Star Trek

Crítica | Star Trek: Picard – 1X10: Et in Arcadia Ego, Part 2

  • Há spoilers! Para ler as críticas dos outros episódios, clique aqui.

Pelo menos um leitor matou a grande surpresa reservada para o final da 1ª temporada de Star Trek: Picard, prevendo o uso do golem inacabado visto brevemente no laboratório de Altan Inigo Soong, filho do criador de Data, como o novo corpo de Jean-Luc Picard. Em outras palavras, um twist perfeitamente circular não só para a temática da temporada em si, como para toda a trajetória do protagonista desde que seu coração foi substituído por uma versão mecânica em A Nova Geração e suas assimilações pelos Borg aconteceram como elementos formativos de sua personalidade tanto na clássica série quanto no melhor filme da franquia, Primeiro Contato.

Portanto, por mais que alguns possam virar o nariz para a solução encontrada, tenho para mim que ela foi o encaixe necessário para a temporada inaugural das aventuras de Picard já bem avançado em idade acabar com um saldo positivo, mas ainda ficando aquém de seu verdadeiro potencial. Afinal, se eu aplaudo a escolha dos showrunners em transformar o protagonista em um androide, a jornada até lá foi repleta de altos e baixos, desvios narrativos, fan services deslocados, enfim, uma sucessão de problemas que, por melhor que tenha sido o episódio duplo de encerramento, não foi suficiente para que eles tenham sido curados.

O próprio tratamento que os roteiros deram para a doença terminal de Picard é algo que me incomodou profundamente. Não só o assunto foi introduzido em um breve e críptico diálogo entre o ex-almirante e seu médico, como ele não ganhou qualquer tipo de contexto e, pior ainda, desenvolvimento ao longo da temporada. Ao contrário, ele foi soterrado debaixo de uma extensa minutagem dedicada à bobagens para agradar fãs, como Riker fazendo pizza de coelho-unicórnio (WTF!) ou Sete de Nove surgindo não uma, mas duas vezes como borg ex machina. Com isso, fomos relembrados desse “detalhe” somente na primeira parte de Et in Arcadia Ego que culmina aqui com a providencial morte de Picard justamente no minuto seguinte que ele consegue resolver todo o problema entre sintéticos, Federação e Romulanos. Coincidência é um eufemismo brabo, diria.

Aliás, um de meu receios sobre a resolução do conflito era justamente que tudo acontecesse rapidamente demais e foi exatamente o que aconteceu. Rápido, mas não ilógico, que fique bem claro. Ok, há ilogicidades, mas estas ficam confinadas a coisas como “como é que Narissa estava lá no Cubo sem ser detectada pelos xBs” que podem ser respondidas com algo na linha de “para Sete poder chutar a bunda da moça, arremessando-a em um abismo”, o que pode ser incômodo, mas que sem dúvida é catártico, mesmo que tenhamos que ouvir choramingos arrependidos de Sete para Ríos.

A velocidade dos eventos demonstra muito claramente, mais uma vez, que a temporada foi desequilibrada em termos de ação, com praticamente tudo o que é mais relevante acontecendo de maneira apertada e econômica em meros 40 minutos do episódio final, aí incluindo a já citada luta de Sete contra Narissa, a união providencial de Narek com Ríos, Raffi e o inútil do Elnor, a revelação de que Jurati estava do lado dos humanos depois de sua “traição”, a traição de Soong, a chegada da frota romulana (estranho que o Zhat Vash seja uma organização super-secreta, mas que tem uma frota desse tamanho…), a chegada da frota da Federação (o comando temporário de Riker, aí sim, é um exemplo de ótimo fan service) e, claro, o plano suicida de Picard. Sobre o plano, aliás, ele é a cara de Picard e, nesse quesito, a temporada foi perfeitamente justa com o legado do personagem. Não há nada que signifique mais a essência do adorado ex-capitão do que um sacrifício altruísta dessa natureza, mesmo que ele tenha que ser atrapalhado por diálogos mal escritos e extremamente expositivos do tipo “o exemplo vem de cima” e tal.

Tudo teria sido praticamente perfeito, portanto, se os roteiros tivessem trabalhado todos esses elementos de ação ao longo de mais alguns episódios, sem esquecer de tornar a doença de Picard algo mais presente e constante em sua vida e não uma nota de rodapé que, de repente, do nada, torna-se relevante e sem transformar Narek em não muito mais do que um mero extra glorificado, considerando toda a importância que ele teve antes. Da mesma forma, o belo epílogo em que ele se reencontra com seu amigo Data na Matrix… digo, na simulação virtual onde a consciência do comandante androide vive, poderia ter ganhado mais solenidade do que apenas um pedaço dos 20 minutos finais de projeção de forma que até a transferência da consciência de Picard para o golem pudesse ser explorada um pouquinho mais, sem que, mais uma vez, precisássemos que os personagens sentassem à mesa para explicar o óbvio ululante.

No entanto, apesar de todos os pesares e assim como a primeira parte desse final, a segunda conseguiu capturar a essência do que faz Star Trek ser Star Trek, algo que esteve infelizmente muito ausente na temporada, entregando um desfecho que funciona bem para a história como um todo e muito bem para quem realmente interessa, ou seja, Jean-Luc Picard. Tomara que os showrunners aprendam um pouco com a experiência e construam uma segunda temporada que dependa menos de afagos nostálgicos e mais de uma história realmente sólida e bem distribuída ao longo dos episódios, de preferência aprofundando os personagens que formam a atual tripulação e não se perdendo com novos ou antigos integrantes que não agreguem nada para a história que será contada.

Star Trek: Picard – 1X10: Et in Arcadia Ego, Part 2 (EUA, 26 de março de 2020)
Desenvolvimento: Kirsten Beyer, Akiva Goldsman, Michael Chabon, Alex Kurtzman (baseado em personagens criados por Gene Roddenberry)
Direção: Akiva Goldsman
Roteiro: Michael Chabon
Elenco: Patrick Stewart, Alison Pill, Evan Evagora, Michelle Hurd, Santiago Cabrera, Harry Treadaway, Isa Briones, Peyton List, Jeri Ryan, Brent Spiner, Jonathan Frakes
Duração: 57 min.

Crítica | Star Trek: Picard – 1X09: Et in Arcadia Ego, Part 1

  • Há spoilers! Para ler as críticas dos outros episódios, clique aqui.

A primeira parte do episódio duplo de encerramento da temporada inaugural de Star Trek: Picard é, juntamente com Stardust City Rag, o mais Star Trek até agora de uma série que poderia ser muito mais do que tem conseguido ser. Os ingredientes narrativos clássicos estão todos aqui, começando pelo planeta misterioso que abriga uma utopia robótica, passando pelo divertido exagero das orquídeas espaciais e culminando com bons momentos de ação típicos de uma história baseada em um presságio apocalíptico.

