Altered Carbon

Crítica | Altered Carbon: Nova Capa

Nem bem a segunda temporada de Altered Carbon foi lançada, o Netflix seguiu a história de Takeshi Kovacs com um longa animado produzido no Japão, com direção, roteiro e vozes originais japonesas. E, melhor ainda, no lugar de fazer algo completamente independente da série, o que temos é um prelúdio de muitos anos antes dos eventos da primeira temporada (a ação se passa um ano após as “mortes” de Reileen e Quellcrist no Mundo de Harlan) que conversa diretamente com cada uma das duas temporadas.

Usando a técnica de cel-shading (ou emulando-a, não sei), muito comum em games, os diretores Takeru Nakajima e Yoshiyuki Okada criaram uma animação vibrante e extremamente violenta que coloca Takeshi Kovacs (voz original de Tatsuhisa Suzuki) como guarda-costas da jovem tatuadora Holly (Ayaka Asai) que precisa aliar-se a Gena (Rina Satou), uma agente da CTAC, para desvendar um mistério que envolve a cerimônia de sucessão do comando da Yakusa no planeta Latimer. A história é simples, ainda que o roteiro de Dai Satô e Tsukasa Kondo tente, mas não consiga, dar uma roupagem complexa para a trama, com tudo basicamente funcionando como uma grande desculpa de 74 minutos para a pancadaria comer solta.

E ela come solta, podem ter certeza. Aliando um visual cyberpunk nas tomadas exteriores do planeta onde a violência já começa com ninjas mascarados despedaçando agentes do CTAC a torto e a direito, com o mesmo artifício do emprego de um hotel – na verdade, tecnicamente, um ryokan – gerido por uma I.A., desta vez o simpático, mas hesitante Ogai (Jouji Nakata), onde a maioria da ação se passa, a animação consegue cumprir sua missão de manter um passo energético que abafa a completa falta de história com hectolitros de sangue, sensacionais tatuagens de corpo inteiro, desmembramentos variados, muito uso de instrumentos cortantes e armas de fogo poderosas, além de belas armaduras adornando os intermináveis ninjas e, claro, o final boss.

Há até tempo suficiente para que o grande trunfo dos livros de Richard Morgan – os cartuchos que permitem vida eterna e troca de corpos ao bel-prazer – seja bem utilizado como elemento intrínseco à trama, algo que falta na série live-action. Por outro lado, justamente porque o roteiro insiste em criar reviravoltas dentro de reviravoltas para trazer uma pseudo-complexidade à história, por vezes a ação dá espaço a diálogos que têm como única função explicar uma ou duas vezes aquilo que já havia ficado naturalmente claro. Ou subestimaram a inteligência do espectador, ou tiveram que ocupar “espaço” para evitar que a fita fosse classificada com um média metragem. Ou os dois, não sei. Fato é que o blá, blá, blá redundante cansa um pouco, ainda que o visual normalmente estonteante ajude a desviar a atenção dele.

Como disse logo no começo, a ideia de fazer com que Altered Carbon: Nova Capa seja mais um capítulo da série live-action é boa, pois cria unicidade narrativa e permite que o Netflix expanda esse universo sem precisar de orçamentos polpudos. A primeira temporada ganha conexão com Nova Capa na revelação – que acontece bem cedo, aliás – sobre quem realmente é Gena e a segunda temporada encaixa-se à animação pela contratação de Kovacs por Tanaseda Hideki (Kenji Yamauchi), o mesmo matusa que ajuda o Último Emissário no segundo ano da série. Ou seja, aqueles que se importam com continuidade e conexões não terão do que reclamar.

Com um final em aberto que parece prometer outras aventuras nesse período da vida de Kovacs, Altered Carbon: Nova Capa abre uma porta interessante que poderia ser utilizada também em outras séries do serviço de streaming. Só espero que, na próxima missão do protagonista, ele ganhe capa e figurino mais inspirados.

Altered Carbon: Nova Capa (Altered Carbon: Resleeved, Japão/EUA – 19 de março de 2020)
Direção: Takeru Nakajima, Yoshiyuki Okada
Roteiro: Dai Satô, Tsukasa Kondo (baseado em personagens criados por Laeta Kalogridis e nos romances de Richard Morgan)
Elenco: Tatsuhisa Suzuki, Ayaka Asai, Rina Satou, Jouji Nakata, Kenji Yamauchi, Kanehira Yamamoto, Koji Ishii
Duração: 74 min.

