Atualidades Redes Sociais

10 years challenge: o que mudou na tecnologia nesses 10 anos.


Na onda do desafio do #10yearschallenge: Veja quais foram os rumos da tecnologia nos últimos 10 anos!


O #10YearsChallenge é um desafio que consiste na postagem de uma foto atual e outra de aproximadamente 10 anos atrás. O assunto estourou nas redes sociais no começo de 2019. Além de poses, lugares e características diferentes nas fotos, muitas outras coisas mudaram durante esses 10 anos.

Ao pensar na tecnologia, é certo que as rotinas, formas, tendências de mercado e artefatos tecnológicos em meados de 2009 eram bem diferentes dos de hoje.

Vamos ver quais foram as mudanças que aconteceram nesse
período e entender como a tecnologia se desenvolveu tanto (e tão rápido), o que
pode pegar muita gente de surpresa!


O que mudou na
tecnologia nos últimos 10 anos?

Muita coisa, e a melhor forma de entender é com um exercício
simples e prático.

Imagine que você está em 2009 e vai para uma reunião importante no dia seguinte. Então, para se preparar, liga seu computador no dia anterior e baixa algumas músicas para, então, transferi-las ao seu celular por meio de um cabo USB.

Na manhã daquele dia, você acorda, liga o computador outra vez e pesquisa o trajeto mais curto até chegar à reunião para ter certeza de que o taxista vai oferecer o melhor caminho, além de dar uma conferida no guia de ruas para saber se está tudo certo.

Então, você pega o telefone fixo, liga para a empresa de
táxis, espera até ser atendido e, então, solicita um veículo. Por não saber
onde ele está, é preciso ficar atento na janela de casa até o carro se
aproximar.

Quando o táxi chega, você sai para sua reunião e fica de olho
para ver se o trajeto é o mesmo que foi estudado, enquanto escuta as músicas
que baixou ontem. Então, ao chegar, você avisa seu chefe, por SMS, que já está
no local, mas não consegue saber se ele recebeu a mensagem ou não.

Esse pequeno roteiro tem atividades que não condizem com a modernidade e praticidade atuais, mas era isso o que a tecnologia permitia há 10 anos, o que deixa claro como ela evoluiu daquela época até hoje.

Confira mais a fundo essas e outras atividades que mudaram
dos últimos anos para cá!

1 – Navegar na internet

O que fazer em 2009 se você queria acessar um site, mas dá
muito trabalho ligar o computador e o celular tem tela pequena e um
funcionamento lento? Bem, na época, não havia muita escolha a não ser ligar o
PC.

Em janeiro de 2010, o revolucionário Steve Jobs disse, na apresentação do iPad, o tablet de maior sucesso comercial da história, que ele era “inacreditavelmente bom, bem melhor que um notebook e bem melhor do que um smartphone”. Hoje em dia, é difícil imaginar uma sociedade sem esses dispositivos.

2 – Compartilhar fotos

Uma das redes em que o #10YearsChallenge bombou foi o Instagram, que está entre as principais mídias sociais da atualidade, com mais de 1 bilhão de usuários, mas até outubro de 2010, ele não existia!

Até então, o compartilhamento de fotos era feito em Fotolog, Flickr, Orkut e outras redes e sites que faziam sucesso na época, as quais trazem uma boa nostalgia, mas temos que concordar que não eram tão práticas como nos dias de hoje.

O Instagram foi lançado em outubro de 2010, eleito o app de
iPhone do ano em 2011 pela Apple e adquirido pelo CEO do Facebook, Mark
Zuckerberg, por USD 1 bilhão em 2012.

Hoje, basta alguns toques na tela e as fotos e vídeos já estão disponíveis em todo o mundo. A evolução pode até ser vista nos logos que já foram utilizados pelo Instagram de 2010 até hoje.

3 – Navegar no trânsito

Tudo bem que o GPS não é uma tecnologia “nova”, pois existe desde 1978 e está disponível para uso comercial desde 1993, mas foi por volta de 2008 e 2009 que ela começou a ser usada nos smartphones.

Nessa época, os motoristas só podiam pedir informações, procurar o caminho nos grandes e não tão práticos guias de papel ou ter um navegador de GPS no carro, cuja funcionalidade era bem limitada.

Os fãs da Apple puderam usar o recurso do GPS no iPhone 3G, e em 2009, a marca trouxe a possibilidade da navegação “turn-by-turn” (“curva-a-curva”, como estamos acostumados hoje). No mesmo ano, o Google lançou um software de navegação turn-by-turn gratuito, o que ajudou a mudou a história do GPS para sempre.

