escolha alguém confiável e empático. Seja honesto e positivo durante a conversa, e provavelmente essa será uma experiência construtiva.

1

Tendo uma conversa proveitosa

  1. 1
    Decida se falar pessoalmente é a melhor opção. Se estiver nervoso com o assunto, talvez você possa escolher outra forma de comunicação. Uma carta ou e-mail, por exemplo, são algumas opções que diminuiriam a pressão consideravelmente. Não se esqueça de iniciar a mensagem dizendo algo assim: “Por favor, reserve um tempo para ler isso com calma. Eu tenho algo muito importante para contar.”.[1]

    • Caso se sinta confiante o suficiente para ter uma boa conversa pessoalmente, faça isso. Uma das vantagens é que você conseguirá ver a verdadeira reação da pessoa.
    • Tenha em mente que, uma vez que escrever o que está sentindo e enviar, não terá mais controle sobre essa informação.
  2. 2
    Encontre a hora e o lugar certo. Essa é uma coisa muito importante de se contar, e pode gerar comoção nas duas pessoas. Deixe para fazer em um momento em que ambos possam conversar sem pressa. Não toque no assunto quando o seu ente querido estiver ocupado ou distraído. Por exemplo, não puxe sua mãe para falar quando ela estiver saindo para o trabalho.[2]

    • Escolha um lugar confortável para você. Se achar melhor conversar com mais privacidade, pode ser na sua sala de estar ou cozinha.
    • Caso ache que a conversa possa não fluir muito bem, prefira um espaço público, como um café.
  3. 3
    Comece com o lado bom. Se iniciar o assunto de forma negativa, é mais provável que o ouvinte entenda como uma notícia ruim. Toque no assunto falando algo positivo, para que esse seja o tom do restante da conversa.[3]

    • Diga: “Eu gostaria de compartilhar uma coisa importante com você. Estou me sentindo muito bem a respeito disso, e fico feliz em poder me abrir contigo.”.
    • Não fale: “Preciso contar algo que talvez você não fique feliz em ouvir.”. No caso dos seus pais, por exemplo, uma frase assim os deixará tristes e preocupados.
  4. 4
    Seja claro e objetivo. Não enrole para tocar no assunto principal. Dê a notícia de forma transparente logo no começo da conversa. Poderia ser algo assim: “Obrigado por estar aqui me ouvindo. Eu gostaria de contar que eu sou bissexual.”.[4]

    • Não use frases vagas do tipo: “Talvez eu seja bissexual.”, ou “Estava pensando no que você acharia se eu dissesse que sou bissexual.”.
    • Explique por que é importante para você que a pessoa saiba, seja por não querer que ela descubra de surpresa ou qualquer outra razão.
  5. 5
    Dê tempo para a pessoa digerir a informação. Existe a chance da resposta inicial ser positiva e aprovadora, mas nem sempre será o caso. Seu ente querido precisará de um tempo para processar a notícia. Se a pessoa ficar quieta, não exija uma reação imediata.[5]

    • Uma boa atitude seria dizer: “Eu entendo que talvez você não esperasse por isso. Quer alguns minutos para pensar a respeito?”.
    • Pode ser necessário dizer que é bissexual mais de uma vez para que as pessoas entendam totalmente. No caso dos pais ou amigos, é possível que aconteça um choque inicial e eles precisem de um tempo para refletir sobre a notícia. Aborde novamente a questão depois e veja se restou alguma dúvida.
  6. 6
    Prepare-se para tirar dúvidas. Algumas pessoas não entendem o que significa exatamente ser bissexual, então talvez o seu ouvinte faça perguntas. Caso se sinta confortável para isso, dê respostas honestas. Ao explicar um pouco mais sobre a sua orientação, a chance de uma recepção positiva se torna maior.[6]

    • Perguntas como “Você tem certeza?” e “Não é só uma fase?” são bem comuns.
    • Deixe claro que sente atração por homens, mulheres e gêneros não binários.
    • Diga como isso pode afetar a pessoa e seu relacionamento com ela.
  7. 7
    Ofereça fontes de conhecimento. Uma boa ideia é ir munido com a maior quantidade possível de informações. Dessa forma, você poderá fornecer dados para o indivíduo. Recomende o site da fundação LGBTQ mais próxima, além de estudos confiáveis, como este da Universidade de Brasília.[7]

2

Escolhendo o momento e a pessoa certa para se assumir

  1. 1
    Conte para alguém. Talvez você esteja muito nervoso com a ideia de falar sobre a sua bissexualidade. Isso é completamente normal! Vá devagar e escolha uma única pessoa para contar primeiro. Assim, você perceberá qual a melhor forma de dar a notícia e ficará mais confortável para as próximas conversas. Além disso, depois que pelo menos um ente querido souber, haverá um sistema de suporte para apoiá-lo quando decidir sair totalmente do armário.[8]
  2. 2
    Escolha o seu amigo mais empático. Uma amizade próxima pode ser uma boa maneira de começar. Caso tenha vários amigos, pense com calma sobre quem daria mais apoio. Quem sabe aquele colega que você sempre conversa sobre os problemas em casa, ou o que guarda muito bem todos os seus segredos.[9]

    • Se não conseguir lembrar um momento específico em que esse amigo o apoiou, pode não ser a pessoa certa. Pense um pouco mais.
  3. 3
    Escolha um familiar compreensivo. É especialmente complicado se assumir para a família, já que ela representa uma grande parte da sua vida. Mas não se sinta obrigado a contar para os seus pais logo de cara se acha que eles não reagirão bem, por exemplo. Tente se lembrar de ter ouvido comentários negativos de parentes sobre pessoas LGBTQ, ou frases preconceituosas sobre bissexuais; se for o caso, não se exponha e busque ajuda de outras pessoas.[10]

    • Uma ideia é conversar com um primo ou tia de mente aberta. Se a resposta for positiva, peça ajuda para dar a notícia aos outros membros da família.
  4. 4
    Desabafe com alguém que seja LGBTQ. Sair do armário como bissexual pode ser assustador. O maior medo é que os outros não compreendam. Por isso, considere ter essa conversa com outra pessoa LGBTQ, pois ela entenderá o que você está passando e provavelmente será um grande ponto de apoio.[11]

    • Tudo bem se não conhecer nenhum outro indivíduo LGBTQ. Entre em contato com o centro de suporte mais próximo e peça ajuda.
    • Outra forma é procurar grupos online da sua região. É possível que eles organizem encontros presenciais em que você poderá se integrar.
  5. 5
    Sinta-se confortável com a sua sexualidade. Você é a primeira pessoa para quem precisa se assumir. Quando estiver descobrindo a sua orientação, tente ignorar os estereótipos. Sua identidade pertence somente a você, e não a expectativas do que deveria sentir, pensar ou fazer.[12]

    • Caso ainda não se sinta pronto para falar sobre sua sexualidade, não tem problema. Espere até estar mais confiante para sair do armário.
    • Faça somente por escolha. Não se sinta pressionado a se assumir. Essa é uma decisão pessoal e ela pode esperar você estar preparado.
    • Repita para si mesmo até soar natural: “Eu sou bissexual e estou completamente confortável com isso.”.
  6. 6
    Leve em conta os benefícios de se assumir. Passe para o papel os motivos de querer sair do armário. Liste os prós, como ter relacionamentos mais genuínos e acabar com o estresse de se esconder. Talvez você também queira participar mais ativamente da comunidade LGBTQ. Outro ponto positivo é que você poderá ser a inspiração de alguém na mesma situação.[13]

    • Caso consiga pensar facilmente em várias vantagens, é bem provável que você esteja pronto para contar que é bissexual.

