Dicas Segurança

Dicas de Segurança para Não Cair em Golpes On-line.

Golpes pela internet se tornaram muito comuns, é fácil encontrar pessoas que já foram vitimas ou conhece alguém que sofreu algum tipo de golpe on-line. Veja dicas de como se proteger dessa ameaça real.


Com cerca de 26 mil tentativas de golpes virtuais por dia, o Brasil é um terreno fértil para os famosos golpes da internet. Diferentemente dos vírus que são programas maliciosos que se espalham na rede, os golpes tentam enganar e induzir o usuário ao erro.

Alguns desses golpes existem antes mesmo da internet, mas
foram adaptados para a era virtual e estão ficando cada vez mais sofisticados e
difíceis de identificar.

Além de atualizar seu antivírus 2019 para a versão 2020
e proteger seu computador, daremos aqui algumas dicas de como identificar e se
prevenir contra golpes on-line. Confira!


1) DESCONFIE DE OFERTAS MUITO TENTADORAS


Um dos golpes mais comuns é o de spam e phishing enviados por e-mail, onde as mensagens estão sempre avisando que você ganhou um grande prêmio ou herdou uma herança milionária.

Os golpistas exigem o pagamento de uma “taxa” para você ter
acesso ao prêmio e é aí que se encontra o perigo.

Para evitar esse tipo de e-mail o melhor é sempre sinalizá-lo na sua caixa de entrada como “lixo eletrônico” e ele automaticamente será mandado para a lixeira. Alguns e-mails já possuem um botão para identificar o phishing e reportar esta prática.

Proteger de Golpes On-line

2) CUIDADO COM DESCONHECIDOS


Outro tipo de golpe via e-mail ou redes sociais/chats é o scam amoroso
ou golpe do namoro virtual. É
basicamente um golpista por trás de um perfil falso seduzindo pessoas on-line.

Geralmente se passa por uma pessoa de outro país, que depois
de ganhar intimidade e a confiança da vítima começa a pedir quantias em dinheiro.

Uma forma de evitar o scam amoroso é sempre desconfiar de estranhos que tentem se aproximar de você na internet pedindo informações pessoais e denunciando o perfil para a Safernet.


3) CONFIRA A FONTE DAS INFORMAÇÕES


Com uma população de 13 milhões de desempregados segundo o
IBGE, o golpe do emprego falso tem
feito muitas vítimas no Brasil. As vagas falsas são sempre em empresas de
grande renome e oferecem um salário acima da média.

Quando as pessoas clicam no link são redirecionadas para
páginas fraudulentas que pedem informações pessoais, senhas e até mesmo
transferências bancárias para “provas de seleção” ou “materiais de apoio”.

Uma forma de identificar esse golpe é sempre conferir se as vagas de emprego são reais
nas plataformas das empresas e em sites confiáveis como LinkedIn, Infojobs e
outros.

Gostou das dicas? Sabe mais alguma forma de se defender contra golpes na internet? Compartilhe com a gente nos comentários!


Este artigo foi criado pela equipe Bitdefender para uso exclusivo do blog Infotec Blog

Imagens:  Pixabay (Methodshop); Rawpixel

Guia essencial para registrar uma marca no brasil.

Registrar uma marca é um procedimento que necessário que preocupa muitos empreendedores no Brasil, o motivo para isso é que poucas pessoas sabem ao certo como fazer isso ou se sentem seguras ao fazerem o procedimento sozinhas.

Algumas pessoas buscam pela ajuda de um especialista em proteção de marcas e não há nada de errado com isso, mas, mesmo que você opte por essa opção, entender melhor como o registro de marcas funcionam no Brasil é um assunto pertinente para qualquer empreendedor.

Por isso, vamos ao guia essencial com o mínimo que você precisa saber sobre o assunto.


CONHEÇA O INPI


INPI é a sigla para Instituto Nacional da Propriedade Industrial, é a entidade que cuida do registro de patentes e assuntos pertinente. é nele que você vai consultar a disponibilidade de marca, registrar a sua marca e etc.

Antes de mais nada, você precisa entender o que não pode ser registrado no INPI, isto é, o que é marca e o que não para eles. Você não pode registrar nome e sobrenome, marca enganosa e etc. Confira a lista completa sobre o que você não pode registrar antes de prosseguir com o seu processo.


PESQUISE ANTES DE REGISTRAR


Você não pode registrar uma marca se ela for muito semelhante a outra já existente. Quando falamos sobre nome por exemplo, você não pode registrar a sua marca se o nome já foi registrado junto ao INPI.

No próprio site oficial do Instituto você pode pesquisar pelo nome da sua marca e verificar se o mesmo já foi registrado. Essa etapa é importante para evitar desperdício de tempo, você até pode tentar registrar uma marca já existente, mas o seu pedido será negado pelo INPI.


Registrar marcas, computador
Registrar marcas e patentes no Brasil.

SEJA RÁPIDO


Os direitos exclusivos de uma marca só são concedidos de fato quando são registrados junto ao INPI. Mesmo após a confirmação da disponibilidade da sua marca, você só vai estar na metade do caminho.

É preciso se apressar e fazer o registro rápido antes que alguém acabe tomando a sua frente e registre antes de você. Nesta etapa você deve estar preparada para gastar dinheiro pois o processo não é gratuito.

É também recomendado que você registre tudo o que estiver relacionado a sua marca, ex: logotipos, slogans e etc. O motivo para isso é que se sua marca se tornar valiosa, você vai querer todos os direitos sobre ela. 


TENHA PACIÊNCIA


O processo de registro não é automático como muitas pessoas pensam. O INPI é um instituto especializado, mas você precisa lembrar que estamos falando de um instituto para o país inteiro, portanto, pode demorar algum tempo até que seu pedido seja aceito ou rejeitado.

Você deve conferir o status do seu processo com frequência e agir de acordo com a resposta que for dada pelo INPI. Com um pouco de sorte, você terá sua marca registrada na primeira tentativa. Mas não desanime se não for o caso e tente outra vez se necessário.

Saiba mais sobre o significado do código Q.

No início do século XX, o código Q foi desenvolvido pelo governo britânico para facilitar a comunicação entre os navios e as estações costeiras. Ele recebe esse nome devido à palavra “question”, que significa questão ou dúvida em português.