Et in Arcadia Ego não só é um título que diretamente referencia um paraíso bucólico (a região da Arcádia, no centro do Peloponeso, era reputado na Grécia Antiga como literalmente o paraíso na Terra), como também é o nome de duas pinturas semelhantes do pintor francês Nicolas Poussin, do século XVII, retratando a morte em meio a uma cena pastoral. Digo que a referência é à Poussin e não ao italiano Giovanni Francesco Barbieri, que pintou antes de Poussin obra de mesmo tema, com o mesmo título, pois o fato de haver duas obras por Poussin é uma rima temática com os dois quadros pintados por Data que é parte do mistério que Picard começa a desvendar já no primeiro episódio. É, sob todos os aspectos, uma bela forma de se criar um movimento circular para a narrativa.

Aliás, esse movimento circular acontece também pela introdução de Altan Inigo Soong, filho de Noonian Soong, criador de Data (e, claro, de Lore), e que é vivido também por Brent Spiner, desta vez sem a maquiagem e as lentes de sua contrapartida sintética. Trazer o próprio Data de volta seria uma trapaça feia e a escolha feita, aqui, é elegante e respeita o legado da Nova Geração, ao mesmo tempo, que funciona para trazer o querido ator de volta de maneira relevante.

Se a chegada a Coppelius é extremamente tumultuada, com um breve combate espacial interrompido pela chegada de Sete e do Cubo Borg, além das surreais aparições das tais “flores espaciais”, quando a tripulação de Picard está em terra, a história reduz seu ritmo e, mesmo diante da chegada de uma gigantesca frota romulana, tudo vai sendo abordado sem pressa, com Picard reencontrando Sete e Elnor e, depois, todos seguindo para o vilarejo dos sintéticos que é, claro, a Arcádia do título em latim. O equilíbrio entre ação e exposição consegue ser alcançado muito rapidamente, sempre com o objetivo de impulsionar a narrativa.

O retorno do tema da doença terminal de Picard, algo tocado antes tão brevemente que eu nem mais lembrava direito, é outra tentativa de resgatar a direção narrativa da temporada, que sofreu demais pela necessidade quase doentia de seus showrunners de marretar todas as referências e coadjuvantes famosos possíveis para agradar o fã nostálgico. Fica evidente a falta de desenvolvimento desse elemento ao ponto de o roteiro de Michael Chabon e Ayelet Waldman ter que voltar a ele mais de uma vez em parcos 45 minutos, quase que pedindo desculpas por terem enterrado o assunto por tanto tempo. Mesmo prevendo uma cura milagrosa no episódio final – a não ser que o plano seja mudar o nome da série – espero que haja uma função narrativa maior para a doença terminal do protagonista do que só atrair simpatia pelos seus atos heroicos.

Era bastante previsível que a revelação da visão cataclísmica para os sintéticos seria exatamente o catalisador da tragédia. Afinal, já cansamos de ver o Paradoxo da Predestinação sendo usado por aí e, com a revelação de que há sintéticos ainda mais evoluídos em algum lugar (ou tempo) do universo – será que esse pode ser o gancho para a conexão com Discovery? -, a inevitabilidade desse caminho fica patente.

Tenho minhas dúvidas, porém, se estamos diante de uma temporada que encerrará um arco nela mesma, ou se uma possível 2ª temporada continuará diretamente essa mesma história. Digo isso, pois parece haver muita coisa ainda a ser revelada e abordada, especialmente os tais sintéticos super-evoluídos, além de toda a política envolvendo romulanos, Frota Estelar e a proibição geral de sintéticos. Considerando o tempo que foi perdido em episódios que andaram de lado, o último episódio teria que ser tão repleto de encaixes e soluções, que temo o mais completo tumulto. Mas, claro, só saberemos na semana que vem.

Chega a ser curioso como o espírito de uma série clássica conseguiu ser capturado com muito mais perfeição aqui do que em episódios como Nepenthe, claramente criado com exatamente esse objetivo. Fica muito evidente que as famosas e tão cobiçadas e cavoucadas “referências”, hoje em dia, mais atrapalham do que beneficiam a arte de contar uma história. É torcer para que o encerramento da temporada mantenha essa linha e compense um pouco os problemas que a série teve.

Star Trek: Picard – 1X09: Et in Arcadia Ego, Part 1 (EUA, 19 de março de 2020)
Desenvolvimento: Kirsten Beyer, Akiva Goldsman, Michael Chabon, Alex Kurtzman (baseado em personagens criados por Gene Roddenberry)
Direção: Akiva Goldsman
Roteiro: Michael Chabon, Ayelet Waldman
Elenco: Patrick Stewart, Alison Pill, Evan Evagora, Michelle Hurd, Santiago Cabrera, Harry Treadaway, Isa Briones, Peyton List, Jeri Ryan, Brent Spiner
Duração: 45 min.

Crítica | Star Trek: Picard – 1X08: Broken Pieces

  • Há spoilers! Para ler as críticas dos outros episódios, clique aqui.

Broken Pieces é um episódio que me deixou na dúvida sobre como analisá-lo. Por um lado, ele desnuda exatamente o que há de muito errado nessa temporada inaugural de Star Trek: Picard, mas, de outro, ele consegue, se visto independentemente, cumprir seu objetivo, que é parar, revelar, recapitular e preparar o espectador para o episódio duplo final Et in Arcadia Ego, que irá ao ar uma parte por semana.

Vamos, então, começar pelo que há de negativo ou, melhor dizendo, o que ele representa de negativo para tudo o que veio antes. Sabem os clássicos livros de Agatha Christie, em que ela desenvolve sua história de maneira a levar Hercule Poirot a colocar todos os suspeitos em uma sala para, então, revelar o assassino? Pois bem, Broken Pieces é exatamente o capítulo que aborda a famosa sala. Mas, com todo respeito, os showrunners da série não lambem as botas da sensacional autora britânica e transformaram quase todos os capítulos anteriores, que deveriam levar organicamente à “cena da sala”, em um festival de nostalgia e saudosismo que foi muito além de trazer Jean-Luc Picard de volta de sua aposentadoria.

Como disse mais assertivamente na crítica de Nepenthe, esse olhar para trás é simpático e bem-vindo, mas somente quando ele mantem-se saudavelmente nas beiradas, jamais interferindo pesadamente na narrativa. No entanto, o que vimos em Star Trek: Picard, até agora, foi um desfile incessante de situações forçadas para que velhos personagens voltassem para as telinhas por alguns momentos de forma a matar a saudade de fãs da velha guarda como eu, por exemplo. Mas a grande verdade é que esse vício acabou tomando conta da temporada, corrompendo a história original que começou muito bem e jogando-a para o banco de reserva.