3

Contando aos seus pais, parceiro e demais pessoas

  1. 1
    Converse com o seu parceiro. Diga ao seu companheiro de forma clara e direta o que a sua bissexualidade representa para você. Comece assim: “Eu sou bissexual, e para mim isso significa que eu me atraio romanticamente por pessoas, independente do gênero.”. Deixe claro se isso terá algum impacto no relacionamento de vocês, dizendo: “Eu quero que saiba que isso não muda o que eu sinto por você. Não estou interessada em outras pessoas. Porém, faz parte de quem eu sou, por isso quis abrir o jogo.”.[14]

    • Ouça o seu parceiro e responda suas dúvidas de forma honesta.
    • Tenha paciência. Seu companheiro pode precisar de algum tempo para absorver essa informação, e não tem problema.
  2. 2
    Conte aos seus pais. Encontre um bom momento para falar com eles e seja sincero. Toque no assunto assim: “Mãe, eu sou bissexual. Comecei a sair/estou apaixonado por uma garota/garoto, então eu gostaria que você soubesse disso.”. Explique o que é ser bissexual para você e ressalte que foi algo muito bem pensado. Seus pais podem dizer que já sabiam ou ficar abalados. Esteja preparado para as seguintes reações:

    • Perguntar o que fizeram de errado.
    • Chorar ou lamentar.
    • Questionar se você tem certeza.
    • Insinuar que você só está querendo chamar atenção.[15]
  3. 3
    Reflita sobre o seu grau de dependência daquela pessoa. Se você for menor de idade, provavelmente ainda mora com seus pais. Mesmo que já tenha saído de casa para estudar, talvez você ainda dependa deles financeiramente. Se achar que seus pais não vão compreender, é melhor esperar para contar que é bissexual. Não corra o risco de ficar sem um lugar para morar ou perder o suporte necessário para os seus estudos e sobrevivência. [16]

    • Isso também é algo a se pensar caso more com o seu companheiro. Antes de contar, fortaleça a sua independência financeira.
  4. 4
    Saia do armário para alguém do trabalho. Antes de contar aos seu colegas, verifique se a empresa possui uma política antidiscriminação que o protegerá de atitudes preconceituosas no escritório.[17] Depois, converse com a sua equipe da mesma forma que faria com amigos. Fale: “Eu só queria dizer que sou bissexual. Nós nos tornamos amigos aqui e isso é uma grande parte da minha identidade, por isso decidi contar.”.

    • Não se sinta pressionado a se assumir no trabalho. Somente faça isso se tiver certeza de que será apoiado.
    • Mesmo que o ambiente profissional tenha uma política antidiscriminatória, avalie a postura dos seus superiores. Eles apoiam essas regras ou parecem se opor de alguma forma?
  5. 5
    Converse com o seu médico. É essencial que você fale sobre o assunto com o seu médico. Mulheres bissexuais, em especial, correm riscos que são menos comuns para pessoas cisgêneras heterossexuais ou mulheres lésbicas. Diga ao seu especialista a sua orientação e conte os detalhes relevantes do seu histórico sexual. Lembre-se: ele não está ali para julgar.[18]

    • Se o seu médico parecer confuso ou preconceituoso sobre a informação, é hora de procurar um profissional melhor. É obrigação dele ser imparcial e oferecer suporte clínico.

Dicas

  • Não se sinta pressionado a sair do armário.
  • Antes de qualquer coisa, esteja confortável com a sua sexualidade.
  • Caso não goste de rótulos, peça às pessoas para não se referirem a você dessa forma.
  • Depois de se assumir para alguém, dê espaço ao ente querido para processar a informação!

Avisos

  • Não se assuma se isso puder causar algum risco de vida. Por exemplo, caso more em um país onde a homossexualidade é ilegal, o melhor é não tornar nada público antes de se mudar para um lugar mais seguro.

Referências

  1. https://www.plannedparenthood.org/learn/teens/lgbtq/coming-out/how-do-i-come-out
  2. https://www.teenvogue.com/story/how-to-come-out-to-parents-tips
  3. https://www.teenvogue.com/story/how-to-come-out-to-parents-tips
  4. https://www.teenvogue.com/story/how-to-come-out-to-parents-tips
  5. https://www.ditchthelabel.org/top-11-tips-for-coming-out-as-lesbian-gay-or-bi/
  6. http://www.pflagnyc.org/support/parentsquestions
  7. https://lgbtrc.usc.edu/files/2015/05/Bisexuality-101.pdf
  8. https://www.ditchthelabel.org/top-11-tips-for-coming-out-as-lesbian-gay-or-bi/
  9. http://www.bisexualindex.org.uk/index.php/ComingOut

Exibir mais… (9)


Como Contar os Passos com o Apple Watch

Como Contar os Passos com o Apple Watch

Escrito em parceria com

Equipe blogwiki

Neste Artigo:Vendo os passos no Apple WatchVendo os passos no iPhone

Este artigo o ensinará a usar o pedômetro do Apple Watch, que registra o número que passos que você dá. O aplicativo Atividade começa a contar os passos assim que você termina de configurar o Apple Watch, mas você pode verificá-los no aplicativo tanto no relógio quanto no seu iPhone.

1

Vendo os passos no Apple Watch

  1. 1
    Desbloqueie o Apple Watch. Se você tiver colocado senha, aperte o Digital Crown (o botão no lado direito do monitor) e insira a sua senha. Depois, aperte o Digital Crown novamente.

    • Se o seu Apple Watch estiver dormente, mas ainda no seu pulso, levante o pulso e aperte o Digital Crown uma vez (ou duas, se houver notificações na tela).
    • Se estiver desbloqueado, mas você tiver um aplicativo aberto, pressione o Digital Crown uma vez.
  2. 2
    Abra o aplicativo Atividade. Encontre o ícone do aplicativo – que parece uma série de espirais rosas, verdes e azuis — e toque nele. O aplicativo Atividade abrirá as estatísticas de atividades do dia.

    • Se o mostrador do seu Apple Watch tiver o ícone do Atividade, você pode apenas tocar no ícone para abri-lo.
    • Se for a primeira vez que você estiver abrindo esse aplicativo, deslize as quatro telas introdutórias e toque em Começar, na parte inferior da quinta tela, antes de proceder.
  3. 3
    Vá para a seção “TOTAL DE PASSOS”. Você a encontrará no fim da página.
  4. 4
    Reveja os passos do dia. O número abaixo de “TOTAL DE PASSOS” refere-se ao número de passos que você deu desde meia-noite deste dia.

    • Esse número normalmente leva de alguns segundos a minutos para atualizar se você estiver se movimentando constantemente.
  5. 5
    Encontre o número de passos por semana. Pressione na tela do Apple Watch para abrir o menu, toque em Resumo da Semana e vá para a seção de “PASSOS”. O número que aparecer representa os passos que você deu nessa semana, começando na segunda-feira.

    • Você pode fechar essa seção e voltar à seção diária do aplicativo Atividade tocando em Sair no canto superior esquerdo da tela.

2

Vendo os passos no iPhone

  1. 1
    Abra o aplicativo Atividade no seu iPhone. Toque no ícone do aplicativo, que parece uma série de círculos rosas, verdes e azuis com um fundo preto.

    • Se não encontrar o aplicativo, você pode tê-lo apagado acidentalmente. Baixe-o novamente no App Store do seu celular.
    • Ver a sua atividade no iPhone pode ser útil quando você não tiver acesso ao seu Apple Watch.
  2. 2
    Toque em History. O botão fica no canto inferior esquerdo da tela. Isso abrirá o calendário do mês atual.
  3. 3
    Selecione um dia. Toque no dia que deseja ver a contagem de passos. Fazê-lo abrirá as estatísticas do dia.

    • Você pode selecionar um dia em um mês anterior rolando para cima e procurando o mês em questão.
  4. 4
    Procure “Passos” rolando para baixo. Você encontrará esse título perto do fim da página e no lado esquerdo da tela.
  5. 5
    Veja o número de passos. O número abaixo de “Passos” se refere ao número de passos que você deu desde meia-noite do dia selecionado.

Dicas

  • O aplicativo Atividade do iPhone também pode contar os passos para você. Qualquer passo que você der com o celular será automaticamente sincronizado com o Apple Watch.

Avisos

  • Pode levar alguns minutos para sincronizar os passos entre o iPhone e o Apple Watch.

Como Contar os Backlinks de um Site com o Yahoo!

Como Contar os Backlinks de um Site com o Yahoo!

Informações do Autor

Neste Artigo:padrão do Yahoo SearchYahoo Site ExplorerAtravés das APIs do Yahoo Site ExplorerReferências

Links de entrada medem a popularidade de um site. Eles são cruciais para os rankings dos motores de busca. Aqui está como você pode usar o Yahoo para contar quantos links seu site tem.

1

padrão do Yahoo Search

  1. 1
    Digite domíniodolink:seudomínio.com-domínio:seudomínio.com para ver os resultados de todas as contagens de links do Yahoo, exceto para aqueles em seu próprio domínio. Uma versão de exemplo deste artigo está aqui.