Crítica | Altered Carbon – 2ª Temporada

Quando acabei de assistir a 2ª temporada de Altered Carbon, custosa aposta cyberpunk da Netflix baseada na série de romances de Richard Morgan, tive finalmente certeza absoluta de uma coisa que havia começado a se formar em minha mente já na temporada inaugural: estou diante do meu mais novo guilty pleasure que eu defenderei com unhas e dentes até a morte, mesmo tentando manter-me distante o suficiente para trazer uma crítica menos apaixonada. A série tem todos os predicados de uma obra que pode ser classificada dessa forma, a começar por aquele visual sci-fi que parece apuradíssimo se você assistir sem óculos, mas que, na verdade, fica na linha fronteiriça entre o básico e o marginalmente acima do mediano. Os personagens são recortados em cartolina em sua grande maioria e a trama até arrisca digressões filosóficas aqui e ali, mas sem nunca realmente mergulhar de cabeça em nada. Há romances bregas – inclusive um irresistível entre construtos de inteligência artificial que merecia uma série spin-off própria – e, principalmente, pancadaria explícita e incessante do começo ao fim, com direito a uma contagem de corpos bem alta. Ah, claro, não podemos esquecer dos dois vilões que são tão cartunescos que eles inadvertidamente são hilários.

Passada 30 anos depois dos eventos da 1ª temporada, a nova história parece, em seu primeiro episódio, um reboot narrativo completo. Takeshi Kovacs, agora, habita uma nova e altamente militarizada capa (Anthony Mackie substituindo Joel Kinnaman) que faz parte do pacote oferecido pelo matusa Horace Axley (Michael Shanks) – e que inclui a revelação de onde estaria Quellcrist Falconer (Renée Elise Goldsberry) – para que o Último Enviado faça as vezes de guarda-costas para ele. Claro que tudo dá imediatamente errado e, em meio à confusão, o mistério sobre o paradeiro de Falconer (aliás, um parênteses: esses nomes são sensacionais, não?) e o que está acontecendo com os matusas fundadores do Mundo de Harlan, planeta onde nasceu Kovacs e onde toda a ação se passa, que aparecem violentamente mortos de verdade. Com a I.A. Poe (Chris Conner, disparado o melhor ator da série) ainda à tira-colo, mas agora cheio de bugs e temendo perder sua memória se fizer a reinicialização que precisa fazer e unindo-se à caçadora de recompensas com implantes biônicos Trepp (Simone Missick, que tem uma presença em tela invejável e magnética), Kovacs passa a correr contra o tempo para entender o que está acontecendo, ao mesmo tempo que foge da caçada que o Coronel Ivan Carrera (Torben Liebrecht, o primeiro vilão cartunesco e muito divertido em com sua constante cara de mal que muda sutilmente para cara de enfezado) empreende a ele, sob o comando relutante da governadora Danica Harlan (Lela Loren, a segunda vilã cartunesca, que só falta soltar aquelas risadas maquiavélicas enquanto esfrega as mãos), filha de Konrad Harlan (Neal McDonough em uma ponta), fundador da colônia planetária e que está desaparecido.

A trama é repleta de reviravoltas, revelações e de situações que ampliam ainda mais a mitologia da série, especialmente no que diz respeito à raça misteriosa de alienígenas que legou aos humanos o metal que torna possível a criação dos HDs onde a mente humana pode ser gravada, permitindo imortalidade. Discussões sobre o imperialismo, genocídio, corrupção, papel das forças armadas e, claro, do que significa a vida em um universo onde a morte mesmo só existe para poucos, pontilham toda a narrativa, mas nunca avançam a ponto de tornar Altered Carbon uma série contemplativa. Muito longe disso, aliás, o comando da obra por Laeta Kalogridis mira na ação, com muito investimento em sequências de tirar o fôlego e de belíssimas e variadas coreografias de luta das mais diversas naturezas, todas embaladas por uma direção e montagem que privilegiam a visceralidade e a violência explícita.