Seu uso ultrapassou as barreiras
linguísticas e permitiu que mensagens fossem sintetizadas através da combinação
de 3 símbolos. Em vista dessa praticidade, o código Q foi incluso
no serviço de regulamentação anexo à Terceira Convenção Internacional de
Radiotelegrafia, em 1912, e é amplamente utilizado até hoje.


Como o código Q é utilizado em rádios
comunicadores?


Atualmente, o código Q é dividido de acordo com a forma de utilização do rádio comunicador: QAA-QNZ são reservados para uso aeronáutico; QOA-QOZ para uso marítimo; QRA-QUZ para todos os serviços. Conheça algumas combinações de símbolos utilizadas e seus significados:

Código Q Pergunta Resposta
QAP Está na escuta? Permaneça na escuta/ estou na escuta
QRA Qual o nome operador? O meu nome é…
QRM Está sendo interferido? Sofre interferência:
QRU Tem algo para mim? Não tenho nada para você
QRV Está preparado? Estou preparado
QRX Quando você chamará
novamente?
Eu o chamarei novamente às…
QSB A intensidade de meus
sinais varia?
A intensidade de seus sinais varia
QSD Minha transmissão está defeituosa? Sua manipulação está
defeituosa
QSJ Qual a taxa a ser cobrada
para…
A taxa a ser cobrada para…
QSL Pode acusar
recebimento?
Acuso recebimento
QSM Devo repetir a última
mensagem…
Repita última mensagem…
QSO Pode comunicar-me
diretamente…
Posso comunicar-me
diretamente com…
QTA Devo cancelar a
mensagem número…?
Cancele a mensagem
número…
QTC Quantos recados para
transmitir?
Tenho… recado transmitir (ou para …)
QTH Qual é seu local? Meu local de endereço
posição é…
QTI Qual é o seu rumo
VERDADEIRO?
Meu rumo VERDADEIRO é … graus
QTR Qual é a hora
certa?
A hora certa é…
QTY Você está seguindo para o
lugar do acidente?
Estou seguindo para o lugar do acidente
QUA Tem notícias
de…?
Envio notícias de…

Quais as principais regras de utilização do código
Q?


Significado do código Q
Significado do código Q

Para que a comunicação com o código Q seja efetiva, é necessário
que sejam adotadas algumas regras. Conheça-as a seguir:

  • O código é definido como afirmativo ou negativo pela inserção imediata de “yes” (sim) e “no” (não) após as abreviaturas;
  • É possível a ampliação dos códigos com a adição de informações como os indicativos de chamada, nomes de pessoas ou lugares, números etc.
  • Para que a mensagem tenha um tom de pergunta, deve ser inserido a uma informação adicional e, logo depois, um ponto de interrogação. 
  • No caso de códigos com números, deve-se tomar cuidado para que a escolha do algarismo seja exata e transmita a informação correta;
  • À princípio, a indicação de horas no código Q deve obedecer à coordenada universal do tempo (UCT), a menos que tenha sido convencionada outro formato previamente.

O que você achou de aprender mais sobre a história e como funciona o código Q? Ainda que existam outras formas de codificação de mensagens, utilizá-lo é uma opção muito interessante quando falamos sobre comunicação.

Cartão Clonado: 6 Dicas Essenciais para evitar Golpes.

Quem já teve o cartão clonado sabe como a situação é inconveniente e pode dar
trabalho para resolver. A clonagem de cartões de crédito é uma das formas mais
comuns de enganar os compradores, seja em lojas físicas ou na internet.

O risco de ter o cartão clonado
sempre existe e, por isso, é essencial ficar atento na hora de usá-lo e evitar
cair em golpes. Confira
6 dicas de cuidados para ficar de olho!


1. Não Digite a
Senha em Sites


Compra online com cartão de crédito

A senha é utilizada somente nas compras em lojas físicas. Na
internet, esse dado não é necessário e o usuário consegue pagar qualquer boleto
de loja online apenas com o número do cartão, a data de vencimento e o código
de segurança.

Além disso, bancos não enviam e-mail solicitando senhas. Caso aconteça, um alerta: é possível que você esteja sendo vítima de phishing.


2. Compre
Apenas em Sites Confiáveis


Dê preferência para sites maiores e
mais conhecidos. Em lojas menores, procure
referências na internet
antes de realizar a primeira compra. Outra dica é
verificar se há um cadeado na barra de endereço eletrônico, pois essa é a
confirmação de websites seguros.


3.
Evite Usar o Cartão de Crédito em Locais Suspeitos


Teclado de caixa eletrônico

Caixas eletrônicos que ficam na rua ou em espaços públicos podem ser adulterados com maior facilidade. Nessas circunstâncias, os criminosos podem instalar um equipamento que rouba os dados do cartão. Por isso, é bom evitar usá-lo.

Outra dica muito importante: nunca
deixe que um vendedor ou garçom leve o cartão efetuar a cobrança em outro local
sem supervisão. 


4. Não acesse o
Internet Banking em Dispositivos de
Terceiros


Nunca acesse a sua conta de banco por
meio de um computador público ou dispositivos de terceiros. Evite, também, utilizar o Internet Banking em redes públicas de
Wi-Fi, pois elas são mais instáveis.


5. Monitore as
Compras Efetuadas com o Cartão


Homem olhando para o celular

Fique de olho na fatura e na
movimentação da conta. Vários bancos oferecem o envio de uma notificação no celular toda vez que uma transação é feita.
Assim, é possível acompanhar todas as ações realizadas com o cartão e
identificar compras que não são suas.


6. Instale um
Antivírus no Computador e no Celular


Os softwares de proteção são ótimas ferramentas para não cair em roubadas. Por isso, instalar um antivírus de qualidade no computador e no celular é uma das melhores maneiras de se proteger desses golpes.

Tem
mais dicas para evitar que o cartão seja clonado?
Compartilhe nos comentários!


Este artigo foi criado pela equipe Bitdefender para uso exclusivo do blog Infotecblog.

Imagens: Pexels, Pixabay, Pexels

Phishing, Extorsão e outros Golpes: Como os Usuários Podem se Proteger no Cotidiano?