Portanto, esses “pedaços quebrados” do título não formam um todo que se encaixa natural e facilmente, pois eles perderam espaço para pontas de Sete de Nove, de Deanna Troi, de William Riker, de Hugh e assim por diante sem que muito fosse oferecido em termos de efetivo desenvolvimento. E é por isso que o episódio sob comento revela a nudez do rei ao literalmente fazer a tripulação de Picard sentar ao redor de uma mesa para que, então, o quebra-cabeças pudesse ser montado com textos expositivos atrás de textos expositivos. A diferença para as histórias de Agatha Christie é que, em seus livros, o artifício da reunião reveladora é parte orgânica da narrativa na maioria dos casos e, aqui, ao contrário, a explicação do que aconteceu até aqui parece literalmente “cenas dos capítulos anteriores” ou, pior ainda, um momento que subestima a inteligência do espectador e diz algo como “senta aqui para eu te explicar exatamente o que aconteceu até agora, seu burrinho”.

Dito isso – e aí vem o lado bom da coisa toda -, tenho que confessar que Broken Pieces consegue quebrar o arco descendente que acometeu a temporada desde The Impossible Box. E esse resultado é obtido não só pelo retorno de Sete, como também por intermédio da simpática investigação que Raffi empreende na La Sirena depois que o Capitão Rios reconhece Soji e entra em modo de auto-destruição. Sei o que muitos vão dizer: haja conveniência! E é verdade, pois os dois artifícios narrativos que citei dependem que suspendamos nossa descrença e aceitemos o providencial “botão de pânico” que invoca Sete e a mais completa e absurda coincidência que é Rios já ter se deparado com uma “irmã” da androide.

Mas, se entubarmos esses dois atos roteirísticos divinos, a forma como eles são desenvolvidos sacode o episódio, retirando a série do marasmo nostálgico em que ela se encontrava. No Cubo Borg, por exemplo, é simplesmente um deleite ver Sete reativar a parafernália de seus algozes e criar uma “mini-colméia” para enfrentar Narissa, com direito a excelentes efeitos especiais que vão da regeneração do Cubo até a dolorosa defenestração dos XBs em estase. Na La Sirena, a diversão fica por conta dos hologramas de Rios tentando lembrar de onde o capitão lembra de Soji, sob o comando da “inspetora” Raffi. Santiago Cabrera teve poucos momentos para brilhar na temporada, mas, aqui, multiplicado por seis – e cada um com seu jeito e sotaque – o ator encontra um sensacional palco para realmente soltar-se e entregar excelentes e hilárias performances.

Talvez eu tenha que falar um pouco do prólogo que mostra a cerimônia de criação do Zhat Vash, mas prometo ser breve. Esse pequeno “pedaço de informação” cumpre a função muito mais de estabelecer uma ponte que justifique a existência de Ramdha na temporada do que efetivamente trazer algo que não sabíamos. Tudo bem que é interessante que essa visão não é de futuro, mas sim de um passado remoto, há 200 ou 300 mil anos em que uma raça foi aniquilada por suas próprias criações, mas convenhamos que essa historinha sempre eficiente à la Skynet não precisava de algo muito elaborado para funcionar. O que me deixa particularmente cabreiro é que I.A. destruindo o universo foi o mote da segunda temporada de Star Trek: Discovery e se houver conexão com a série-irmã, ela provavelmente cairá de para-quedas, o que é ruim, e, se não houver, a constatação de que há uma crise de originalidade nas equipes responsáveis por Star Trek lá na CBS é uma tristeza.

Com a temporada caminhando para seu final, fica a torcida para a série realmente mostrar a que veio para além do mero saudosismo nerd. Há possibilidade ainda não de recuperação total, mas de uma demonstração definitiva de que Star Trek: Picard não precisa ficar no passado para mostrar que tem futuro.

Star Trek: Picard – 1X08: Broken Pieces (EUA, 12 de março de 2020)
Desenvolvimento: Kirsten Beyer, Akiva Goldsman, Michael Chabon, Alex Kurtzman (baseado em personagens criados por Gene Roddenberry)
Direção: Maja Vrvilo
Roteiro: Michael Chabon
Elenco: Patrick Stewart, Alison Pill, Evan Evagora, Michelle Hurd, Santiago Cabrera, Harry Treadaway, Isa Briones, Peyton List, Jeri Ryan
Duração: 56 min.

Crítica | Star Trek: Picard – 1X07: Nepenthe

  • Há spoilers! Para ler as críticas dos outros episódios, clique aqui.

Seria bem mais honesto aos meus olhos se Star Trek: Picard se chamasse Star Trek: Epilogue. Afinal, a história das filhas de Data é até interessante e bem amarrada na mitologia do ex-Almirante Picard, mas a grande verdade é que, até agora, ela só tem sido mesmo uma espécie de desculpa para que os showrunners revisitem personagens clássicos para dar-lhes histórias que cobrissem as últimas duas décadas e uma espécie de fim, seja ele da natureza que for.

Não que seja terrível a ideia de uma série baseada quase que exclusivamente no saudosismo, mas o ponto é que essa escolha tem soterrado a narrativa que deveria, pelo menos em tese, ser a principal. Se espremermos, os sete episódios que foram ao ar até agora não têm material novo suficiente para preencher nem três de duração regulamentar de 45 minutos. Claro que é muito bacana ver Data, Sete de Nove, Hugh e, agora, Deanna Troi (Marina Sirtis) e William Riker (Jonathan Frakes) novamente depois de tanto tempo, mas o problema reside em que todo esse fan service tem tido um fim em si mesmo, não impulsionando a história efetivamente, talvez com exceção dos flashbacks/sonhos com Data.

Chega a ser cansativo ver Kestra (a simpaticíssima Lulu Wilson), filha de Troi e Riker, agir como uma Trekker e nos contar – usando o diálogo canhestro com Soji como desculpa – toda a importância de Data e o porquê de ele se preocupar em ter uma filha com saliva e muco. É igualmente cansativo todo o gigantesco texto expositivo de vários minutos em momentos diferentes para revelar os detalhes da vida e morte de Thaddeus, filho mais velho da dupla, que tragicamente sonhava em ter um lar que não fosse uma nave espacial e que, certamente fazendo inveja a J.R.R. Tolkien, inventou nada menos do que 12 línguas para seu mundo imaginário, uma delas de uma espécie de borboleta que “fala” com o bater de asas (ohhhh, tão poético…).

Tudo isso fica parecendo material perfeito para uma HQ ou um livro que focasse o intervalo entre a aposentadoria e a volta de todos esses personagens, mas que, em um episódio que deveria ser “de fuga”, em um momento já adiantado de uma temporada de apenas 10 episódios, torna-se uma torneira que jorra informações completamente desnecessárias apenas para fazer os olhinhos dos fãs brilharem. Novamente, nada contra SE os roteiros não cismassem em pegar a história principal e colocar em segundo, por vezes terceiro plano para que todo personagem “de uso único” da temporada ganhasse seu momento para lembrar do passado.