2

Yahoo Site Explorer

  1. 1
    Acesse http://siteexplorer.search.yahoo.com/
  2. 2
    Digite o nome de domínio (por exemplo, www.SeuSite.com) e clique em Explore URL (Explorar URL).
  3. 3
    Clique em “Inlinks”.
  4. 4
    Selecione no menu suspenso “Except from this domain/Exceto deste domínio”. Se você manter a seleção padrão de “From all pages/De todas as páginas”, também contará links de seu próprio site.
  5. 5
    Selecione no menu suspenso “Only this URL/Apenas esta URL” e “Entire site/Site inteiro”. Apenas esta URL selecionará os links da página específica que você digitou.[1]
  6. 6
    Visualize o link de exemplo aqui ou veja os resultados abaixo. Você pode ver que na data o blogwiki tinha 389.000 links de outros sites. O Yahoo então continua a listar cada site fazendo a ligação.

3

Através das APIs do Yahoo Site Explorer

  1. 1
    Acesse a URL do Yahoo http://developer.yahoo.com/search/siteexplorer/ e siga as instruções.

Referências

  1. http://www.seroundtable.com/archives/012621.html


Como Contar o Troco

Como Contar o Troco

Escrito em parceria com

Equipe blogwiki

Neste Artigo:Contando troco de operações básicasFazendo cálculos mais complexosVendo se recebeu o troco certo8 Referências

Antes da invenção da calculadora e das caixas registradoras eletrônicas, as pessoas tinham de contar o troco de cabeça. Até mesmo na era digital, há situações em que esses recursos não estão disponíveis — ou em que ainda é preciso fazer os cálculos de mãos vazias. Contar de trás para frente é uma estratégia simples e eficaz. Além disso, também é importante verificar o troco que se recebe após fazer compras. Caso não saiba o que fazer, você sempre vai correr o risco de ser passado para trás ou de sofrer com o erro dos outros.

1

Contando troco de operações básicas

  1. 1
    Diga o preço da compra em voz alta. Se trabalha de caixa em um supermercado ou loja, sempre fale o valor total dos produtos para o cliente, bem como a quantia que ele entregou para o pagamento. Se a compra for de R$5,20, por exemplo, e ele entregar uma nota de R$10,00. Diga “R$10,00 para R$5,20”. Assim, ambos vão memorizar os preços e a quantia entregue. Nesse momento, comece a calcular o valor do troco mentalmente.[1]
  2. 2
    Ponha o dinheiro sobre a caixa registradora ou no balcão. Dessa forma, vai poder ver quanto recebeu e comparar essa quantia ao preço da compra, bem como calcular o troco que deve dar ao consumidor. Nunca guarde as moedas ou notas direto, ou pode até esquecer quanto recebeu.[2]

    • Por exemplo: o cliente pode achar que entregou R$20,00, em vez de R$10,00. Se deixar a nota em cima do balcão até terminar a transação, você vai evitar confusões do tipo.
  3. 3
    Conte o troco de acordo com os valores apontados pela caixa registradora. Se tiver o auxílio desse equipamento, use-o para determinar quanto deve entregar ao cliente. Por exemplo: se um produto custar R$5,20, e o consumidor lhe entregar R$10,00, digite esse valor na máquina para ela fazer a conta do troco (no caso, R$4,80). Tire o valor da máquina, começando pelas notas e terminando com as moedas.[3]

    • Aprenda a usar a caixa registradora para saber administrar bem o dinheiro e o troco dos clientes.
    • Se cometer algum erro com o equipamento, peça ajuda a um colega ou ao gerente.
  4. 4
    Conte o troco mentalmente. Se não tiver caixa registradora por qualquer motivo ou tiver digitado um valor incorreto, faça as contas de cabeça. Essa habilidade é essencial para qualquer operário de caixa. Você pode, por exemplo, contar o troco do preço da compra e parar quando chegar ao valor exato — começando pelas moedas pequenas, indo às notas aos poucos. Por exemplo: se um item custar R$12,45 e o cliente entregar R$20,00, faça as contas assim:[4]

    • Conte as moedas pequenas, começando em R$12,45: R$12,45, R$12,46, R$12,47, R$12,48, R$12,49, R$12,50 (5 centavos).
    • Conte as moedas de R$0,25: R$12,75, R$13,00 (50 centavos).
    • Conte as moedas de R$1, começando em R$13,00: R$14,00, R$15,00 (2 reais).
    • Conte as notas de R$5, começando em R$15,00: R$20,00 (uma nota).
    • Troco total: R$7,55.
  5. 5
    Conte o troco em voz alta para o cliente. Quando determinar quanto deve devolver, faça a conta enquanto entrega a quantia à pessoa para que ela saiba que você não está errado. Para isso, siga os mesmos passos acima — com a diferença de que, agora, vai entregar tudo na mão do próprio consumidor.[5]

    • Por exemplo: se o produto custar R$10,25 e o cliente der R$20,00, devolva o troco enquanto faz a conta em voz alta. Entregue três moedas de R$0,25 e diga “R$11,00”; quatro moedas de R$1 e diga “R$15,00”; e uma nota de R$5 e diga “R$20,00”. Assim, a pessoa vai ver que recebeu corretamente.

2

Fazendo cálculos mais complexos

  1. 1
    Preste bastante atenção a contas mais complexas. Alguns clientes podem entregar valores incomuns (maiores que o necessário) para evitar receber muitas moedas miúdas. Por exemplo: se o produto custar R$33,05, pessoa pode lhe dar R$50,05. Nesse caso, guarde os R$0,05 extras na máquina e conte a partir de R$33,00. Faça o seguinte:[6]

    • R$34,00, R$35,00 (uma nota de R$2), R$40,00 (uma nota de R$5), R$50,00 (uma nota de R$10).
    • Nesse caso, o valor total do troco é R$17,00.
  2. 2
    Devolva o troco com o menor número possível de moedas. Dependendo do valor que você tem de devolver, pode acabar tendo de usar várias miúdas. Quando determinar a quantia exata a partir do dinheiro que o cliente entregou, organize-se para evitar dor de cabeça.[7]

    • Por exemplo: se o produto custar R$5,50, e o cliente entregar uma nota de R$10,00, comece a contar a partir das moedas de R$0,10: R$5,60, R$5,80, R$5,90, R$6,00. Depois, passe para as moedas de R$1: R$7,00, R$8,00, R$9,00, R$10,00. O troco total, portanto, é de R$4,45.
    • Em vez de dar cinco moedas de R$0,10 e quatro de R$1, entregue uma moeda de R$0,50 e duas notas de R$2 ao cliente. Todos vão sair mais felizes.
  3. 3
    Tire a prova das contas com uma calculadora. Deixe o equipamento por perto para ver se fez as contas certas antes de entregar o troco ao cliente. Ele vai ajudá-lo a detectar possíveis erros e, dessa forma, você vai poder ficar mais tranquilo para confirmar a operação. Este passo é ainda mais importante em contas complexas.

    • Você também pode usar a calculadora do celular para ver se acertou na conta do troco.

3

Vendo se recebeu o troco certo

  1. 1
    Conte o troco antes de sair da loja ou do mercado. Sempre confira a quantia que receber após uma compra para saber se está tudo certo. Muitos operadores de caixa cometem erros (confundindo notas de R$20 com notas de R$50, por exemplo), o que pode prejudicar os consumidores. Para fazer essa checagem, conte a quantia que tem em mãos em comparação ao que pagou.

    • Comece a contar a partir do preço que pagou pelo produto para determinar o troco certo. Por exemplo: se tiver custado R$2,75, e você tiver entregue uma nota de R$5,00, comece o cálculo a partir de R$2,75. Conte uma moeda de R$,25 (R$3,00) e, depois, uma nota de R$2 (R$5,00). Assim, o troco final deve ser de R$2,25.
    • Use a calculadora do celular se estiver com pressa e não conseguir fazer a conta de cabeça.
  2. 2
    Veja se recebeu o troco na moeda certa. Pode parecer estranho, mas, dependendo de onde mora, você pode receber o dinheiro na moeda errada. Confira para ver se não há nada errado.

    • Por exemplo: brasileiros que moram no Sul podem acabar recebendo moedas dos países da fronteira, como o Paraguai. Cultive o hábito de verificar se tudo está certo.
  3. 3
    Só deixe a loja ou o mercado com o mesmo valor que usou no pagamento. Eis uma dica simples de ver se o troco está certo: você deve sair do local de compra com a mesma quantia quando chegou — parte na forma do troco, parte na forma do produto ou serviço adquirido. Por exemplo: se tiver entrado no local com R$40,00 e comprado uma boneca de R$25,00, deve ir embora com um troco de R$15,00 e o produto. Assim, quando somar tudo, vai chegar à quantia de R$40,00, que foi o que entregou ao caixa.[8]

Dicas

  • Use moedas miúdas (ou até dinheiro do Banco Imobiliário) para praticar. Depois, finja que está gastando (ou recebendo) quantias diferentes. Conte-as de trás para frente, até aprender o que fazer.