Ataques de Phishing, roubos de identidade, extorsão e outros golpes são muito frequentes no mundo virtual. Veja como se proteger!


O mundo virtual é uma selva. É a luta da presa contra o predador, um ambiente hostil e bastante violento. Isso parece exagero, certo? Pense nas suas redes sociais, nos seus jogos multiplayer, nos seus fóruns e serviços favoritos de chat, nos seus aplicativos fofos e em todos aqueles memes engraçados.

Com tudo isso, retratar a internet como um ambiente hostil parece um imenso exagero, certo? Errado. Os perigos existem.

Quais são esses perigos? Como se proteger deles? Você vai saber disso nesse artigo.

Os principais riscos aos internautas


Para qualquer pessoa conectada à internet, os principais riscos são a perda, roubo e uso indevido de informações pessoais como endereço, nome completo, números dos documentos (como CPF e carteira de identidade), a invasão dos dispositivos e outros processos que prejudicam direta/indiretamente os usuários.

A ação de hackers é uma constante. Ao contrário do que a maioria das pessoas pode acreditar, essas pessoas não estão interessadas apenas em roubar dados de grandes empresas e governos. A maioria dos ataques acontece contra pessoas “comuns”, alvos “pequenos” que, justamente por não se enxergarem como vítimas potenciais de hackers, são as vítimas mais fáceis e vulneráveis.

Você está online? Então, você também é um alvo em potencial.

O que é um hacker?


Hacker, em termos simples, é uma pessoa que invade sistemas sem autorização e/ou conhecimento de seus usuários com finalidades maliciosas e ilícitas – embora, hoje, haja uma preferência para usar termos como lammer ou script kiddie para se referir a essas pessoas, já que hacker vem sendo visto como inclusive o profissional que trabalha para empresas e governos para melhorar seus sistemas de segurança virtual, explorando as falhas e brechas do sistema para permitir que eles sejam aprimorados.

Os principais recursos dos hackers


Hackers se utilizam de vários mecanismos como phishing, keyloggers, malware, spyware e outros recursos. Vamos explicar, de forma simples, esses
principais recursos para invadir sistemas e te atacar. Tudo isso é chamado de ciberataque.

Phishing é o método de tentar roubar informações pessoais usando, principalmente, e-mails e websites com vírus e links maliciosos. Malwares são programas maliciosos usados por esses golpistas para infectar os dispositivos do usuário e permitir esse phishing

Exemplos de tipos de malwares são os keyloggers, que servem para memorizar as teclas digitadas pelos usuários e, assim, aprender suas senhas e dados de acessos a diversos serviços e plataformas, e spywares, que são programas silenciosos usados para espionar os usuários.

Muitos desses recursos passam despercebidos mesmo pelos melhores antivírus e sistemas de firewall.

Golpes virtuais e chantagens

Proteção contra Phishing

Os chamados golpes virtuais são uma realidade cada vez mais frequente. E-mails enviados para roubar senhas, falsas cobranças e débitos, websites maliciosos, falsas mensagens de órgãos do governo, programas e links suspeitos e perfis fakes perigosos: tudo isso constitui uma realidade quase inescapável no mundo virtual.

Na maioria dos casos, essas ações são tomadas por pessoas que você não conhece. Mas, com cada vez mais frequência, mesmo pessoas próximas podem te chantagear, ameaçar e tentar aplicar golpes.

É cada vez mais frequente o número, por exemplo, de mulheres que são chantageadas pelos parceiros, ex ou atuais: essas pessoas pegam fotos íntimas e fazem chantagem, ameaçando divulgá-las caso a pessoa não cumpra determinada exigência (principalmente enviando dinheiro). Muitas vezes, isso acontece por “simples” vingança.

Em outros casos, alguém desconhecido simplesmente envia uma mensagem de ameaça, afirmando ter suas senhas pessoais e exigindo algo de você – e, em grande parte dos casos, isso é um simples blefe. É o chamado sextortion ou extorsão sexual.

Esse é apenas um dos tipos de golpes virtuais praticados pelos chamados scammers. Ter precaução com as informações que você expõe e com as suas comunicações é uma ótima medida.

Algumas dicas de segurança

Proteção contra Phishing

Para evitar ataques de Phishing e outros perigos, os usuários podem tomar alguns cuidados. O primeiro deles é manter senhas fortes e informações pessoais em segurança. Além disso, é claro, ter um bom antivírus e um firewall ativo são algumas medidas básicas.

Ter cuidado com os e-mails que você recebe e procurar se informar sobre golpes virtuais mais básicos também é uma ótima dica. É importante frisar também a importância de ter cuidado com informações que você publica em redes sociais e quem você adiciona nos seus contatos.

Manter um bom provedor NordVPN. Um provedor VPN funciona como um servidor que aprimora a segurança da sua rede, que permite a criptografa das suas informações e melhora a confiabilidade do tráfego de dados da sua conexão, além de permitir a alteração do IP dos seus dispositivos e impedir a redução da velocidade da conexão por parte dos provedores de internet.

A melhor ferramenta de defesa são as suas atitudes. Se você tomar boas atitudes, as chances de se tornar vítima de golpes virtuais diminui muito. A prevenção continua sendo o melhor remédio.

Renda extra: como ganhar quase mais de mil reais em menos de 30 dias comprando e vendendo milhas.

Com a promoção de compra de Pontos Multiplus, você pode comprar milhas e revendê-las rapidamente, lucrando em torno de 15%.


Uma forma ainda pouco conhecida para fazer renda extra é a compra e venda de milhas que, apesar de ainda pouco divulgada, já começou a atrair muita gente que está buscando uma renda extra.

No momento
existe uma promoção para compra de pontos que é muito rentável para quem quiser
comprar e vender na sequência. Trata-se de uma excelente oportunidade!

Até dia 29/5
a Multiplus está com uma promoção através da qual você pode comprar cada mil
pontos por R$28,14 e vender os mesmos pontos por em torno de R$32,50, um lucro
quase imediato de 15%.

Aqui está
um passo-a-passo para você aproveitar essa oportunidade:

Passo 1: caso ainda não tenha uma conta Multiplus, crie sua conta. Se já tiver sua conta, acesse o site da Multiplus e clique em “Entrar”, fazendo o seu login.