Mas claro que Nepenthe lida também com a trama principal de duas maneiras. Uma sacrificando Hugh em mais uma demonstração de que os personagens coadjuvantes, nessa temporada, têm, de uma forma ou de outra, vida curta. Eles são utilizados apenas quando necessários – outras vezes nem isso, pois não dá para dizer que a presença de Sete foi exatamente necessária – e descartados logo em seguida, seja com uma singela despedida, seja com, no caso aqui, uma morte besta que poderia ter sido evitada pelo ninja romulano que, por sua vez, até ganha bons momentos de pancadaria, mas que ainda não mostrou a que veio para além desses breves arroubos de ação.

A outra maneira é na perseguição à La Sirena por Narek, o romulano que não toma banho, com direito a um flashback que finalmente revela o que aconteceu com a Dra. Jurati naquele fatídico encontro com a Comodoro Oh, chefe da segurança da Frota Estrelar. E que flashback… hummm… porcaria, não? Bastou a vulcana fazer a fusão mental com a doutora para ela “descobrir” que o universo será destruído se os sintéticos forem autorizados a existir e em momento algum agir como uma cientista e indagar sobre o que ela viu. Afinal, para que, não é mesmo? É muito melhor engolir uma pílula rastreadora logo de cara e concordar, assim como quem não quer nada, em matar o ex-namorado assim que o encontrar, além de sabotar a missão de um honrado ex-Almirante. Faz MUITO mais sentido do que parar para pensar um pouco, pesquisar e, por incrível que pareça, até mesmo conversar com as pessoas ao seu redor! Talvez Jurati seja uma crítica social, como a encarnação audiovisual das hordas de internautas que leem somente as manchetes de artigos de redes sociais e acreditam piamente no que está escrito sem qualquer bom senso ou verificação… Se for assim, pelo menos a personagem tem uma função nobre, caso contrário tomara que ela não saia de seu coma ou morra engasgada com bolo…

Se eu fosse unicamente pela nostalgia, minha avaliação do episódio seria muito mais alta, mas a grande verdade é que nostalgia só é boa em filmes e séries se ela não se torna o centro da história, invertendo completamente a lógica narrativa. Convenhamos que só pelo fato de a série chamar-se Star Trek: Picard, trazendo Patrick Stewart de volta, toda a dose necessária de saudosismo já estava devidamente preenchida e com folga. Mas não. Aparentemente isso não era o suficiente e, no lugar de contar uma história nova, olhando para a frente e apenas por vezes lembrando-se do passado, os showrunners resolveram olhar para trás o tempo todo, apenas de vez em quando olhando para a frente. Uma pena.

Star Trek: Picard – 1X07: Nepenthe (EUA, 05 de março de 2020)
Desenvolvimento: Kirsten Beyer, Akiva Goldsman, Michael Chabon, Alex Kurtzman (baseado em personagens criados por Gene Roddenberry)
Direção: Doug Aarniokoski
Roteiro: Samantha Humphrey, Michael Chabon
Elenco: Patrick Stewart, Alison Pill, Evan Evagora, Michelle Hurd, Santiago Cabrera, Harry Treadaway, Isa Briones, Peyton List, Jonathan Frakes, Marina Sirtis, Jonathan Del Arco, Tamlyn Tomita
Duração: 59 min.

Crítica | Star Trek: Picard – 1X06: The Impossible Box

  • Há spoilers! Para ler as críticas dos outros episódios, clique aqui.

Stardust City Rag foi, em sua essência, um filler cheio de galhofas que se valeu fortemente da nostalgia para reintroduzir Sete de Nove e dar um encerramento à querida personagem de Star Trek: Voyager. Nesse espírito, o episódio acabou funcionando para mim, pois de certa forma nos desviou do que estava dando errado em Star Trek: Picard, ou seja, roteiros que não sabem dosar ação com reflexão e uma estrutura cansativa de montagem de equipe que durou tempo demais. E The Impossible Box é mais uma prova de que falta ritmo à série que tirou Jean-Luc Picard de sua aposentadoria.

Se o episódio anterior não se levou a sério e, por isso, tornou possível aceitar as diversas conveniências que pontilharam a história, aqui acontece justamente o contrário. A narrativa é seríssima e é, para todos os efeitos, o desfecho da “fase um” da série, já que lida com o resgate de Soji por Picard lá no Cubo Borg, agora chamado de O Artefato. Por essa razão é que o roteiro repleto de saídas fáceis cansa demais, começando pela obtenção de uma credencial diplomática em 10 segundos por uma Raffi bêbada pedindo favor a uma agora ex-amiga, parte de um plano mal-ajambrado para justificar a presenta da La Sirena em espaço romulano, continuando com a “sala secreta” com “teletransportador secreto” que faria inveja ao deus ex machina mais conveniente e terminando com a presença heroica de Elnor no momento certo (e que agora pode matar sem sequer ser repreendido, pelo visto…), tudo é construído ao redor de “é assim porque eu quero que seja e que se dane”.

E isso porque eu nem mencionei o caso completamente deslocado – em termos de momento – entre Rios e a Dra. Jurati, com direito até à racionalização ridiculamente excessiva da situação e o fato de que Jean-Luc Picard, chegando abertamente ao Cubo Borg, não atrai a atenção imediata de TODOS os romulanos por ali, que no mínimo deveriam ter colocado seus espiões em peso seguindo o ex-almirante e o canino Hugh. Se espremermos, notaremos que a trajetória de Picard no Cubo é, basicamente, andar, ter lembranças dolorosas, andar, conversar com Hugh e… andar, pois tudo o que interessa acontece ao seu redor sem conexão alguma com ele. Tudo bem que eu mesmo advogo para que nenhum roteiro se engrace e coloque um ator octogenário em sequências de ação, pois isso seria ridículo, mas daí a transformar o que seria ação em um passeio no parque é um pouquinho demais.

Ah, mas alguns dirão que a ação, aqui, ficou por conta da relação de Zarek (só eu que acho esse personagem com constante cara de quem não toma banho há semanas?) com Soji, com o primeiro levando a segunda desavisada – e que convenientemente passa a descobrir em velocidade meteórica que ela não talvez não seja quem é – para um ritual romulano que, você adivinhou, não é nada mais do que “andar” por um caminho desenhado no chão falando sobre seus sonhos. É como um consultório psiquiátrico que troca o divã por mobilidade resultando em algo corrido e, novamente, extremamente conveniente, tudo para que os romulanos finalmente descubram o planeta natal da androide, provavelmente o assunto que ocupará os episódios finais da temporada.