Avisos

  • Cuidado com os charlatões e trapaceiros de plantão. Eles podem dizer algo como “Você troca duas notas de R$5 por uma de R$10?” ou “Se eu entregar uma nota de R$5, você me devolve em moedas de R$1?” na esperança de que você caia numa cilada. Se ficar confuso com algo do tipo, feche a caixa registradora e diga que vai chamar o gerente. Caso a pessoa seja honesta, ela vai esperar, sem pressa.

Referências

  1. https://toughnickel.com/industries/How-to-Cashier
  2. https://toughnickel.com/industries/How-to-Cashier
  3. https://www.timesheets.com/blog/2014/04/business-math-series-how-to-teach-employees-to-count-change-back-to-a-customer/
  4. https://www.timesheets.com/blog/2014/04/business-math-series-how-to-teach-employees-to-count-change-back-to-a-customer/
  5. https://www.timesheets.com/blog/2014/04/business-math-series-how-to-teach-employees-to-count-change-back-to-a-customer/
  6. http://brightbacon.com/blog/work/how-count-back-change-beginners-guide
  7. http://brightbacon.com/blog/work/how-count-back-change-beginners-guide
  8. http://brightbacon.com/blog/work/how-count-back-change-beginners-guide


Como Contar em Latim

Como Contar em Latim

Informações do Autor

Neste Artigo:Aprenda os cardinaisAprenda os adverbiaisAprenda os ordinaisAprenda os distributivos

O latim é uma língua não falada por nenhuma nação moderna. Normalmente, um idioma como esse é chamado de morto (extinto) ou antigo. O latim é uma língua clássica aprendida por milhões de pessoas por diferentes motivos, e é também utilizado dentro do mundo científico por todas as nações. Os números em latim têm seu próprio significado.

Passos

Os números romanos têm formas cardinais, ordinais, distributivas e número-adverbiais.

1

Aprenda os cardinais

De um a nove

  1. 1
    Aprenda a contar os cardinais de um até nove em latim.

    • Um: Unus
    • Dois: Duo
    • Três: Tres
    • Quatro: Quattuor
    • Cinco: Quinque
    • Seis: Sex
    • Sete: Septem
    • Oito: Octo
    • Nove: Novem

Onze até dezenove

  1. 1
    Aprenda do onze até o dezenove:

    • Onze: Undecim
    • Doze: Duodecim
    • Treze: Tredecim
    • Quatorze: Quattuordecim
    • Quinze: Quindecim
    • Dezesseis: Sedecim
    • Dezessete: Septendecim
    • Dezoito: Duodeviginiti (na realidade, significa faltando dois para vinte)
    • Dezenove: Undeviginiti (na realidade, significa faltando um para vinte)

Múltiplos de dez

  1. 1
    Agora é hora de aprender os múltiplos de dez:

    • Dez: Decem
    • Vinte: Viginiti
    • Trinta: Triginta
    • Quarenta: Quadraginta
    • Cinquenta: Quinquaginta
    • Sessenta: Sexaginta
    • Setenta: Septuaginta
    • Oitenta: Octoginta
    • Noventa:Nonaginta

Múltiplos de cem e mil

  1. 1
    Aprenda os múltiplos de cem:

    • Cem: Centum
    • Duzentos: Ducenti
    • Trezentos: Trecenti
    • Quatrocentos: Quadringenti
    • Quinhentos: Quingenti
    • Seiscentos: Sescenti
    • Setecentos: Septingenti
    • Oitocentos: Octingenti
    • Novecentos: Nongenti
    • E finalmente,
    • Mil: Mille
    • Dois mil: Duo milia
    • Três mil: Tre milia
    • Cem mil: Centum milia
    • E um milhão: Decies centena milia (na verdade significa dez centenas de milhar)

Números menores entre esses dois

  1. 1
    Quando você souber os números maiores, aprender os pequenos é fácil em latim.
  2. 2
    Em latim, ao contrário do português, diz-se, por exemplo, sete e quarenta, e não quarenta e sete. Portanto:

    • Quarenta e sete: Septem et quadraginta
    • Cinquenta e seis: Sex et quinquaginta
    • Oitenta e cinco: Quinque et octoginta
  3. 3
    Segue-se assim até o cem, na qual a ordem das palavras fica igual ao português. Assim,

    • Cento e quarenta e sete: Centum quadraginta septem
    • Trezentos e cinquenta e seis: Trecenti quinquaginta sex
    • Setecentos e oitenta e cinco: Septingenti octoginta quinque

2

Aprenda os adverbiais

  1. 1
    Os números adverbiais definem a resposta para “quantas vezes”?

Um ao nove

  1. 1
    Aprenda os números adverbiais do um até o nove em latim.

    • Uma vez: Semel
    • Duas vezes: Bis
    • Três vezes: Ter
    • Quatro vezes: Quater
    • Cinco vezes: Quinquies
    • Seis vezes: Sexies
    • Sete vezes: Septies
    • Oito vezes: Octies
    • Nove vezes: Novies

Onze ao dezenove

  1. 1
    Aprenda os adverbiais do onze ao dezenove:

    • Onze vezes: Undecies
    • Doze vezes: Duodecies
    • Treze vezes: Ter decies (escrito separado)
    • Quatorze vezes: Quater decies (escrito separado)
    • Quinze vezes: Quinquies decies (escrito separado)
    • Dezesseis vezes: Sexies decies (escrito separado)
    • Dezessete vezes: Septies decies (escrito separado)
    • Dezoito vezes: Duodevicies
    • Dezenove vezes: Undevicies

Múltiplos de dez

  1. 1
    Agora aprenda os múltiplos adverbiais de dez:

    • Dez vezes: Decies
    • Vinte vezes: Vicies
    • Trinta vezes: Tricies
    • Quarenta vezes: Quadragies
    • Cinquenta vezes: Quinquagies
    • Sessenta vezes: Sexagies
    • Setenta vezes: Septuagies
    • Oitenta vezes: Octogies
    • Noventa vezes: Nonagies

Múltiplos de centena e milhar

  1. 1
    Aprenda os múltiplos adverbiais de centenas:

    • Cem vezes: Centies
    • Duzentas vezes: Ducenties
    • Trezentas vezes: Trecenties
    • Quatrocentas vezes: Quadringenties
    • Quinhentas vezes: Quingenties
    • Seiscentas vezes: Sexcenties
    • Setecentas vezes: Septingenties
    • Oitocentas vezes: Octingenties
    • Novecentas vezes: Nongenties
  2. 2
    E finalmente,

    • Mil vezes: Milies
    • Duzentas vezes: Bis milies
    • Trezentas vezes: Ter milies
    • Cem mil vezes: Centies milies
    • E um milhão de vezes: Decies centies milies

Números menores entre eles

  1. 1
    Para comport os números adverbiais, mude cada cardinal para sua forma adverbial. Assim,

    • Quarenta e sete vezes: Septies et quadragies
    • Cinquenta e seis vezes: Sexies et quinquagies
    • Oitenta e cinco vezes: Quinqies et octogies
    • Cento e quarenta e sete vezes: Centies quadragies septies
    • Trezentas e cinquenta e seis vezes: Trecenties quinquagies sexies
    • Setecentas e oitenta e cinco vezes: Septingenties octogies quinquies

3

Aprenda os ordinais

Os ordinais servem para numerar, por exemplo, uma “ordem de chegada”

Um ao nove

  1. 1
    Aprenda os ordinais do um ao nove.