4 – Transporte particular

10 Years Challenge, o que mudou na Tecnologia

Em meados de 2009, se você precisava de um meio de transporte
particular, ou tinha que ter um carro (próprio, alugado ou emprestado) ou
recorrer aos serviços de táxi, que não são tão econômicos e práticos assim, até
que chegou o Uber.

É inegável que o app foi um turning point para o transporte particular a nível mundial. Hoje em dia, é só abrir o Uber, escolher o local de partida e o de destino e contar com todo o conforto de um carro privado para te levar onde precisa.

Ele foi lançado em março de 2009 como um serviço apenas para carros na cor preta, chamado de UberCab. De lá para cá, os serviços oferecidos foram expandidos e agora é possível optar pelo compartilhamento de viagens, passeios em carros de luxo e, é claro, veículos de outras cores.

5 – Enviar mensagens

Os grupos da família, do trabalho, da faculdade, de amigos e de assuntos do seu interesse já fazem parte da rotina há um bom tempo, mas também não foi sempre assim, principalmente antes do desenvolvimento do WhatsApp.

Naquela época, os SMS eram uma das melhores alternativas
disponíveis. Cada envio era cobrado pela operadora, exceto em alguns planos em
que o recurso era ilimitado, e se passasse de 160 caracteres (ou menos ainda,
no caso de caracteres especiais), era cobrado um novo envio.

Ainda bem que em novembro de 2009, o WhatsApp chegou às lojas de aplicativos. O aplicativo cresceu naturalmente, e o sucesso foi tão grande que chamou a atenção de Mark Zuckerberg em 2012. Em 2014, ele comprou o aplicativo por USD 19 bilhões, e hoje o app tem mais de 1,5 bilhão de usuários.

6 – Menções honrosas

Outros apps e tecnologias surgiram nos últimos anos e
ajudaram a moldar a sociedade como ela é hoje, como os seguintes, com as
respectivas mudanças trazidas por eles:

  • Facebook Messenger (2014, quando foi
    desmembrado do app do Facebook)
    : comunicação online gratuita.
  • Airbnb (2008): economia e variedade na estadia.
  • Kickstarter (2009): plataforma para crowdfunding que
    possibilita o lançamento de tecnologias, produtos e serviços inovadores em todo
    o mundo, ou seja, ter em mãos o que há de mais novo no mundo da tecnologia.
  • Pinterest (2010): descobrir e compartilhar interesses.
  • Snapchat (2011): compartilhar fotos e vídeos que
    desaparecem em 24 horas. Foi também o berço de recursos similares oferecidos
    por outros apps, como Instagram Stories, Facebook Stories, WhatsApp Status e
    afins.
  • Spotify (2008): ouvir músicas pela nuvem, sem
    precisar baixá-las na internet ou comprar os CDs.
  • Udacity (2012): plataforma de cursos online
    ministrados por grandes players da área da tecnologia e que podem fazer a
    diferença no seu currículo.

O desenvolvimento da tecnologia está diretamente atrelado ao da sociedade.

Esses são apenas alguns dos exemplos de aplicativos, tecnologias e serviços que surgiram por volta dos 10 últimos anos e moldaram a forma com a qual o mundo se comporta hoje em dia.

Da mesma forma que outras tecnologias já surgiram e desapareceram, pode-se imaginar que o que é forte hoje desaparecerá em questão de alguns anos, como o Orkut, por exemplo. Porém, essa renovação contínua é muito benéfica para a tecnologia.

Fique ligado ao que existe hoje em dia e às novas tecnologias que surgem. Seja em seu trabalho ou no lazer, dos meios de comunicação à consultoria em telecom, tudo está sujeito a mudar, e quem estiver ligado poderá aproveitar o que há de melhor no mundo da tecnologia.

Tumblr vai banir conteúdo adulto da sua plataforma.

Em um comunicado para os usuários no dia 3 de dezembro de 2018, a rede social Tumblr informou que deixará de hospedar arquivos pornográficos em sua plataforma a partir de 17 de dezembro. Dessa forma, qualquer publicação de imagem, GIF e vídeo que contenha nudez, será apagada.

Porém, textos não serão alvos dessa nova diretriz de conteúdo, permitindo que os usuários da plataforma continuem postando relatos e contos eróticos.


» O possível motivo da mudança nas diretrizes

Um dos possíveis motivos para mudança radical em suas diretrizes foi o banimento do Tumblr na loja oficial de aplicativos da Apple (App Store).

E a explicação para a Apple tomar esta atitude foram as denúncias sobre alguns conteúdos de pornografia infantil publicado por usuários na plataforma do Tumblr.