Eu disse acima que a história “parece” ser um reboot narrativo completo em relação à 1ª temporada, o que, se fosse verdade, seria um desserviço ao que foi estabelecido antes. Na verdade, na medida em que os episódios avançam (são apenas oito no lugar dos 10 anteriores, o que garantem um passo acelerado), o espectador vai percebendo que, muito ao contrário, apesar da troca da capa do protagonista – artifício narrativo estupendo justamente para permitir a troca de atores a cada temporada -, a história alimenta-se sem pudores de tudo o que veio antes, com os roteiros fazendo malabarismos por vezes até desnecessários para trazer todo o elenco anterior de volta de diversas maneiras diferentes. Portanto, a 2ª temporada é uma legítima e lógica continuação da saga de Takeshi Kovacs que tem o mérito de entregar uma história potencialmente ainda mais interessante e que realmente valoriza o protagonista.

Falando nele, muita gente pode querer saber o que achei de Mackie no lugar de Kinnaman e, ainda que o segundo seja, em linhas gerais, um ator muito melhor do que o primeiro, as exigências do papel não são tão grandes assim e Mackie consegue abraçar bem o personagem, acrescentando, talvez, um ar (bem) levemente mais cômico e bonachão que acaba combinando bem com o que a narrativa pede. Claro que as presenças de Chris Conner e de Simone Missick, além de Dina Shihabi como a I.A. Dig 301, ajudam a elevar o sarrafo dramático, retirando um pouco do foco nas caras e bocas de dor e frustração de Mackie, além da quase que ausência completa de emoção da Falconer de Goldsberry, algo que, justiça seja feita, faz parte da personagem. Em outras palavras, não estamos diante do elenco mais inspirado na face da Terra (ou do Mundo de Harlan), mas ele mais do que dá conta do recado com uma boa química entre eles e por vezes até mesmo lampejos de um trabalho acima do esperado como quando Kovacs é torturado por Carrera ou quando a conexão entre Conner e Dig é estreitada.

Do lado visual, é perceptível a economia da produção na computação gráfica. O mundo legitimamente cyberpunk da temporada inaugural não existe mais com tanta força aqui – planetas diferentes, afinal de contas -, pelo que as sequência dessa natureza abrem espaço para cenários mais confinados e, portanto, mais baratos, com o CGI utilizado de maneira mais cirúrgica e nem sempre tão eficientemente, como é o caso das demonstrações do Fogo de Anjo. Aliás, até mesmo os cenários práticos – notadamente em Stronghold, com suas rochas de isopor – sofrem com a redução orçamentária. Mas esses são detalhes desimportantes que ficam em segundo plano diante da história bem cadenciada e pelo maravilhamento que a própria base narrativa – as capas, os HDs nas colunas cervicais, os clones e assim por diante – gera no espectador e que, aqui, ganha uma contextualização maior e mais relevante.

Como todo bom guilty pleasure, quando acabei a 2ª temporada deu vontade não só de assistir tudo novamente – o que obviamente não fiz e provavelmente não farei, pois o dia ainda tem só 24 horas – como de que a Netflix dê um jeito de soltar a 3ª temporada mais rapidamente do que os mais de dois anos que precisou entre a 1ª e a 2ª. Talvez a leitura dos dois outros romances de Morgan que ainda faltam supram minha carência nesse tempo ou, claro, assistir alguns de seus primos mais velhos como Comando para Matar e Stallone Cobra

Altered Carbon – 2ª Temporada (EUA, 27 de fevereiro de 2020)
Desenvolvimento:  Laeta Kalogridis (baseado em romances de Richard Morgan)
Direção: Ciaran Donnelly, M. J. Bassett, Jeremy Webb, Salli Richardson-Whitfield
Roteiro: Laeta Kalogridis, Sarah Nicole Jones, Michael R. Perry, Sang Kyu Kim, Cortney Norris, Adam Lash, Cori Uchida, Nevin Densham, Alison Schapker, Elizabeth Padden
Elenco: Anthony Mackie, Chris Conner, Renée Elise Goldsberry, Simone Missick, Lela Loren, Dina Shihabi, Torben Liebrecht, Will Yun Lee, Michael Shanks, Sen Mitsuji, James Saito, Neal McDonough, Dichen Lachman, Ato Essandoh, Martha Higareda
Duração: 393 min. (8 episódios no total)