    • Primeiro: Primus
    • Segundo: Secundus
    • Terceiro: Tertius
    • Quarto: Quartus
    • Quinto: Quintus
    • Sexto: Sextus
    • Sétimo: Septimus
    • Oitavo: Octavus
    • Nono: Nonus

Onze ao Dezenove

  1. 1
    A seguir os ordinais de onze a dezenove:

    • Décimo primeiro: Undecimus
    • Décimo segundo: Duodecimus
    • Décimo terceiro: Tertius decimus (escritos separadamente)
    • Décimo quarto: Quartus decimus (escritos separadamente)
    • Décimo quinto: Quintus decimus (escritos separadamente)
    • Décimo sexto: Sextus decimus (escritos separadamente)
    • Décimo sétimo: Septimus decimus (escritos separadamente)
    • Décimo oitavo: Duodevicesimus
    • Décimo nono: Undevicesimus

Múltiplos de dez

  1. 1
    Agora aprenda os múltiplos de dez:

    • Décimo: Decimus
    • Vigésimo: Vicesimus
    • Trigésimo: Tricesimus
    • Quadragésimo: Quadragesimus
    • Quinquagésimo: Quinquagesimus
    • Sexagésimo: Sexagesimus
    • Septuagésimo: Septuagesimus
    • Octogésimo: Octogesimus
    • Nonagésimo: Nonagesimus

Múltiplos de centena e milhar

  1. 1
    Aprenda os múltiplos de centenas para os ordinais:

    • Centésimo: Centesimus
    • Ducentésimo: Ducentesimus
    • Tricentésimo: Trecentesimus
    • Quadringentésimo: Quadringentesimus
    • Quingentésimo: Quingentesimus
    • Seiscentésimo: Sexcentesimus
    • Septingentésimo: Septingentesimus
    • Octingentésimo: Octingentesimus
    • Nongentésimo: Nongentesimus
  2. 2
    E finalmente,

    • Milésimo: Millesimus
    • Dois milésimos: Bis millesimus
    • Três milésimos: Ter millesimus
    • Cem milésimos: Centies millesimus
    • E milionésimo: Decies centies millesimus

Números menores entre esses

  1. 1
    Para compor números ordinais, troque cada cardinal com sua forma ordinal. Assim:

    • Quadragésimo sétimo: Septimus et quadragesimus
    • Quinquagésimo sexto: Sextus et quinquagesimus
    • Octogésimo quinto: Quintus et octogesimus
    • Centésimo quadragésimo sétimo: Centesimus quadragesimus septimus
    • Tricentésimo quinquagésimo sexto: Trecentesimus quinquagesimus sextus
    • Septingentésimo octogésimo quinto: Septingentesimus octogesimus quintus

4

Aprenda os distributivos

Os distributivos servem para mostrar “quantos para cada um”. Por exemplo, cinco moedas para cada trabalhador.

Um a nove

  1. 1
    Aprenda os distributivos em latim de um a nove

    • Um para cada: Singuli
    • Dois para cada: Bini
    • Três para cada: Terni
    • Quatro para cada: Quaterni
    • Cinco para cada: Quini
    • Seis para cada: Seni
    • Sete para cada: Septeni
    • Oito para cada: Octoni
    • Nove para cada: Noveni

Onze ao dezenove

  1. 1
    Aprenda do onze ao dezenove:

    • Onze para cada: Undeni
    • Doze para cada: Duodeni
    • Treze para cada: Terni deni
    • Quatorze para cada: Quaterni deni
    • Quinze para cada: Quini deni
    • Dezesseis para cada: Seni deni
    • Dezessete para cada: Septeni deni
    • Dezoito para cada: Dudeviceni
    • Dezenove para cada: undeviceni

Múltiplos de dez

  1. 1
    Agora é hora de aprender os múltiplos de dez:

    • Dez para cada: Deni
    • Vinte para cada: Viceni
    • Trinta para cada: Triceni
    • Quarenta para cada: Quadrageni
    • Cinquenta para cada: Quinquageni
    • Sessenta para cada: Sexageni
    • Setenta para cada: Septuageni
    • Oitenta para cada: Octogeni
    • Noventa para cada: Nonageni

Múltiplos de centena e milhar

  1. 1
    Aprenda múltiplos de centenas:

    • Cem para cada: Centeni
    • Duzentos para cada: Duceni
    • Trezentos para cada: Treceni
    • Quatrocentos para cada: Quadringeni
    • Quinhentos para cada: Quingeni
    • Seiscentos para cada: Sesceni
    • Setecentos para cada: Septingeni
    • Oitocentos para cada: Octingeni
    • Novecentos para cada: Nongeni
    • E finalmente,
    • Mil para cada: Singula milia
    • Dois mil para cada: Bina milia
    • Três mil para cada: Trena milia
    • Cem mil para cada: Centena milia
    • E um milhão para cada: Decies centena milia (na realidade, dez vezes cem mil para cada).

Números menores entre esses

  1. 1
    Quando se sabe os números maiores em latim, os menores ficam fáceis.
  2. 2
    Ao contrário do português, no latim se diz sete e quarenta, e não quarenta e sete. Portanto:

    • Quarenta e sete para cada: Septeni et quadrageni
    • Cinquenta e seis para cada: Seni et quinquageni
    • Oitenta e cinco para cada: Quini et octogeni
  3. 3
    Segue-se assim até chegar ao cem, quando a ordem das palavras fica idêntica ao português, assim:

    • Cento e quarenta e sete para cada: Centeni septeni et quadrageni
    • Trezentos e cinquenta e seis para cada: Centeni seni et quinquageni
    • Setecentos e oitenta e cinco para cada: Centeni quini et octogeni

Como Contar em Espanhol

Como Contar em Espanhol

Informações do Autor

Neste Artigo:AlgarismosDezenasCentenasMilharesMilhões e bilhões5 Referências

Contar em espanhol não é tão difícil, desde que você memorize os termos corretos e as regras numéricas básicas. Você tem que começar do zero até chegar aos valores mais altos. Felizmente, o processo fica ainda mais fácil para quem fala português, já que as línguas são um pouco parecidas.

Parte 1

Algarismos

  1. 1
    Conte de zero a 9. Antes de chegar aos valores mais altos, você tem que aprender os algarismos em espanhol. Eles formam a raiz dos números maiores.

    • Os algarismos em espanhol são:[1]
      • 0: cero (cê-ro).
      • 1: uno (ú-no).
      • 2: dos (dôs).
      • 3: tres (três).
      • 4: cuatro (cu-á-tro).
      • 5: cinco (cin-co).
      • 6: seis (seis).
      • 7: siete (si-ê-te).
      • 8: ocho (ô-tio).
      • 9: nueve (nu-ê-ve).
    • “Cero” não forma a base de nenhum outro número maior.
    • Além disso, só usamos uno para falar do número em si. Para descrever a quantidade de objetos, por exemplo, usamos un para substantivos masculinos (Un chico) e una para femininos (Una chica).

Parte 2

Dezenas

  1. 1
    Continue contando de 10 a 19. Alguns desses números derivam dos algarismos, enquanto outros são combinações do termo correspondente a “dez” e o algarismo em si.

    • O termo para 10 é: diez (dí-ês).
    • Os termos de 11 a 15 derivam dos algarismos:
      • 11: once (ôn-ce).
      • 12: doce (dô-ce).
      • 13: trece (trê-ce).
      • 14: catorce (ca-tôr-ce).
      • 15: quince (quin-ce).
    • Os termos de 16 a 19 são combinações de diez (10) e os respectivos algarismos. Troque o z de diez por c e conecte-o à letra i:
      • 16: dieciséis (di-ê-ci-seis).
      • 17: diecisiete (di-ê-ci-si-ê-te).
      • 18: dieciocho (di-ê-ci-ô-tio).
      • 19: diecinueve (di-ê-ci-nu-ê-ve).
  2. 2
    Aprenda a contar de 20 a 29. Para formar os números da casa dos 20, você tem que ligar o termo que representa “20” aos respectivos algarismos.

    • O termo para 20 é: veinte (vê-in-te).
    • Para formar os termos de 21 a 29, troque o e do final por um i:
      • 21: veintiuno (vê-in-ti-ú-no).
      • 22: veintidós (vê-in-ti-dôs).
      • 23: veintitrés (vê-in-ti-três).
      • 24: veinticuatro (vê-in-ti-cu-á-tro).
      • 25: veinticinco (vê-in-ti-cín-co).
      • 26: veintiséis (vê-in-ti-seis).
      • 27: veintisiete (vê-in-ti-si-ê-te).
      • 28: veintiocho (vê-in-ti-ô-tio).
      • 29: veintinueve (vê-in-ti-nu-ê-ve).
  3. 3
    Memorize a estrutura das dezenas de 30 a 90. Todas as dezenas derivam dos algarismos, com algumas variações. Você tem que memorizar essas palavras básicas para poder formar os números de 31 a 99.