O aplicativo foi banido da App Store no dia 16 de novembro, e até o momento, o app continua indisponível na loja de downloads da Apple – sem nenhuma previsão de volta. Porém, na plataforma Android, o aplicativo de microblog pode ser baixado e continua funcionando normalmente.


» Situação do Tumblr atualmente

Desde seu lançamento em 2007, o Tumblr passou por diversas modificações e foi  muitas vezes considerado uma rede social com grande potencial de crescimento. Porém, com o passar dos anos e com concorrentes de peso como Orkut, Twitter e Facebook, ficou claro que nem tudo saiu como o esperado.

No momento em que foi comprado pelo Yahoo em 2013 por US$ 1,1 bilhão, o Tumblr contava com 175 funcionários e tinha 300 milhões de visitantes únicos por mês.

Atualmente, de acordo com um relatório do portal de estudos e estatísticas Statista, atualizado em 2018, o Tumblr tem 794 milhões de usuários ativos, ficando na 7ª posição em um rank com as 20 maiores redes sociais do mundo.

Em sua frente está o Facebook com 2.234 bilhões de usuários ativos, seguido por Youtube, WhatsApp, Facebook Messenger, Instagram e Webchat.


» O que esperar do Tumblr após essas mudanças nas diretrizes

Nos últimos meses o Instagram vem aumentando a exclusão de conteúdo inapropriado em sua plataforma, removendo discurso de ódio, pornografia e posts de tiroteios em escolas, por exemplo.

Segundo o CEO do Tumblr, Jeff O’Onofrio, o futuro que ele espera para a plataforma é um ambiente mais acolhedor para a comunidade, deixando de lado o conteúdo adulto, já que, em sua opinião, existem diversos sites para isso.

Por fim, com essas mudanças nas regras da plataforma, o Tumblr passa a ter uma política semelhante as redes sociais como Facebook e Instagram.


Por Agnaldo M P Souza

Email agnaldoredator@gmail.com

Facebook https://www.facebook.com/agnaldo.msouza.188

Melhores apps de futebol para celular.

Existem três coisas que são reconhecidamente “a cara” do brasileiro no exterior: carnaval, caipirinha e futebol. O último não é à toa: além de termos a seleção que mais venceu em Copas do Mundo, o futebol é quase que uma tradição em família, ensinado nos campinhos de todo o Brasil. E claro, é um ótimo negócio. Estima-se que a indústria esportiva movimente mais de 60 bilhões de reais por ano.

Esse dado nos mostra o quanto os brasileitros acompanham o futebol. Entretano, com os dias cada vez mais preenchidos com atividades, muitas pessoas não conseguem mais dedicar o tempo que gostariam à acompanhar o esporte. E é aí que a tecnologia entra em campo para ajudar: os apps de futebol informam os torcedores e trazem recursos dinâmicos e práticos, para que o usuário fique por dentro de partidas e novidades dos times. Selecionamos os 5 melhores app de futebol para o seu celular. Confira:


» 365Scores

A proposta do 365Scores é oferecer cobertura ao vivo do futebol mundial 24 horas por dia. Para isso, o app emite notificações de conteúdos para o usuário. Você pode acessar notícias, tweets, vídeos e tabelas de vários campeonatos. Além do futebol, você também encontra cobertura de vôlei, tênis, basquete, handebol, futebol americano, rugby, hóquei e beisebol. Para quem gosta de acompanhar mais de um esporte, o 365Scores é uma boa opção.


» Placar Uol

Quando não conhecemos uma marca, às vezes ficamos com receio de baixarmos algum conteúdo prejudicial ao celular. Com ameaças até nos testes de personalidade do Facebook, quando encontramos um app de uma marca consolidada no mercado, temos mais segurança no download. Um exemplo é o Placar Uol, que é também um dos mais completos do mercado.

Nele você tem acesso a informações de seu time, novidades do mercado da bola e o ao vivo dos jogos. Dá até de rever os gols de cada partida em uma transmissão de vídeo. O usuário pode encontrar dados sobre os times da série A, B e C e sobre os principais campeonatos internacionais.


» SporTv

O aplicativo do famoso canal esportivo é uma boa opção para quem quer se manter informado de esportes em geral. Afinal, são mais de 30 modalidades esportivas que recebem uma ótima cobertura, com atualizações e notícias em tempo real. Além disso, também faz transmissões de partidas ao vivo direto pelo app, assim como já fazem alguns sites de apostas confiáveis e serviços de streaming pagos. Entretanto, só tem acesso ao app SporTv os assinantes do serviço de TV por assinatura.