Mas há pontos positivos, claro. Além da presença forte de Patrick Stewart em atuação prazerosa de se assistir, a interação de Picard com Hugh, se vista separadamente, é bem construída e bem estabelecida. Da mesma forma, a música-tema de Star Trek tocando na ponte da La Sirena depois que Raffi consegue as credenciais diplomáticas foi um toque bacana que precisa ser repetido mais vezes. E, finalmente, o ponto principal: esse foi o primeiro episódio da temporada que não usa a nostalgia – para além da presença de Picard, óbvio – como mola mestra.

Nostalgia é algo que, em doses homeopáticas, tende a funcionar muito bem, reunindo gerações diferentes de espectadores. Star Trek: Picard começou fortemente assim, como era de se esperar, mas o problema é que a temporada não havia ainda largado de verdade essa muleta narrativa. The Impossible Box, ao focar inteiramente na história do presente, deixa a nostalgia um pouco de lado e passa a se valer apenas das novas situações e novos personagens apresentados na série. Claro que os problemas que apontei não são magicamente apagados simplesmente porque o roteiro muda de tom nesse aspecto, mas é sem dúvida algo a ser aplaudido, ficando a torcida para que isso continue nos quatro episódios finais.

A 1ª temporada de Star Trek: Picard vai caminhando para seu fim sem ainda dizer a que realmente veio para além de ressuscitar um amado personagem clássico da franquia. Os showrunners parecem por um lado não saber como desvencilhar-se do passado e, por outro, como trabalhar o presente de maneira cadenciada, com roteiros realmente bem estruturados que fujam das soluções tiradas da cartola. Será uma pena se a temporada acabar sem que Jean-Luc Picard retome seu trono de ícone de Star Trek.

Star Trek: Picard – 1X06: The Impossible Box (EUA, 27 de fevereiro de 2020)
Desenvolvimento: Kirsten Beyer, Akiva Goldsman, Michael Chabon, Alex Kurtzman (baseado em personagens criados por Gene Roddenberry)
Direção: Maja Vrvilo
Roteiro: Nick Zayas
Elenco: Patrick Stewart, Alison Pill, Evan Evagora, Michelle Hurd, Santiago Cabrera, Harry Treadaway, Isa Briones, Peyton List
Duração: 55 min.

Crítica | Star Trek: Picard – 1X04: Absolute Candor

  • Há spoilers! Para ler as críticas dos outros episódios, clique aqui.

Conforme aprendemos nesse episódio e que inclusive está em seu título, a ordem de freiras romulanas Qowat Milat tem como princípio basilar o “caminho da absoluta franqueza” e, inspirado nele, tenho que ser direto: Star Trek: Picard até que não é ruim, mas a série precisa urgentemente ser mais do que a infinita reunião de uma nova equipe para o ex-almirante Jean-Luc Picard e, por mais, eu quero dizer que toda aquela trama envolvendo Soji no cubo Borg também não está funcionando a contento. Pronto, tendo tirado isso da frente, deixe-me começar a análise de Absolute Candor.

Depois de introduzir Laris e Zhaban, romulanos da ordem Tal Shiar que Picard salvou e que, agora, trabalham em seu vinhedo e a doutora Agnes Jurati, especialista em androides e de apresentar Raffi, a ex-imediata do almirante, que, por sua vez, introduz o comandante Rios (e seus mais do que convenientes hologramas-paus-para-toda-obra), é chegada a hora de apresentar mais gente do passado de Picard. Não só a ordem das freiras guerreiras Qowat Milat é tirada da cartola como parte do drama de Picard sobre o fim da evacuação dos romulanos depois do ataque em Marte, como os showrunners aparentemente precisavam criar uma espécie de filho postiço para o protagonista que, claro, hoje em dia, é um ninja romulano mortal que faria inveja a Snake Eyes e Storm Shadow juntos.

Todo aquele flashback fofinho de Picard de chapéu panamá e roupa de linho branco (brega mandou lembranças) em Vashti foi uma sucessão interminável de “rolação de olhos” para mim. E a coisa fica ainda mais estranha se considerarmos que Picard levou Laris e Zhaban para casa, mas não voltou para resgatar o então jovem Elnor com quem ele estabeleceu profunda conexão e que as freiras deixaram claro que ele não tinha lugar ali. É muita vontade de criar um sidekick para Picard brincar de ser pai…

E, claro, toda aquela ação no presente em Vashti também não ajudou muito, pois foi uma sucessão de clichês mal ajambrados de estranho em terra estranha, de reconexão com o antigo protegido (agora vivido por Evan Evagora)  e, pior, de uma ameaça completamente aleatória em órbita que dá espaço para a chegada ainda mais aleatória de Sete de Nove (Jeri Ryan). O roteiro de Michael Chabon não consegue nem mesmo consertar a situação confusa no cubo Borg que só fica mais enevoada e desinteressante a cada capítulo.

Mas calma, não é o fim do mundo. Eu nem mesmo detestei o episódio. Ele ficou ali um pouquinho acima da linha média porque, convenhamos, Patrick Stewart é Patrick Stewart e, ainda por cima, o episódio é dirigido por ninguém menos do que Jonathan Frakes, o próprio Número Um e que foi responsável por três filmes da franquia Star Trek, dentre eles Nêmesis, que considero o melhor, e que tem se provado um excelente diretor de TV. É ele que consegue fazer uma limonada diretorial do limão roteirístico de Chabon, trabalhando boas sequências tanto na ponte da La Sirena (Picard não resistindo o comando foram excelentes momentos cômicos e ao mesmo tempo enervantes) quanto na superfície do planeta, especialmente a sequência de ação no bar romulano que culminou com uma cabeça decepada por Elnor.

No entanto, voltando ao começo de meus comentários, chega. Não dá mais para a 1ª temporada de Star Trek: Picard girar em torno da construção de uma nova tripulação para o resgate de Soji. O artifício não só já deu o que tinha que dar, como cansa pela introdução mais do que conveniente de gente perfeita para as funções necessárias. Além disso, a trama no cubo Borg simplesmente precisa tomar tenência e rumo, pois, até agora, ela não passa de uma bobagem cheio de invencionices que serve de desculpa para o romance do romulano com a androide. Afinal, há um potencial enorme nesse revival de A Nova Geração que seria um crime se fosse desperdiçado!

Star Trek: Picard – 1X04: Absolute Candor (EUA, 13 de fevereiro de 2020)
Desenvolvimento: Kirsten Beyer, Akiva Goldsman, Michael Chabon, Alex Kurtzman (baseado em personagens criados por Gene Roddenberry)
Direção: Jonathan Frakes
Roteiro: Michael Chabon
Elenco: Patrick Stewart, Alison Pill, Isa Briones, Michelle Hurd, Santiago Cabrera, Harry Treadaway, David Paymer, Jamie McShane, Tamlyn Tomita, Orla Brady, David Carzell, Wendy Davis, Chelsea Harris, Peyton List, Ann Magnuson, Marti Matulis, Jonathan Del Arco, Jeri Ryan, Evan Evagora
Duração: 45 min.