A promoção
que está no ar até dia 29/5 permite, a quem é assinante do Clube Multiplus,
comprar pontos com 60% de desconto.

Passo 2: o seu segundo passo é assinar a opção mais barata, chamada “Clube 1.000”, que já vai te dar direito a comprar os pontos com desconto. Ela custa R$42,90 por mês:

Plano Clube Multiplus

Passo 3: após ter o seu clube aprovado, você já vai receber 1.000 pontos imediatamente. Na sequência, você vai até a opção “Compre Pontos” no site da Multiplus.

Com o seu
login feito, e já sendo assinante do Clube, você verá que pode comprar até 300
mil pontos com o desconto de 60%. Cada mil pontos vão sair por R$28,00, ao
invés de R$70,00.

Comprar e Vender Milhas Multiplus

Selecione a quantidade que deseja comprar e siga para finalizar a compra, preenchendo os dados corretos do seu cartão de crédito. A Multiplus leva até 48 horas para aprovar a compra.

Passo 4: quando sua compra for aprovada você vai receber um e-mail de confirmação. Vale também acessar sua conta Multiplus para ver se os pontos já caíram pois nem sempre eles mandam o e-mail avisando.


Agora ao acessar sua conta Multiplus você verá 301.000 pontos (1mil referente à assinatura do Clube e mais 300 mil que você comprou com desconto):

Passo 5: caso ainda não tenha conta da MaxMilhas, crie sua conta aqui. Importante: você deve usar exatamente o mesmo nome e CPF que usou para criar sua conta Multiplus. Os dados precisam ser iguais.

Passo 6: faça login na sua conta MaxMilhas e vá até a opção “Vender milhas”. O link direto é: https://www.maxmilhas.com.br/vender-milhas. Nessa tela, selecione “Faça sua venda” e na sequência selecione “Latam”:


Passo 7: na tela seguinte coloque 301.000 em “quantidade de milhas” e no campo “Qual o valor para cada 1.000 milhas” coloque o valor pelo qual quer vender cada mil milhas.

Se cadastrar a R$32,50 você vai ter um lucro de 15% com a venda. Você pode colocar um pouco mais que isso se desejar ou até menos caso queira vender mais rápido:

Passo 8: clique em “Configurações avançadas” ainda nessa tela. Em “Média de milhas por passageiro” sugiro que coloque 15.000.

Isso significa que a MaxMilhas vai cumprir uma média de 15.000 milhas por passagem, ou seja, vai fazer até 20 emissões (20 x 15.000 = 300.000).

Essas emissões serão de, em média, 15 mil pontos mas nem todas serão exatamente de 15 mil, sendo que a média final de todas as emissões dará isso. Clique em “Próximo”.

Lucre comprando e vendendo milhas

A Multiplus permite que em um período de 1 ano você emita passagens para 24 pessoas diferentes + passagens para você. Então, na prática, essa escolha significa que você vai gastar 20 emissões das 24 emissões para pessoas diferentes a que você tem direito num período de 1 ano na Multiplus.

Passo 9: na próxima tela a MaxMilhas já vai carregar seu CPF no campo “Usuário do programa de fidelidade”. Você deve preencher o campo “Senha do programa de fidelidade” com a sua senha de acesso da Multiplus e “Senha de resgate da Multiplus” deve ser a senha de resgate. A Multiplus possui duas senhas distintas.

Você pode pedir a sua senha de resgate (caso não saiba) logando na sua conta Multiplus e indo em “Minha conta” no topo da página e depois em “Senhas” >> “Solicitar senha de resgate”.

Coloque também nessa tela o seu telefone cadastrado na Multiplus. Caso não lembre qual telefone você usou lá, vá em “Minha conta” e “Dados de contato” na sua conta da Multiplus para verificar.

O número de celular que está cadastrado lá deve ser o mesmo que vai colocar na MaxMilhas pois a MaxMilhas vai te ligar para pegar o SMS que a Multiplus envia durante o processo de emissão de passagem, então o número precisa estar correto. Aceite os termos e clique em “Próximo”.

Passo 10: assim que sua oferta for aprovada pela MaxMilhas você vai receber um e-mail te avisando (a plataforma leva até 48 horas para aprovar novas ofertas).

Enquanto isso aproveite para cadastrar sua conta bancária para receber o pagamento: https://www.maxmilhas.com.br/cliente/editar/dados-bancarios.

A conta bancária também precisa ter o mesmo CPF da conta MaxMilhas e da conta do programa de Fidelidade. Você não pode receber em uma conta bancária que não seja do titular da conta MaxMilhas e da conta Multiplus (e a conta deve ser corrente, não poupança).

Passo 11: pronto! Com sua oferta aprovada a MaxMilhas vai entrar em contato para pegar o código de emissão que chega por SMS para você conforme as milhas forem sendo vendidas.

As vendas são exibidas em “Minhas vendas”, assim como os valores a receber e datas de pagamento.

A empresa
paga pelas milhas 20 dias após as vendas (normalmente um pouco antes). Você
também recebe e-mail de confirmação a cada passagem emitida com suas milhas.

Continue
lendo para ver as contas para entender quanto vai lucrar com essa operação de
compra e venda de milhas!

Fazendo as
contas: vale a pena! Você deve ganhar em torno de R$1.339,60 em menos de 1 mês

Custo da Assinatura do Clube Multiplus 1.000  R$ 42,90
Custo da compra de 300 mil pontos com
desconto de 60%
 R$ 8.400,00
Custo total  R$ 8.442,90
Quantos pontos terá 301.000
Valor de venda de cada mil pontos  R$ 32,50
Valor total a ser recebido vendendo a
esse valor
 R$ 9.782,50
Diferença entre valor de venda e custo total (lucro)  R$ 1.339,60
% do lucro 15,87%

Dicas Importantes

Para acelerar a aprovação da sua compra de pontos na Multiplus busque usar cartão de crédito de sua própria titularidade (que seja do mesmo nome e CPF da conta Multiplus)

– Você pode
comprar menos do que 300 mil pontos (esse é o limite máximo com desconto), caso
tenha menos limite no cartão de crédito

Caso não tenha interesse em manter o Clube Multiplus ativo, cancele perto de completar 1 mês, para não ter cobrança por mais tempo

Caso sua compra não seja aprovada, entre em contato pelo chat ou telefone da Multiplus para entender e ver se liberam ou tente novamente

Aproveite a promoção rápido: você precisa assinar o clube e comprar os pontos dentro do período promocional então se deixar para muito mais para frente pode perder a oportunidade pois o processo de aprovação de compra pode demorar um pouco

Você pode repetir esse processo com pessoas da sua família, cada um com sua própria conta Multiplus e conta MaxMilhas. Lembre-se: os dados precisam ser sempre do titular da conta.