    • Os termos para as dezenas de 30 a 90 são:[2]
      • 30: treinta (tre-ín-ta).
      • 40: cuarenta (cua-rên-ta).
      • 50: cincuenta (cin-cuên-ta).
      • 60: sesenta (se-sên-ta).
      • 70: setenta (se-tên-ta).
      • 80: ochenta (o-tiên-ta).
      • 90: noventa (no-vên-ta).
  4. 4
    Aprenda a contar de 31 a 99. Ao contrário do grupo de 20, você não tem que alterar o termo das dezenas para formar esses valores. Na verdade, tem que separar o termo das dezenas e os respectivos algarismos com y (que representa “e” em português).[3]

    • Alguns exemplos:
      • 31: treinta y uno.
      • 42: cuarenta y dos.
      • 53: cincuenta y tres.
      • 64: sesenta y cuatro.
      • 75: setenta y cinco.
      • 86: ochenta y seis.
      • 97: noventa y siete.

Parte 3

Centenas

  1. 1
    Aprenda a usar o termo de 100. Você tem que saber usá-lo não só para contar de 100 a 199, mas também para formar números maiores na casa das centenas, já que o termo é a base de todos os outros.[4]

    • O termo para 100 é: cien (ci-ên).
    • Só use cien para dizer exatamente “100”. Para formar a base de outros números, adicione -to no fim da raiz (ciento).
  2. 2
    Conte as demais casas das centenas. Para isso, você tem que acrescentar os respectivos algarismos (ou uma forma abreviada deles) à frente de cientos.

    • Os termos em espanhol para as casas das centenas são:
      • 200: doscientos (dôs-ciên-tos).
      • 300: trescientos (três-ciên-tos).
      • 400: cuatrocientos (cu-á-tro-ciên-tos).
      • 500: quinientos (quí-ni-ên-tos).
      • 600: seiscientos (seis-ciên-tos).
      • 700: setecientos (se-te-ciên-tos).
      • 800: ochocientos (ô-tio-ciên-tos).
      • 900: novecientos (no-ve-ciên-tos).
    • Os termos para 500, 700 e 900 fogem um pouco à norma, mas a regra geral ainda é válida.
  3. 3
    Adicione os valores menores para formar os números mais altos. Para dizer ou escrever um número que cai entre as casas das centenas, basta você seguir o termo do devido grupo com o número que quer representar. Não precisa inserir y (“e”) entre as centenas e dezenas.

    • Veja alguns exemplos desse princípio:
      • 103: ciento tres.
      • 530: quinientos treinta.
      • 872: ochocientos setenta y dos.

Parte 4

Milhares

  1. 1
    Aprenda a usar o termo de 1000. Você tem que memorizá-lo e usá-lo para dizer ou escrever os números que vão até 9999.[5]

    • O termo para 1000 é: un mil (ún mil).
    • Para os números que vão de 1000 a 1099, você tem que deixar o un antes do mil.
      • Por exemplo: 1072 seria un mil setenta y dos.
    • Para os números que vão de 1100 a 1999, você pode tirar o un de mil.
      • Por exemplo: 1272 seria mil doscientos setenta y dos.
  2. 2
    Conte as demais casas dos milhares. Para terminar essas casas, é só você colocar os devidos termos na frente de mil.

    • Isso vale para os milhares, as dezenas de milhares e as centenas de milhares.
    • Os termos em espanhol para as casas dos milhares são:
      • 2000: dos mil.
      • 3000: tres mil.
      • 4000: cuatro mil.
      • 5000: cinco mil.
      • 6000: seis mil.
      • 7000: siete mil.
      • 8000: ocho mil.
      • 9000: nueve mil.
    • Veja alguns exemplos de palavras em espanhol para as dezenas e as centenas de milhares:
      • 10000: diez mil.
      • 34000: treinta y cuatro mil.
      • 800000: ochocientos mil.
  3. 3
    Adicione os valores menores para formar os números mais altos. Para contar os valores que ficam entre os milhares, as dezenas de milhares e as centenas de milhares, anote o termo do grupo seguido pelo termo da parte menor do número. Não há exceções a essa regra.

    • Veja alguns exemplos:
      • 34872: treinta y cuatro mil ochocientos setenta y dos.
      • 800103: ochocientos mil ciento tres.

Parte 5

Milhões e bilhões

  1. 1
    Aprenda os termos para milhão e bilhão. Os termos principais para 1.000.000 e 1.000.000.000 formam as bases dos outros números nesses grupos.

    • Os termos em espanhol são:
      • 1,000,000: un millón (ún mí-ión).
      • 1,000,000,000: mil millones (mil mí-iones).
  2. 2
    Siga as regras dos milhares para os milhões e bilhões. Todas as regras listadas acima valem para os números que ficam nesses grupos. Continue seguindo-as, sem exceção.

    • Para números maiores nesses grupos, o termo para “milhão” e “bilhão” tem que ser precedido pelos devidos valores menores.
    • Para os números que ficam entre as casas dos milhões e bilhões, anote tudo normalmente, sem ligar os termos.
    • Veja alguns exemplos:
      • 4,800,103: cuatro millones ochocientos mil ciento tres.
      • 78,800,103: setenta y ocho mil millones ochocientos mil ciento tres.

Referências

  1. http://www.studyspanish.com/lessons/cardnum1.htm
  2. http://www.softschools.com/spanish/spanish_numbers_1_100/
  3. http://www.studyspanish.com/lessons/cardnum3.htm
  4. http://www.intro2spanish.com/vocabulary/numbers/advanced.htm
  5. http://www.spanishdict.com/topics/show/25


Como Contar de um Jeito Legal a um Rapaz que Não Está Interessada Nele Romanticamente

Como Contar de um Jeito Legal a um Rapaz que Não Está Interessada Nele Romanticamente

Informações do Autor

Neste Artigo:Prepare-se para contar a eleDiga a eleRecupere-se sem percalços

Você se encontra em uma situação embaraçosa. Você é amiga de um cara por alguns meses, ou mesmo alguns anos, e de repente se torna evidente que ele está a fim de você. Bem, você quer que ele saiba que você aprecia a amizade dele, mas não o considera mais do que um amigo. Então, como contar a ele sem ferir seus sentimentos? Apenas siga estes passos.

1

Prepare-se para contar a ele

  1. 1
    Escolha a hora e local certos. Se não há dúvidas de que seu amigo sente borboletas no estômago quando a vê, é hora de contar a ele que você não sente o mesmo antes que as coisas saiam do controle. Mas se você quiser dar a notícia do melhor modo possível, você tem que escolher a hora e o local corretos para que ele esteja à vontade e receptivo.

    • Escolha um lugar que ‘’não’’ seja romântico. Se você contar a notícia em um restaurante chique, ou enquanto o sol estiver se pondo na praia, ele vai ser pego de surpresa. Conte a ele em um lugar onde você nunca teria um encontro.
    • Conte-o de manhã ou durante o dia. A noite é mais romântica.
    • Escolha um lugar onde vocês estarão relativamente sozinhos e longe dos amigos dele. Você não quer que ele fique envergonhado se outras pessoas ouvirem você contando a má notícia.
    • Escolha uma hora em que ele provavelmente não esteja ocupado ou estressado. Não conte a ele antes de uma prova importante, ou quando ele tiver um dia extremamente ocupado no trabalho.
    • Não enrole. Assim que souber que ele gosta de você, não espere tempo “demais” pelo momento perfeito de dizer alguma coisa. Quanto mais demorar para ele saber como você se sente, mais machucado ele vai ficar.
  2. 2
    Prepare o que vai dizer. Se você quiser contar a ele do modo mais eficaz possível, então você deve preparar antecipadamente o que dizer. Se você não souber exatamente como explicar que não gosta dele romanticamente, é muito mais provável que você deixe as coisas estranhas ou fique presa em uma trama de mentiras que só vai piorar tudo.

    • Prepare-se para ser sucinta. Você não precisa dar todos os motivos pelos quais você só gosta dele como um amigo.
    • Pratique seu tom. Diga em voz alta tudo o que planeja dizer no dia para que se sinta mais segura quando chegar a hora.
  3. 3
    Antecipe a reação dele. Antes de contar a ele, você deve antecipar como ele vai reagir. Ele vai ficar mudo de surpresa ou vai ficar magoado? Se o rapaz é seu amigo, você deve ter alguma ideia de como ele vai reagir e, portanto, deve se preparar de acordo.