Crítica | Star Trek: Picard – 1X03: The End is the Beginning

  • Há spoilers! Para ler as críticas dos outros episódios, clique aqui.

Remembrance teve a difícil, mas vitoriosa tarefa de reintroduzir Jean-Luc Picard para a audiência moderna, dando conta de uma trama completamente nova e ao mesmo tempo profundamente enraizada na mitologia do adorado personagem de Patrick Stewart. Maps and Legends, por seu turno, carregou no texto expositivo para correr com a contextualização, muitas vezes se socorrendo de conveniências e esquecendo de fazer pleno uso do meio audiovisual. The End is the Beginning, o terceiro episódio seguido dirigido por Hanelle Culpepper, parece fechar a “trilogia introdutória” da 1ª temporada de Star Trek: Picard, introduzindo três novos personagens (na série), desenvolvendo o lado de Soji no cubo Borg e, claro, finalmente colocando o ex-almirante novamente no espaço.

É muita coisa para abordar em tão pouco tempo, sem dúvida, mas o roteiro de Michael Chabon e James Duff consegue equilibrar melhor exposição com ação, entregando um episódio mais redondo que o anterior que, porém, continua com problemas, mais notavelmente o “paraquedismo” de personagens e de saídas fáceis para questões complexas. Mesmo assim, considerando as quase duas décadas que separam a última aparição de Picard em qualquer tela e a retirada do personagem de sua aposentadoria bucólica em seu vinhedo francês, The End if the Beginning, quando visto em conjunto com os capítulos anteriores, estabelece muito bem a premissa da temporada, engajando o espectador nessa nova aventura e prometendo muito para o que vem por aí.

Iniciando com um flashback que marca o fim da carreira do protagonista na Frota Estelar e que estabelece a razão do relacionamento mais do que estremecido dele com a comandante Raffi Musiker, sua segunda em comando (como é visto em mais detalhes no prelúdio em quadrinhos Star Trek: Picard – Contagem Regressiva), que o culpa por abandonar seu posto e basicamente condená-la ao ostracismo, algo que é reiterado pelo doloroso diálogo dos dois no presente, no trailer de Musiker – vivida por Michelle Hurd – no meio de nada com lugar nenhum. O fascinante nesse aspecto é o esforço que a série faz para desconstruir a imagem perfeita que temos de Jean-Luc Picard. O comandante altivo de A Nova Geração dá lugar a um homem extremamente orgulhoso, que não é capaz de enxergar sua própria arrogância. Musiker coloca mais uma pá nessa cova do “Super Picard” quando joga na cara do ex-almirante sua incapacidade de procurá-la depois de tanto tempo, só fazendo quando precisa de um favor particularmente complicado. E quem achar que isso é um desrespeito ao personagem, pensem novamente, pois isso é, na verdade, uma grande homenagem a ele. Perfeição não tem espaço em uma série de valor e essa humanização de Picard é absolutamente essencial para seu personagem funcionar de verdade em tempos modernos, isso sem falar que a exposição dessas suas características negativas está em consonância com o que ele sempre demonstrou ser, mas que as lentes bondosas anteriores apenas procuravam focar nos aspectos positivos.

A introdução de Cristóbal “Chris” Rios (Santiago Cabrera) e de seu divertido holograma de emergência, que é uma versão menos desgrenhada de si mesmo, carece de qualquer sutileza. Depois de uma sugestão da rabugenta Musiker, Picard simplesmente aparece na impecável ponte da nave do piloto que, ato contínuo, ganha alguns minutos contextualizadores – com e sem Picard – que é mais uma amostragem de um roteiro que precisa correr para firmar sua história. A questão é que isso poderia ser evitado se essa trilogia inicial tivesse balanceado a aparição de seus personagens, talvez trazendo Musiker mais para o começo, o que permitiria que Rio entrasse mais cedo, sem que fosse necessário recorrer a diálogos que didaticamente estabelecem quem ele é e o que ele pensa da Frota Estelar em geral e de Picard em particular. Ou isso ou esses elementos poderiam simplesmente ser introduzidos mais vagarosamente nos próximos capítulos. Seja como for, o personagem em si parece ser interessante e Cabrera parece muito à vontade no papel.

A ação no Château Picard, com os romulanos assassinos chegando para eliminá-lo, por seu turno, foi um ótimo momento de ação pura, com excelentes coreografias que, muito acertadamente, mantiveram Picard comendo pelas beiradas, só se aproveitando dos estragos causados pelos mais do que eficientes Laris e Zhaban. Isso é essencial para a verossimilhança da série, que não pode simplesmente jogar um octogenário no meio da pancadaria sem tornar tudo ridículo. Tudo bem que a entrada providencial da doutora Agnes Jurati foi o típico momento clichê para fazer olhos rolarem, mas esse é um pecado menor no contexto geral.

Lá no cubo Borg, que tem a ação paralelizada – em seu fim – com o que acontece na residência de Picard, vemos Soji começar a despertar para o que realmente é: uma androide. A forma como isso é executado, porém, pareceu-me desnecessariamente confusa, a começar pela (re)introdução de Hugh, o ex-drone Borg vivido mais uma vez por Jonathan Del Arco, que deu vida ao personagem em três episódios de A Nova Geração. Agora diretor do Artefato, ele mostra sua admiração por Soji, permitindo-a que entreviste uma romulana que também fora drone Borg. Tudo bem que o objetivo era reiterar a importância de Soji para a temporada, inclusive apelidando-a de “A Destruidora”, mas a trama, aqui, pareceu-me cheia de idas, vindas, explicações estranhas e invencionices que atrapalharam a fluidez da narrativa, algo que nem mesmo a direção firme de Culpepper conseguiu corrigir com eficiência. De certa forma, pareceu um enorme derramamento de mitologia em questão de pouquíssimos minutos que acabou quebrando a tensão do momento.

Seja como for, agora a equipe de Picard parece estar formada, com um objetivo mais ou menos estabelecido (conveniente pacas deixar Musiker achar Bruce Maddox offscreen, não?), a série pode finalmente começar de verdade, sem precisar enxertar mais história pregressa ou salpicar a trama de elementos complicadores só pela vontade de complicar. Por vezes, a simplicidade é o melhor caminho e JL, com toda sua calma e empáfia, parece saber bem disso.