8 aplicativos que todo viajante deve ter.

A tecnologia facilita muito nossa rotina diária, hoje temos as informações na palma da mão a hora que quisermos. E no mundo das viagens, isso não foi diferente. Existem aplicativos que nos auxiliam em todas as etapas da viagem, desde o planejamento até a avaliação dos locais que visitamos.

Confira alguns aplicativos gratuitos que todo viajante tem que ter em seu smartphone para facilitar a vida durante as viagens.

Você também pode ler o artigo, aplicativos de carona para economizar nas viagens, são dicas ótimas para o viajante que pretende ser aventurar sem gastar muito.


Apps que ajudam viajantes em qualquer
tipo de viagem

Confira a
lista de aplicativos que todo viajante deve ter, independente do seu tipo de
viagem!

1. Encontrar passagens aéreas – Kayak

No Kayak você pode criar alertas sobre o trecho desejado e ser avisado sobre as variações de preço.

Ele compara vários sites de reservas e companhias aéreas para te indicar sempre a melhor opção de preço. Além disso, te permite guardar e gerenciar todos os dados relativos às reservas.


2. Mapas – Maps.me

A grande vantagem deste app de mapas é a possibilidade de baixar os mapas previamente e utilizá-los offline, evitando o problema de estar perdido e sem internet.

Além disso, ao traçar a rota pedestre para um destino, calcula também escadarias e indica o percurso com menor dificuldade para o pedestre. Por ser um app útil, faz parte da lista de aplicativos que todo viajante deve ter.


3. Conversão de Moedas – XE Currency

O aplicativo
mostra sempre as conversões atualizadas a cada minuto de qualquer moeda,
podendo salvar a última cotação para uso offline. Facilita a vida de quem viaja
internacionalmente e tem de lidar com conversões.


4. Viagens de aventura – Wikiloc

Ideal para os aventureiros, o Wikiloc mostra trilhas e roteiros mais próximos de você, além de conectar os usuários para a troca de informações.

O app mostra as trilhas mais próximas do viajante, com sua localização, e indica como ela pode ser feita: caminhada, bicicleta, carro e etc. Cada trilha pode receber avaliação dos usuários e a busca permite encontrar uma trilha adequada de acordo com suas preferências.

Aplicativos para Viajante baixar no Smartphone

5. Encontrar um Wi-fi disponível –
WiFi Anywhere

Quando estamos viajando, comunicação é essencial. Seja para avisar sobre sua chegada ou postar aquela foto nas redes sociais.

Para as viagens em que estamos sem chip local, o aplicativo vasculha todas as redes Wi-Fi gratuitas disponíveis ao redor do usuário e ainda testa a velocidade do sinal.


6. Planejar e pesquisar – TripAdvisor

Lista desde hotéis até passeios, com avaliação dos usuários que já visitaram. Um dos atrativos do app é a função “perto de mim agora”, no qual lista passeios, pontos turísticos, hospedagens e restaurantes próximos ao local onde o usuário se encontra.

É muito importante no planejamento da viagem, pois lista as opiniões reais das pessoas, com dicas e curiosidades sobre o local. Viu como esse é um dos aplicativos que todo viajante deve ter?


7. Tradução – Google Translate

Para não passar apertos na hora de lidar com outro idioma, o Google Translate oferece traduções escritas, em áudio e até em tempo real. Basta apontar a câmera do celular para o local onde o texto está. Também funciona no modo offline.


8. Reserva de restaurante – OpenTable

O OpenTable ermite ver os restaurantes ao redor com disponibilidade de reserva, agendar a reserva e até ver o cardápio completo pelo celular. Ideal quando você não se comunica bem no idioma local, evitando desconfortos e possíveis confusões.

Então, gostou das dicas de aplicativos úteis para viajar? Viu como eles contribuem com os viajantes? Qual você acredita ser mais importante? Comente!


Por: Andreia Silveira, do site SeguroViagem.org.

Saiba como se proteger contra ataques de phishing.

O que não falta na internet são relatos de pessoas que caíram em phishing. Mas, afinal, o que é isso? Phishing é uma forma de ataque para roubar dados pessoais de um usuário.

De forma geral, o phishing acontece ao acessar um site falso que inicia um processo para coletar as informações do dono do computador, geralmente informações bancárias.

Seu nome tem base na palavra fishing, do inglês, que significa pescar. Ou seja, os hackers jogam uma isca, tentando enganar e assim atrair as vítimas para um golpe virtual. Estima-se que um em cada quatro brasileiros já caiu em algum tipo de phishing, seja por e-mail, WhatsApp ou outras redes sociais.

Esse número corresponde à 25% da população do país, uma boa quantidade de pessoas sendo afetadas diariamente, muitas vezes, sem perceber. 

Não responda uma solicitação de envio de dados por e-mail 

Muitas vezes, recebemos e-mails que dizem ser de um banco ou de uma empresa séria. Em alguns casos, as mensagens são tão bem configuradas que parecem mesmo ser de alguma agência bancária. Se em algum momento for solicitado para que você insira dados financeiros ou confirme números do seu cartão de senhas, não responda.

O ideal é ligar para sua agência e confirmar se este é um e-mail do banco ou não. Além disso, preste atenção ao remetente da mensagem, pois nomes suspeitos são facilmente verificados em uma checagem simples. 

Procure acessar sites seguros 

Uma forma de saber se um site é seguro é se ele possui o “https://” e o símbolo de um cadeado na barra do navegador. E isso vale para todos os tipos de sites: redes sociais, bancos, lojas online ou plataformas de jogos. 