    • Se ele for um rapaz tímido e sensível, então talvez ele não tenha muito a dizer. Pense em algumas palavras de conforto que pode dizer, ou até mesmo alguns comentários descontraídos para facilitar.
    • Se ele ficar muito magoado, prepare-se para apoiá-lo. Você não precisa pedir desculpas por não gostar dele, mas você pode ficar ao lado dele e dizer que ele não precisa ficar tão pra baixo. Ele é um cara legal, e certamente vai encontrar alguém.

2

Diga a ele

  1. 1
    Seja honesta. Não perca tempo fazendo rodeios. Apenas diga a ele que você sabe que ele gosta de você, mas que você não está interessada nele desse modo. Diga a ele que você gostaria que fosse diferente e que isso a deixa sem jeito , mas que você não o considera mais do que um amigo.

    • Diga a ele que não foi fácil para você se abrir sobre isso, mas que foi necessário. Ele vai agradecer por você estimá-lo o suficiente para falar a verdade.
    • Só porque você está sendo honesta não quer dizer que você deve listar as cinco razões principais pelas quais você nunca namoraria com ele. Se você não estiver a fim, tudo bem, mas você não precisa fazer com que ele se sinta defeituoso ou não seja bom o suficiente para você.
  2. 2
    Seja firme. Não hesite. Se não gosta dele, não gosta dele. Não diga que não é a hora certa, ou que você vai pensar a respeito em um ano, quando terminar os estudos. Isso só vai fazer com que você pareça mentirosa. Quanto mais firme e clara você for, mais ele vai entender e deixá-la em paz no aspecto romântico.

    • Embora isso soe duro, a coisa mais importante é não dar esperança para ele. Se ele acha que há uma chance de que você vá gostar dele no futuro, ele vai ficar esperando que isso aconteça.
    • Lembre-se de que ficar firme não significa que você deve ser cruel. Você não precisa dizer que há 0% de chances de vocês ficarem juntos, ou que de modo algum vocês vão sair juntos. Você vai basicamente dizer isso – mas de modo gentil.
    • Não peça desculpas. Embora a situação seja desconfortável, e você se sinta mal por ele, você não pode mudar o que sente.
  3. 3
    Não minta ou crie desculpas. A pior coisa que você pode fazer é mentir sobre o porquê de você não sair com ele em vez de ser honesta e dizer que não sente o mesmo. Embora você possa pensar que uma mentira ou uma desculpa vai fazer com que ele se sinta menos rejeitado, na verdade o oposto é a verdade. Ele será capaz de dizer que você está mentindo, e isso só vai fazer com que ele se sinta pior. Se ele realmente for seu amigo, você deve respeitá-lo o suficiente para falar a verdade. Aqui vão algumas desculpas que você deve evitar:

    • Não diga: “Minha vida está tão agitada no momento”. Não importa que seja ocupada, você arrumaria tempo. Isso só vai fazer com que ele não se sinta importante, e ainda mais magoado se ele vir você com outra pessoa algumas semanas depois.
    • Não diga: “O problema não é você; sou eu”. Não crie desculpas sobre como você precisa cultivar a si mesma antes de entrar em um relacionamento, ou você não consegue se comprometer ou você tem baixa autoestima. Se você realmente quisesse ficar com ele, você ficaria.
    • Não diga: “Você pode conseguir coisa melhor do que eu”. Não se coloque para baixo como um modo de fazer com que ele se sinta melhor. Ele não vai se sentir melhor.
    • Não diga: “Eu gosto de você, mas não quero estragar nossa amizade”. A não ser que ele seja seu melhor amigo de verdade, quantas vezes essa desculpa é verdadeira?
  4. 4
    Diga o quanto você estima a amizade dele. Isso provavelmente deve ser verdadeiro. Diga a ele que ele realmente é um amigo importante para você, e que tem sorte de tê-lo como amigo. Embora você não deva dizer que não quer namorá-lo “porque” ele é um amigo tão bom, diga que você espera que isso não atrapalhe a amizade de vocês e como ele tem sido um amigo tão bom para você.

    • Seja sincera. Mantenha contato visual e fale devagar para que ele saiba o quanto ele significa para você.
    • Você não precisa exagerar. Não passe vinte minutos louvando as qualidades dele. Ele vai começar a pensar: “Se eu sou tão bom, por que ela não quer me namorar?”
  5. 5
    Ouça-o com atenção. Depois de terminar o que tinha a dizer, é provável que ele tenha algo a dizer para você também. Talvez ele faça algumas perguntas, como o que ele poderia ter feito de outro modo, ou apenas diga que está magoado. Ou ele pode até aparentar estar bravo, e você verá que o orgulho dele está ferido.

    • Não importa qual seja a reação dele, deixe ele falar enquanto você acena com a cabeça, ouve, e faz perguntas na hora certa. Não deixe que isso seja uma conversa de mão-única.
    • Não o interrompa. Se ele falar, você terá um entendimento melhor de quanto ele gostava de você, e pode ajudá-la a ver como vai ficar a amizade. Você pode descobrir se ele sente uma paixonite inofensiva ou se ele está apaixonado por você há anos.

3

Recupere-se sem percalços

  1. 1
    Não torne isso embaraçoso. Depois de contar a ele a notícia, você não deve ficar sem graça. Após a conversa, é provável que vocês ainda se vejam, então não evite vê-lo, fique vermelha ou tente correr se encontrá-lo. Apenas continue saindo com seu grupo de amigos, e seja legal quando encontrá-lo.

    • Não deixe as coisas mais embaraçosas contando para todos o que aconteceu. Se vocês tiverem o mesmo grupo de amigos, então todos à sua volta estarão deixando as coisas embaraçosas também.
  2. 2
    Dê uma pausa. Embora você possa retomar sua amizade algum dia, você deve pegar leve por um tempo. Lembra daquela vez quando você gostava de um cara que não gostava de você? Bem, você gostava de estar com ele após descobrir a verdade? Provavelmente não. Pode ser difícil para ele ficar perto de você, então maneire as coisas no relacionamento solo com você.

    • Você ainda pode ser legal se for vê-lo em grupo, mas não o chame para o cinema, tomar um café ou seja lá o que você costumava fazer antes com ele.
    • Não o ignore completamente. Você pode chamá-lo para sair de vez em quando para que ele não sinta que você está evitando vê-lo. Mas espere que ele dê o passo primeiro.
  3. 3
    Volte a ser amiga dele. Pode demorar um pouco para que vocês voltem a ser amigos após ele revelar o que sente. Mas em muitos casos, isso pode realmente acontecer, desde que não haja muitas águas passadas. Espere algumas semanas, ou até mesmo alguns meses, e volte a sair com ele como antes. Quem sabe – talvez vocês possam até rir sobre isso algum dia, ou descobrir que você está gostando dele daqui a dois anos.

    • Infelizmente, há alguns casos em que não é possível voltar à amizade de antes. Ele pode se sentir magoado ou humilhado demais, e ficar perto de você pode fazer com que ele se sinta pior. Se esse for o caso, então aceite isso e siga em frente.

Dicas

  • Esteja consciente sobre os sentimentos dele, você não quer que ele deixe de confiar em você.
  • Não diga nenhuma mentira para sair dessa situação. Você não quer que ele acredite em algo que não é verdade.

Como Contar até Dez em Norueguês

Como Contar até Dez em Norueguês

Informações do Autor

Você sabe como contar até 10 em português, e é bem provável que saiba em inglês também. Mas sabe contar em norueguês? Se não souber, vai aprender agora.

Passos

  1. 1
    Um: en. Pronuncia da mesma forma que se escreve.
  2. 2
    Dois: to. Pronuncia-se como a palavra “tu” em português.
  3. 3
    Três: tre. Fala-se da mesma forma que se escreve, mas prolongando o so do “e” no final.
  4. 4
    Quatro: fire. Pronuncia-se “fira”.
  5. 5
    Cinco: fem. O som é de “femma”.
  6. 6
    Seis: seks. Pronuncia-se tal qual a escrita.
  7. 7
    Sete: syv. Fala-se “shiu”.
  8. 8
    Oito: åtte. O som é de “ota”.
  9. 9
    Nove: ni. A pronúncia é igual a forma escrita.
  10. 10
    Ten: ti. Também é pronunciada da mesma forma que se escreve.
  11. 11
    Coloque todos juntos. Agora repita cada número. Você acaba de contar até 10 em norueguês!