Star Trek: Picard – 1X03: The End is the Beginning (EUA, 06 de fevereiro de 2020)
Desenvolvimento: Kirsten Beyer, Akiva Goldsman, Michael Chabon, Alex Kurtzman (baseado em personagens criados por Gene Roddenberry)
Direção: Hanelle Culpepper
Roteiro: Michael Chabon, James Duff
Elenco: Patrick Stewart, Alison Pill, Isa Briones, Michelle Hurd, Santiago Cabrera, Harry Treadaway, David Paymer, Jamie McShane, Tamlyn Tomita, Orla Brady, David Carzell, Wendy Davis, Chelsea Harris, Peyton List, Ann Magnuson, Marti Matulis, Jonathan Del Arco
Duração: 43 min.

Crítica | Star Trek: Picard – 1X02: Maps and Legends

star-trek_picard Maps and Legends plano crítico episódio

  • SPOILERS! Para ler as críticas dos outros episódios, clique aqui.

Em seu segundo episódio, Star Trek: Picard compreensivelmente continua tentando estabelecer as bases da história sendo contada e a relevância de Jean-Luc Picard em todo esse jogo de mistério e espionagem. No entanto, ao afastar completamente a ação do capítulo, Maps and Legends tem um roteiro carregado de textos expositivos que, diferente de Remembrance, fazem a narrativa andar de maneira claudicante, muito mais de lado do que efetivamente em frente.

Tenho plena consciência que as séries clássicas da franquia Star Trek e A Nova Geração em particular prezavam muito mais o diálogo do que a ação, muito mais o verbo do que os punhos ou os phasers, mas, mesmo tendo angariado um status cult, isso não quer dizer automaticamente que essa é a melhor maneira de se contar uma história no audiovisual. Falar no lugar de mostrar no cinema ou na TV é, na maioria das vezes, cacoete narrativo ou, simplesmente, atalho para pular etapa e chegar mais rapidamente a determinado destino. 

Maps and Legends usa esse expediente diversas vezes ao longo de sua duração, tornando o episódio cansativo e didático demais, com doses cavalares de tecno-bobagens para rechear conversas relativamente vazias, como se Michael Chabon e Akiva Goldsman tivessem decidido regurgitar todo o palavreado supostamente técnico para substituir desenvolvimento narrativo. Basta ver a investigação interminável de Picard e Laris no apartamento de Dahj em Boston, que tem como única função verdadeira revelar a existência da Zhat Vash, uma organização romulana ainda mais secreta que a Tal Shiar e que tem como base uma forte política anti-sintéticos. O resto é firula para ocupar tempo de tela, o que nem seria um problema muito sério se algo semelhante não acontecesse novamente na interação de Picard com Agnes Jurati e também entre Soji e Narek no Cubo Borg que, separado da mente cibernética coletiva, ganhou o nome de Artefato.

Falando no Artefato, é muito interessante como a série reapresenta os Borgs, agora não mais como uma ameaça – pelo menos não no momento -, mas sim como fonte de tecnologia para os romulanos que, no processo, libertam os que foram assimilados da prisão cibernética, deixando-os por aí como “restos” de uma operação aparentemente muito lucrativa. Há um potencial enorme nessa linha narrativa que espero fortemente que germine ao longo da temporada.

Outro momento muito interessante, desta vez tendo Picard nos holofotes, foi a chegada do almirante aposentado no QG da Frota Estelar. Não só ele fica indignado por não ser reconhecido na recepção por um jovem, como sua conversa com a Almirante Kirsten Clancy (Ann Magnuson) dá muito errado, revelando de fato o quanto seu orgulho e vaidade o impedem de enxergar o óbvio: por mais que Picard tenha tido seu valor, ele não pode viver de seus méritos passados para fazer o que quiser sem maiores explicações. Por mais que torçamos por Picard, temos que reconhecer que ele não só largou a Frota Estelar há uma década e meia, como também acabou de desancar sua organização em TV ao vivo. Sua frustração é visível, mas, sob vários aspectos, absolutamente devida.

Por outro lado, o preâmbulo que reconstrói a revolta dos sintéticos em Marte pareceu-me gratuita e desnecessária nesse momento da série, a não ser que, nos próximos episódios, continuemos a ser brindados com os detalhes do que ocorreu. Igualmente, a revelação de que o protagonista sofre de alguma doença terminal – e, pior, que ela teria sido responsável por sua explosão durante a entrevista – soou-me como artifício dramático desesperado para criar urgência em uma história que não parece precisar de mais esse elemento complicador. 

É claro que a confirmação da existência de um complô profundo que envolve a Federação e os romulanos (mais um alienígena fisicamente alterado para se passar por humano como em Discovery!) funciona como o grande chamariz do episódio, mas mesmo isso vem talvez rapidamente demais, sem que haja tempo algum para que o espectador mature o bombardeio de informações em sua cabeça. Seja como for, por mais batida que essa escolha possa parecer, há, assim como no caso dos Borg, um bom potencial a ser explorado aí.

Agora é esperar que o próximo episódio termine de vez com a armação da história da temporada, abrindo espaço para que o nível de didatismo seja reduzido, equilibrando-o com ação, mas não ação na base da pancadaria incessante, pois disso já temos demais por aí, e sim ação digna de um capitão octogenário saindo de sua aposentadoria. Star Trek: Picard tem tudo para ser memorável, mas, para isso, precisa saber deixar sua história fluir de verdade.

Star Trek: Picard – 1X02: Maps and Legends (EUA, 30 de janeiro de 2020)
Desenvolvimento: Kirsten Beyer, Akiva Goldsman, Michael Chabon, Alex Kurtzman (baseado em personagens criados por Gene Roddenberry)
Direção: Hanelle Culpepper
Roteiro: Akiva Goldsman
Elenco: Patrick Stewart, Alison Pill, Isa Briones, Michelle Hurd, Harry Treadaway, David Paymer, Jamie McShane, Tamlyn Tomita, Orla Brady, David Carzell, Wendy Davis, Chelsea Harris, Peyton List, Ann Magnuson, Marti Matulis
Duração: 44 min.

Crítica | Star Trek: Picard – 1X01: Remembrance

A nova Era de Ouro das séries de TV, turbinada pela entrada pesada de um sem-número de concorrentes que, seguindo o modelo do Netflix, querem oferecer conteúdo próprio via streaming, tem provocado uma garimpagem sem paralelo por material para ser adaptado, o que é sempre uma boa notícia, já que potencializa a existência de obras que de outra maneira permaneceriam esquecidas. O outro lado da moeda é que a estratégia tipicamente hollywoodiana de se reciclar e ressuscitar propriedades que já carregam um público cativo embutido e que, portanto, reduzem o risco, vem sendo também empregada com força.