Sites confiáveis como o cassino Rivalo Brasil possuem esse recurso, além de oferecer o protocolo SSL em transações financeiras, o mesmo utilizado pelos bancos para dar mais segurança ao usuário. 

Phishing

Ative a autenticação de dois fatores nas redes sociais e e-mail 

Esse é um recurso simples, mas bastante eficiente. Quase todas as redes sociais e e-mails permitem que você reforce a segurança da conta por meio da autenticação de dois fatores do seu perfil.

Isso faz com que seja necessário informar um código extra recebido por SMS sempre que você quiser logar na sua conta. Na prática, não demanda tempo ou esforço do usuário, enquanto dificulta bastante o roubo de dados e acessos indevidos. 

Não clique em links suspeitos 

Todos os anos, novos golpes chegam ao nosso celular ou computador por meio das redes sociais. Neste começo do ano, o “golpe da vez” oferece lápis de cor para roubar dados pessoais e instalar um vírus no smartphone dos usuários.

Por isso, quando você receber algum link que pareça suspeito pelo celular, pesquise antes de clicar. Verifique se há alguma informação se é ou não um vírus para só então acessar. 

Evite testes do Facebook 

De tempos em tempos, novos testes surgem no Facebook. Seja os que mostram sua versão no sexo oposto, qual foi a sua profissão em outra vida ou como você será na velhice, o que não faltam são aplicativos que prometem diversão ao usuário da rede social.

Entretanto, alguns desses sites fazem testes com a intenção de capturar dados e vender para outras empresas. Em alguns casos, o phishing acontece ao entrar em brincadeiras inocentes. Por isso, tenha bastante atenção e veja se vale a pena o risco. 

Agora que você já sabe algumas dicas, fique atento para continuar com uma navegação segura e sem incidentes. Ninguém quer fazer parte da estatística sobre phishing, certo? Esteja atento para não cair em armadilhas. 

Dicas para evitar Aplicativos Maliciosos no Smartphone.

Usar aplicativos no smartphone é
essencial, pois é por meio deles que temos acesso a diversas facilidades, como
programas de mensagens instantâneas, internet banking, jogos e muito mais.

Mas, é preciso ter cuidado na hora de baixar e instalar esses softwares, pois
eles podem ser uma porta de entrada para hackers e cibercriminosos.

Apesar dos mecanismos de segurança do
próprio aparelho, há casos em que os hackers conseguem passar despercebidos até
pelos bloqueios dos fabricantes.

E você, sabe como descobrir se um app é
perigoso?
Preparamos algumas dicas rápidas para te ajudar a evitar
aplicativos maliciosos. Confira!

1.
Confira a Data de Lançamento do App

Printscreen com configurações de aplicativo

Essa dica é simples e muito comum entre
usuários de smartphone. Quanto mais recente for a data de lançamento, maiores
são as chances dos possíveis problemas decorrentes do uso ainda não terem sidos
identificados e revisados.

Por isso, muita atenção com aplicativos
recém-lançados!

2.
Evite Baixar Apps Fora de Lojas
Confiáveis

Muitos usuários adoram o sistema
operacional Android porque ele oferece bastante liberdade. Entre as principais,
a possibilidade de baixar aplicativos
que estão fora da Google Play
, a loja oficial, ou em outras lojas
alternativas.

Parece tentador, não é? Porém, se existem apps suspeitos até dentro das lojas
confiáveis, como garantir segurança ao utilizar lojas duvidosas? Por isso,
recomenda-se que essa prática seja evitada.

Se for imprescindível fazer download de
aplicativos fora das lojas oficiais, pesquise detalhadamente informações sobre
o app na internet.

3.
Verifique a Opinião de Outros Usuários

Em sistemas como Android, Windows Phone ou iOS, é possível verificar as análises dos
apps de acordo com avaliações dos
próprios usuários. É interessante estar atento ao que outras pessoas relatam
sobre a instalação e uso do aplicativo.

É extremamente comum, por exemplo,
encontrar reclamações sobre apps que
travam ou funcionam lentamente. Muitas vezes isso pode ser um problema de
armazenamento do próprio aparelho, não necessariamente do aplicativo.

Então a dica é: esteja atento à relatos sobre vírus, malwares ou qualquer outro comportamento estranho do aplicativo
que possa comprometer o funcionamento do seu smartphone, coletar dados ou
arquivos.

Casal utilizando computador e smartphone em café

4.
Utilize um Antivírus para Celular

Essa também é uma forma efetiva para descobrir e se prevenir contra aplicativos maliciosos. Utilizar um antivírus para celular é uma boa opção, pois mesmo com precaução, ainda é possível instalarmos aplicativos que disfarçam suas intenções.

# Dicas Extras:

  • Não confie em apps que oferecem benefícios gratuitos
  • Evite aplicativos
    que pedem permissão para acessar informações que não condizem com o serviço
    prestado por ele
  • Busque informações
    sobre o desenvolvedor

E aí, gostou das dicas? Caso você tenha outra maneira para se proteger contra apps perigosos, conte pra gente nos comentários!

Este artigo foi criado pela equipe Bitdefender para uso exclusivo do blog Infotec Blog.

Imagens: Rawpixel (Unsplash), Techtudo,
Rawpixel (Unsplash)

Conheça os principais riscos do compartilhamento de informações nas redes sociais.

Saiba os perigos que você pode ter que encarar ao se expor na internet.


O surgimento de ferramentas de blogs, que permitiam a pessoas comuns escreverem na internet o que bem entendiam, trouxe consigo o perigo da exposição exagerada na rede.

Redes sociais apenas intensificaram isso, criando uma situação que acaba demandando o uso de, por exemplo, seguro celular para garantir sua integridade online.

Com a popularidade de redes sociais, como Facebook, Twitter e Instagram, ficou muito fácil para o usuário abrir seu smartphone ou computador e compartilhar fotos, pensamentos e atividades para os seus contatos.

Se por um lado isso pode aproximar pessoas queridas, o compartilhamento excessivo de suas informações pode atrair os olhares de pessoas mal-intencionadas, que podem trazer dano moral e físico para você.