Como Contar até 50 em Francês

Como Contar até 50 em Francês

Escrito em parceria com

Equipe blogwiki

| 11 Referências

Neste Artigo:Contando de 1 a 29 em francêsContando de 30 a 50 em francêsDominando a pronúncia no francês11 Referências

Uma das primeiras coisas que se aprende ao estudar um idioma novo é contar. No francês, contar até 50 exige certa habilidade de memorização, mas tudo fica mais repetitivo e fácil a partir de 19. Aproveite isso para dominar a pronúncia na língua francesa, ainda mais levando em conta os sons anasalados que você vai ter que reproduzir. Bonne chance! (Boa sorte!)

Parte 1

Contando de 1 a 29 em francês

  1. 1
    Memorize os números de 1 a 9. Assim como em diversos outros idiomas, os algarismos em francês são simples e fáceis de memorizar. Além disso, há alguns truques que facilitam o estudo.[1]

    • Un (ân) é 1. O 1 é pronunciado da mesma forma que o artigo indefinido masculino, usado em frases como “un café”.
    • Deux (dô) é 2. Faça um bico de leve para pronunciar o 2.
    • Trois (tr-roá) é 3. Arranhe a garganta ao dizer “tr”.
    • Quatre (cá-tr-re) é 4. Mais uma vez, arranhe a garganta ao dizer “tr”.
    • Cinq (sânq) é 5.
    • Six (sís) é 6. O 6 é bem simples e direto.
    • Sept (sét) é 7.
    • Huit (uít) é 8.
    • Neuf (nêf) é 9.
  2. 2
    Memorize de 10 a 19. Para memorizar de 11 a 16, você só tem que adicionar o som de “z” ao fim dos algarismos de 1 a 6. Para 17 a 19, forme o número normalmente: dizendo o primeiro dígito (da casa da dezena) e o segundo (da casa do algarismo em si).[2]

    • Dix (dís) é 10.
    • Onze (ôns) é 11. O 11 no francês é parecido com o português, à exceção de que o “z” é quase mudo.
    • Douze (dôus) é 12.
    • Treize (tr-réz) é 13.
    • Quatorze (ca-tór-z) é 14.
    • Quinze (cânz) é 15.
    • Seize (séz) é 16.
    • Dix-sept (di-sét) é 17.
    • Dix-huit (dis-suít) é 18.
    • Dix-neuf (dis-nêf) é 19.
  3. 3
    Adicione os números de 1 a 9 a vingt (vân) para falar de 21 a 29. A partir de 20, os números em francês seguem o mesmo padrão do português. A única exceção no idioma é 21, em que temos que acrescentar “et” (e) entre os dois números.[3]

    • Vingt et un (vânt-ê-ân) é 21. A pronúncia é como em português: “vinte e um”. No francês, falamos o “t” antes das vogais, mas não das consoantes (ao contrário do restante dos números de 22 a 29).
    • Vingt-deux (vân-dô) é 22.
    • Vingt-trois (vân-tr-roá) é 23.
    • Vingt-quatre (vân-cá-tr-re) é 24.
    • Vingt-cinq (vân-sânq) é 25.
    • Vingt-six (vân-sís) é 26.
    • Vingt-sept (vân-sét) é 27.
    • Vingt-huit (vân-uít) é 28.
    • Vingt-neuf (vân-nêf) é 29.

Parte 2

Contando de 30 a 50 em francês

  1. 1
    Diga trente (trânt) para o número 30. Todos os números na casa dos 30 começam com o termo trente, seguido do respectivo algarismo (de 1 a 9) — algo parecido com o que acontece na casa dos 20. Não se esqueça de colocar et em 31: trente et un (trânt-ê-ân).[4]

    • Embora o t no fim de vingt seja mudo, ele é pronunciado em trente e em outras palavras do francês relacionadas a números e que são seguidas por e. Por exemplo: dizemos trânt-cá-tr-re para 34.
  2. 2
    Use quarante (ca-rân-t) para contar de 40 a 49. Seguindo o mesmo estilo, comece com 40 e adicione o respectivo algarismo (de 1 a 9). Adicione o et em quarante et un (ca-rân-t-e-ân).[5]

    • A palavra quarante é um bom exemplo do r arranhado em francês: diga-o como se você estivesse puxando saliva do fundo da garganta para cuspir.
  3. 3
    Aprenda a usar cinquante (sân-cân-t) para contar até 50. Cinquante significa 50, mas você não precisa parar aqui. Como antes, basta adicionar o algarismo correto (de 1 a 9) à palavra. Não só dá para contar até 50, mas também dá para ir até 59 com os termos que já estudou.[6]

    • Cinquante tem duas vogais seguidas por n, indicando que a pronúncia é anasalada. Assim, o termo é muito útil para quem quer estudar a pronúncia no francês.
    • Lembre-se de que 51 é pronunciado como cinquante et un (sân-cânt-e-ân).

Parte 3

Dominando a pronúncia no francês

  1. 1
    Comece com as vogais. Embora o francês seja repleto de sílabas tônicas variadas e acentos, assim como o português, muitos deles são pronunciados de formas diferentes. Aprenda as pronúncias básicas das vogais para não errar na hora de falar e ficar cada vez mais acostumado.[7]

    • O a é pronunciado da mesma forma que no português, enquanto ai tem som de “êi” e au tem som de “ô”.
    • Quando não é acentuado, o e é pronunciado como “ú”, mas é preciso fazer um bico. O mesmo vale para eu. Quando vem antes de um f, a letra tem som de ê, como em neuf (9).
    • O i é pronunciado normalmente, como em números como six (6) e dix (10).
    • O o é pronunciado normalmente. Ou, por sua vez, tem som de ú, também com o bico.
    • O u também pode ter a mesma pronúncia que no português.
    • Sempre que a vogal for seguida de um n, ela é anasalada, o que altera a pronúncia básica. Por exemplo: em un (1), o u tem som de â.
  2. 2
    Passe para as consoantes. No francês, a maioria das consoantes tem uma pronúncia parecida com o português. Assim, você tem que estudar mais as que sofrem algumas alterações.[8]

    • Quando a letra h aparece no início de uma palavra, ela é muda. Por exemplo: huit (8) é pronunciado como “uít”.
    • Como no português, o k é pronunciado como “c”. Por exemplo: quatre (4, cá-tr-re) e quatorze (14, ca-tór-z).
    • Também como no português, o c é pronunciado como “s” quando vem antes de e ou i.
  3. 3
    Diga o r com a garganta arranhada. O r do francês é famoso pela forma diferente de pronunciar: você tem que puxar o som do fundo da garganta, como se fosse cuspir.[9]

    • O r do francês é gutural, mas não tanto quanto em outros idiomas, como o alemão. Imagine-se cuspindo, mas não a ponto de limpar a garganta ou pigarrear.
    • Um r do francês tem um som parecido com o “rr” do português. Treine a pronúncia em várias palavras diferentes até acertar. Você pode demorar um pouco para se acostumar, mas vai acabar conseguindo.
  4. 4
    Treine os sons anasalados até acertá-los. Muitas palavras do francês têm esse som anasalado, como vingt (20) e un (1). Para pronunciá-los corretamente, tire todo o ar da boca e expire pelo nariz.[10]

    • De forma geral, quando há um ng em uma palavra, é porque ela é pronunciada com o tom anasalado.
  5. 5
    Não pronuncie a última letra na maioria das palavras. Muitas palavras do português também têm letras mudas (principalmente o “h”), mas o francês tem ainda mais. Algumas dessas lettres muettes são comuns.[11]

    • Por exemplo: na palavra vingt (20), o g e o t são praticamente mudos (embora o ng indique que o termo tem pronúncia anasalada).
    • A palavra quatre (4) também tem uma letra muda: o e.

Dicas

  • Você pode fazer cartões de consulta para memorizar os números. Escreva o numeral de um lado e o nome por extenso do outro. Só não cole! Consulte o material e pronuncie o termo. Vire-o e veja se acertou. Repita esse processo até acertar tudo sem ter que olhar mais.

Referências

  1. https://blogs.transparent.com/french/french-numbers-1-100/
  2. https://blogs.transparent.com/french/french-numbers-1-100/
  3. https://blogs.transparent.com/french/french-numbers-1-100/
  4. https://blogs.transparent.com/french/french-numbers-1-100/
  5. https://blogs.transparent.com/french/french-numbers-1-100/
  6. https://blogs.transparent.com/french/french-numbers-1-100/
  7. https://www.talkinfrench.com/french-pronunciation-guide/
  8. https://www.talkinfrench.com/french-pronunciation-guide/
  9. https://www.talkinfrench.com/french-pronunciation-guide/

Exibir mais… (2)