A CBS, proprietária da franquia televisiva Star Trek, usou Star Trek: Discovery como o principal veículo de divulgação de seu serviço de streaming CBS All Access e, navegando nesse sucesso, agora expande ainda mais seus produtos baseados na imortal criação de Gene Roddenberry com Star Trek: Picard, tirando da aposentadoria o almirante Jean-Luc Picard, capitão da Enterprise na sensacional e longeva Star Trek: A Nova Geração, que foi ao ar entre 1987 e 1994 e também em quatro longas. Muito diferente de Discovery, que partia de material substancialmente inédito dentro desse universo, a nova série tinha o desafio de equilibrar o legado de Picard, o que significa, claro, uma cuidadosa contextualização e a apresentação de uma nova história que efetivamente justificasse sua existência, algo tão esquecido em obras que são trazidas à vida depois de tanto tempo no limbo.

De certa maneira, o roteiro de Akiva Goldsman e James Duff para Remembrance, que partiu de história dos dois e também de Michael Chabon e Alex Kurtzman, mostra um pouco de sofreguidão em ter certeza de que os desafios que mencionei acima seriam ultrapassados com sucesso, o que acaba deixando o episódio razoavelmente tumultuado e carregado tanto de informações pregressas para trabalhar o espaço temporal entre praticamente o final de Nêmesis e o começo da temporada quanto de informações que servem para armar a estrutura do que está por vir. É decididamente algo difícil de se fazer, especialmente quando lembramos que os roteiristas precisaram dar conta de 18 anos de Jean-Luc Picard longe das telas, período que inclusive introduziu a chamada linha temporal Kelvin, inaugurada pelo filme de 2009.

Tenho para mim, porém, que Goldsman e Duff mais acertaram do que erraram e isso fundamentalmente porque eles se mantiveram firmes em uma linha mestra que está muito clara no título escolhido para a série: Picard. No lugar de inventarem uma história exógena ao personagem, a dupla de roteiristas criaram algo que efetivamente parte do amado personagem vivido por Patrick Stewart. Não que a história comece em razão de Picard, mas sim porque toda a narrativa parece estar profundamente amarrada na mitologia do personagem. Não só o androide Data (Brent Spiner), que se sacrificou por seu capitão em Nêmesis é fundamental para esse pontapé inicial – e, suspeito, para muito mais do que apenas isso – como toda a conexão de Picard com seres cibernéticos, inclusive sua “possessão” pelos Borgs, é premissa narrativa para o que se desenvolve aqui.

No entanto, o espectador que não conhece a história de Picard não é esquecido e essa é uma das razões pelas quais há uma fatia razoável de tempo dedicado a contextualizações, o que inevitavelmente leva a textos expositivos, inclusive com o uso do artifício de uma entrevista com o almirante aposentado em sua vinícola na França que funciona tanto para afirmar sua importância, como para apresentar os grandes eventos nesse intervalo temporal: Romulus, planeta natal dos romulanos, foi destruído (esse evento é o que “cria” a linha temporal Kelvin e que ejeta o Spock Prime para o outro universo) e Picard largou o comando da Enterprise para ajudar nos esforços de evacuação, somente para que sintéticos sabotassem os esforços, transformando Marte – planeta que estava recebendo os romulanos – em um inferno e levando a duas decisões da Frota Estelar, a proibição da criação de androides e o fim das missões de resgate. Picard, discordando das decisões, aposentou-se.

Esse é o contexto. A história em si da nova série envolve a misteriosa chegada da jovem Dahj (Isa Briones) que, depois de um atentado a sua vida que revela que ela é muito mais do que aparenta ser, procura a ajuda de Picard, rosto que ela vê em sua mente e com quem sente uma conexão imediata, o mesmo acontecendo do lado do aposentado octogenário. O compasso de conexões com o passado se intensifica com Picard, conscientizando-se de que relaxar em um vinhedo não é a vida que ele realmente quer mesmo nesse estágio avançado de sua carreira, partindo para tentar descobrir quem exatamente é Dahj. Nesse processo, muita coisa acontece – ainda que a ação em si não seja constante, ainda bem – e a construção de universo que o roteiro faz ganha corpo exponencialmente e amarra passado, presente e futuro por meio de pesadelos, artefatos e revelações bombásticas.

Patrick Stewart continua mostrando vigor mesmo na terceira idade e a direção de Hanelle Culpepper não poupa o ator de close-ups, demonstrando que não há vergonha alguma em deixar evidente a passagem de tempo. Até mesmo Brent Spinner como Data não tem sua idade apagada como em tese deveria ter por razões óbvias, ganhando breves, mas significativas participações que respeitam seu personagem, mas não se preocupam em mascarar o que não precisa ser mascarado com CGI ou mesmo maquiagem mais pesada ainda. E, melhor ainda, o roteiro não transforma Picard em um super-herói atlético, o que parece ter sido a razão principal para os poucos momentos de ação pura, com o cuidado de mostrar o almirante aposentado mal conseguindo subir escadas. Se é para trazer de volta personagens que deveriam ter 80 ou 90 anos, nada de fingir que eles têm 60 ou 50. Além disso, Star Trek nunca foi necessariamente afeita à pancadaria incessante – Discovery e a linha Kelvin são exceções bem-vindas, mas que deveriam permanecer como exceções – e Picard, nesse aspecto, é mais old school.

Mas o CGI existente, basicamente focado em dar vida às cidades – é particularmente bacana ver Paris – é muito eficiente e cumpre sua função. Não chega a ser espetacular principalmente porque a série ainda não exigiu isso da equipe criativa, mas há potencial para que ele seja do excelente nível de Discovery assim que a ação for levada ao espaço.

Claro que as referências estão em todos os lugares, da música de abertura, passando pelo chá earl grey, até o nome de seu cachorro, mas, diferente de fan services vazios que são a praga de muitas produções atuais, aqui eles carregam significado e lógica. Claro que há exageros aqui e ali, mas não é nada que interfira na narrativa ou que pareça ter sido construído para que determinada referência exista, isso se o espectador aceitar que a narrativa que parte das características pessoais de Picard, como mencionei acima, não são fan services, pelo menos não da forma como eles são usualmente utilizados.

A 8ª série da franquia Star Trek definitivamente começa com o pé direito e, mesmo que não necessariamente vá para onde nenhuma outra série jamais esteve, pelo menos mostra que esse vasto universo tem ainda muitas boas histórias para serem contadas. E se isso significa que relíquias do passado precisam ser reviradas e reaproveitadas na febre de se conseguir material para ser adaptado, então que assim seja.

Star Trek: Picard – 1X01: Remembrance (EUA, 23 de janeiro de 2020)
Desenvolvimento: Kirsten Beyer, Akiva Goldsman, Michael Chabon, Alex Kurtzman (baseado em personagens criados por Gene Roddenberry)
Direção: Hanelle Culpepper
Roteiro: Akiva Goldsman, James Duff (baseado em história de Akiva Goldsman, Michael Chabon, Alex Kurtzman e James Duff)
Elenco: Patrick Stewart, Isa Briones, Alison Pill, Brent Spiner, Orla Brady, Jamie McShane, De Niro
Duração: 44 min.