1 – Roubos

Imagine a seguinte situação. Você posta no Twitter a vontade de tirar férias. Durante meses, postagens nesta e em outras redes sociais mostram bens que você possui na sua residência.

Em algum momento, você revelou aproximadamente onde ficava a sua casa, seja por geolocalização ou por fotos que mostravam pontos de referência.

Suas férias finalmente chegam e você sai viajar. Comenta no Twitter, compartilha fotos no Facebook e Instagram, mostrando que está longe de casa. Quando retorna, alguém entrou na sua residência e levou seus bens. Como eles sabiam que você não estaria lá?

Exatamente, postagens em redes sociais tendem a mostrar demais por onde anda e quando, tornando os usuários dessas redes alvos fáceis para roubos. Isso poderia ser evitado ao saber exatamente para quem você revela detalhes da sua vida na internet.


2 – Difamação

Um dos riscos que redes sociais trazem e que muitas pessoas não levam em consideração é da criação de fakes para difamar alguém.

Você posta suas fotos, as coisas que faz e suas opiniões nesses sites. Por algum motivo, alguém cria uma antipatia por você e resolve se vingar.

Envolto no manto do anonimato, a pessoa recolhe as informações que você compartilhou livremente e utiliza tudo para encontrar um meio de arruinar a sua imagem. Montagens, perfis falsos e perseguição não são atividades estranhas nos dias de hoje.

Muitos aplicam golpes, pedindo dinheiro para sumir com perfis falsos e com supostas informações difamatórias. Nesses casos, além de ser necessário contatar autoridades, muitas vezes o estrago já está feito.


3 – Sequestros e agressões físicas

Além da difamação, uma exposição exagerada nas redes sociais pode acabar gerando casos de agressões físicas e até mesmo sequestros. Digamos que você, após ter feito um comentário em alguma rede social como Facebook, encontrou um desafeto.

Palavras acaloradas foram trocadas, muitas vezes potencializadas pela liberdade perigosa que o mundo online nos traz, e você acha que tudo acabou por ali. O problema é que você não sabe como realmente são pessoas desconhecidas na sua vida fora da internet e, aquele desafeto pode ser alguém violento.

Você continua sua vida, postando fotos dos lugares que costuma ir, comentários sobre atividades e eventos que pretende participar. Quando está em algum desses lugares, é abordado por alguém que não desejaria, o seu desafeto.

Casos como esse aconteceram mais de uma vez em todo mundo, gerando situações com agressões físicas por causa de bate boca inofensivo na internet e, até mesmo, sequestros.

Tudo causado pelo compartilhamento exacerbado de informações em redes sociais.


≡ Então por que as pessoas continuam compartilhando tudo?

A ideia de falar para o mundo o que você faz e onde vai parece algo que não faz muito sentido, mas existe uma busca por aceitação e, muitas vezes, uma forma de criar uma identidade diferente da real no mundo digital.

Em 2012, um estudo feito pela Universidade de Harvard tentou entender o motivo pelo qual pessoas compartilham sua vida em redes sociais, muitas vezes ficando viciadas nesses sites.

O chamado oversharing (do inglês “compartilhar demais”) é uma atividade que, em algumas pessoas, funciona trazendo ao cérebro sensações similares ao prazer proporcionado por comida ou sexo.

A partir do momento em que você começa a compartilhar demais sobre a sua vida, em vez de apenas criar uma via de contato com outras pessoas, pode acabar criando a possibilidade de sofrer danos morais e físicos, além de também pode estar piorando sua saúde mental.

Em entrevista à revista TIME, a PhD em pesquisas de psicologia Peggy Drexler disse que o oversharing é um reflexo da maneira como reagimos ao ver outras pessoas compartilhando suas vidas.

A nossa “vontade de ouvir” nos faz querer acompanhar cada vez mais pessoas, muitas das quais não temos necessidade alguma de fazê-lo.

Após ver o que elas fizeram, a nossa “vontade de falar” faz com que comecemos a compartilhar cada vez mais de nossas vidas para sermos ouvidos por cada vez mais pessoas.

Para a PhD, uma solução para o problema é diminuir cada vez mais o seu círculo de contatos nesses sites, focando em pessoas próximas, abrindo exceções de tempos em tempos, para diminuir a necessidade de compartilhar tanto os seus dados na internet.

Dicas para vender mais no comércio online durante a Black Friday.

A Black Friday é uma grande oportunidade para os varejistas, principalmente no e-commerce. Em 2017 a data rendeu R$ 2,1 bilhões para o varejo eletrônico, uma alta de 10,3% em comparação aos R$ 1,9 bilhão registrados no mesmo período de 2016.

O período de compras tem se fortalecido cada vez mais no Brasil, despertando o interesse de diversos setores como bancos, escolas de cursos, restaurantes, entre outros, que decidiram incorporar a data a seus calendários e fazer ofertas para conseguir pegar uma fatia do lucro.

O varejo online é o mais procurado pelos consumidores durante a data. Portanto, as lojas devem estar preparadas para receber uma enxurrada de visitas, especialmente realizadas via smartphone (46% do total, segundo levantamento da Salesforce).

Para estes varejistas, o desafio é ser relevante em meio às tantas ofertas e atingir os consumidores ávidos por promoções de forma certeira.

Para isso, é importante entender que o consumidor busca uma experiência personalizada e isso abrange o conteúdo e interações em seus canais de comunicação, como e-mail e redes sociais – o Instagram, por exemplo, deve gerar 51% mais tráfego para o e-commerce do que no mesmo período de 2017.

Não existe uma fórmula secreta para obter sucesso durante a Black Friday, mas é importante traçar uma estratégia prévia e executá-la bem para conseguir uma boa margem de conversão de vendas. Temos algumas dicas:


≡ Página sempre online e sem travar

Alguns varejistas têm sites desktops e aplicativos muito bons, mas não possuem sites voltados para o mobile. Mas de acordo com o levantamento da Salesforce, as plataformas móveis serão as mais utilizadas para as compras online (68%), sendo o smartphone o meio campeão (46%).

Por isso, é preciso ter um e-commerce bem estruturado para qualquer gadget, com visualização fácil e rápida.

Segundo o guia “Holiday Readiness” da Salesforce, quase metade dos consumidores esperam que uma página da Web seja carregada em dois segundos ou menos, e 40% abandonarão um site se levar mais de três segundos para carregar.

Mesmo um atraso de um segundo no tempo de resposta da página pode resultar em uma redução de 7% na conversão.


≡ Conectados nos dispositivos móveis mesmo nas lojas físicas

Cliente de loja física é diferente de cliente online, certo? Errado! O relatório “Shopping-First Retailing” indica que 71% dos consumidores usam seus dispositivos móveis durante as compras em lojas físicas, número bem acima dos 62% registrados em 2017.

Os dispositivos são usados para comparar preços (36%), pesquisar produtos (29%), tirar fotos do produto (28%) e ler reviews do produto (25%). Esses dados mostram um comportamento curioso dos consumidores e mais um desafio para o e-commerce, que precisa captar esse cliente dentro de uma loja física.


≡ Estude o que deu certo no ano anterior e aprofunde os conhecimentos nos seus clientes

Se aprofunde no estudo dos dados das campanhas bem-sucedidas do passado e obtenha insights de compras durante as datas especiais, assim você pode moldar seu planejamento de conteúdo para a atual temporada.

Avalie o que deu certo e o que deu errado na sua estratégia digital, conheça seus clientes e observe o comportamento de sua base durante as principais datas de compra. Isso vai te ajudar a se antecipar aos desejos deles, o que será muito importante para o êxito das vendas.


≡ Otimize o armazenamento em cache de maneira estratégica

O armazenamento em cache é um componente crítico na experiência do cliente. Para a maioria das empresas, isso pode ser usado para otimizar o desempenho da “vitrine” do seu e-commerce e para oferecer rapidamente aos clientes o conteúdo esperado por eles.

As implementações de cache variam de acordo com a plataforma de comércio eletrônico. Pode ser um pouco complicado definir as taxas de cache, então o ideal é que os varejistas se esforcem para armazenar em cache 90% de seu conteúdo editorial, como a página inicial, e de 50 a 70% do conteúdo específico do produto, como pesquisa, listagens e detalhes do produto.

Uma boa ferramenta de análise de performance ajuda a entender como seu cache está performando e a definir melhor como usá-lo.


≡ Certeiro no alvo

Ainda segundo o “Holiday Readiness”, os compradores que clicam nas recomendações do varejista gastam cinco vezes mais por visita.

A pesquisa “Shopping-First Retailing” apontou que 6% das visitas ao comércio eletrônico, que incluem engajamento com recomendações baseadas em Inteligência Artificial, geram 37% da receita.

Em um cenário no qual 64% dos compradores dizem que os varejistas não sabem o que eles procuram, a personalização orientada por IA é uma ferramenta essencial.

Os clientes gostam quando você entende suas preferências com base no comportamento deles em relação à marca, principalmente os das gerações Y e Z.

Dicas Para Usar o Facebook com Segurança.

Os ataques cibernéticos têm sido cada vez mais comuns às redes sociais. Acessar a conta do Facebook de alguém de forma maliciosa pode render rapto de dados pessoais e bancários, itens bastante interessantes para os hackers.

Ou seja, proteger sua conta do Facebook vai muito além de se prevenir contra publicações sem autorização em seu perfil: é perigoso que suas informações pessoais sejam expostas e utilizadas com má fé pelo invasor.

Tendo isso em vista, as plataformas têm investido em ferramentas que protejam os usuários e dificultem a invasão de terceiros em contas alheias. Desse modo, cada rede consegue proporcionar mais segurança e tranquilidade a quem utiliza as mídias sociais, como o Facebook.

Para proteger sua conta no Facebook e navegar em segurança, preparamos 3 dicas simples. Confira!


≡ Configurações – Segurança e Login

Ao identificar a frequência de invasão a perfis da rede, o Facebook otimizou as ferramentas de segurança para preveni-los e dificultá-los.

Na parte de “Configurações” é possível encontrar as seções de “Segurança e Login” e “Privacidade”, onde existem diversas recomendações e opções para auxiliar na blindagem do seu perfil.

Algumas dessas recomendações são:

  • Na seção de “Privacidade” “Quem pode ver suas publicações futuras?” → “Amigos”: quando você encontra um desconhecido na rua, seria estranho ir até ele e contar sobre sua vida, certo? É o mesmo princípio aplicado nesta dica.

Ao restringir as pessoas que veem seu perfil, você fica protegido dos olhos de desconhecidos sobre a conta.

  • Na seção “Segurança e Login” “Configuração de segurança extra” “Notificações – Receber Notificações”: quando ativada, essa configuração envia notificações quando detecta acesso à sua conta a partir de dispositivos desconhecidos.
  • Na seção “Messenger – Receber Notificações”: mesma situação citada acima, só que para o bate-papo do Facebook.

Vale a pena olhar todas as opções e habilitar as que você achar mais necessárias.


≡ Tenha Cautela com as Senhas

Uma das formas mais eficazes de proteger sua conta do Facebook é escolher uma boa senha. Quanto mais elaborada ela for, mais difícil será a invasão de terceiros nas redes sociais.

Para isso, evite utilizar combinações óbvias como datas de nascimento, nome de filhos, pai, mãe, cônjuge, entre outros. Senhas como “minhasenha”, “minhasenhaéboa”, “12345678” ou “1234asdf” facilitam o ataque cibernético de pessoas com más intenções.

Construa senhas com grau de dificuldade elevado. Para isso, adicione letras maiúsculas, minúsculas, símbolos e números.


≡ Acesse em Dispositivos de Confiança

 A maior dica de todas é acessar a conta do Facebook a partir de dispositivos de confiança. Ao invés de se conectar a uma rede pública ou em computadores alheios, dê prioridade para acessar apenas em seus dispositivos pessoais.

Uma ótima maneira de manter o seu computador ainda mais seguro é ter um bom antivírus instalado.  Atualmente, existem diversas opções de antivírus gratuito que garante segurança e proteção ao seu dispositivo.


Você conhece alguma outra dica para proteger a conta do Facebook? Conte para a gente nos comentários!

Este artigo foi criado pela equipe Bitdefender para uso exclusivo do Infotec Blog.

Imagens: Growth Startups, European Western;