» FIFA

Sim! A FIFA tem seu próprio app, disponível de forma gratuita para todos. No aplicativo, o usuário recebe notícias sobre os resultados dos jogos, notícias, vídeos e até entrevistas realizadas com personalidades esportivas. Uma das vantagens do app da FIFA é a cobertura de torneios menores, como os torneios femininos, Futsal e campeonatos Sub-17. Você pode escolher qual é sua equipe e campeonato favorito para que a FIFA te envie notificações personalizadas.


» OneFootball

Para quem quer saber somente de seu time ou de seleções específicas, o OneFootball é uma ótima opção. No app você pode escolher equipes para seguir e receber somente as notícias que são de seu interesse. Também é possível acompanhar a tabela de partidas dos próximos dias. Outro recurso interessante é um canal de interatividade, para que o usuário possa conversar com outras pessoas.

A tendência é que os aplicativos destinados aos esportes cresçam e tomem ainda mais espaço nos smartphones dos fãs de futebol. Já existem pesquisas que mostram que as novas gerações acompanham os esportes de outras formas, e o uso de aplicativos é uma delas. É a tecnologia alcançando cada vez mais espaço em nossas vidas.

Microsoft lança Rede Social voltada ao público estudantil

Em meio à expectativa da abertura de capital do Facebook na bolsa de valores, a Microsoft lançou sem muito alarde sua nova rede social So.cl (pronuncia-se) “Social” promete ser um experimento em busca aberta e está destinada ao publico estudantil.

Segundo a Microsoft a intenção do So.cl não é disputar com as redes sociais já existente como Google +, Twitter ou Facebook. Aliás é possível logar na rede utilizando login e senha do Facebook, assim como o Windows Live.
O objetivo seria favorecer o compartilhamento de informações sobre assuntos de mesmo interesse.

Ao entrar no site, será mostrado ao usuário uma lista de tópicos sugeridos. Também será possível agregar conteúdos aos tópicos através de botões sociais da mesma forma do Google +, Facebook e Twitter e tantas outras redes sociais já fazem.

 As buscas realizadas pelos usuários estarão disponíveis para os outros usuários, mais suas atividades não serão automaticamente publicadas a menos que uma opção seja marcada. Amigos do Facebook também não serão convidados automaticamente, exceto se o usuário autorizar.
Se você gostou deixe um comentário!

Eleições 2014: o que dizem internautas sobre Dilma, Marina e Aécio

A partir desta sexta-feira, 26 de setembro, brasileiros terão a oportunidade de conhecer pela primeira vez o que pensam os internautas sobre Dilma, Marina e Aécio.

A iniciativa foi tomada pela Polis Consulting, que às vésperas do primeiro turno das eleições para presidente está trazendo para o Brasil a plataforma NetBase, responsável pelo monitoramento em mídia social nas recentes campanhas eleitorais de Angela Merkel e Barack Obama.

Utilizado por empresas e políticos para aferir popularidade e estrategizar campanhas e pesquisas, o NetBase processa diariamente bilhões de posts de mídia social, captando a quantidade de menções, impressões e número de retweets, além do monitoramento das imagens atreladas a termos expressos nos cibercomentários.

“É esse monitoramento sobre os presidenciáveis que vamos tornar público a partir desta sexta”, diz Alexander Schmitz-Kohlitz, empresário que está trazendo o NetBase para o Brasil.

“Trata-se de um painel com visibilidade instantânea dos depoimentos e imagens sobre cada candidato, sem a necessidade de cliques ou análises adicionais”.

O Pulse Eleições 1º turno Polis Consulting/NetBase está disponível online em http://eleicoes2014.polisconsulting.com.br. A pesquisa em tempo real fica no ar até 6 de outubro.


 Ficha técnica
O Pulse Eleições 2014 é um monitoramento real-time de depoimentos fornecidos pela API Decahose com base em posts de Twitter (10% dos dados). Os termos monitorados para a pesquisa foram: aecio, aécio, dilma, pastor everaldo, luciana genro, eduardo jorge, marina, #eleicao2014, #eleição2014, #eleições2014, #eleicoes2014, eleição, eleicao, eleições, eleicoes.


Sobre a Polis Consulting
A Polis Consulting é uma empresa especializada em tecnologias e serviços de ponta em social media management. Nosso portfólio abrange monitoramento e análise das redes sociais, social CRM e publishing.

Combinamos conhecimentos dos mercados brasileiros locais com a tecnologia mais inovadora do Vale do Silício e somos parceiros exclusivos da NetBase, empresa de tecnologia líder em social media intelligence.

Ajudamos nossos clientes em mais de 30 indústrias, entre agências, marcas e administração pública, a impulsionar seus resultados de negócios.


Sobre a NetBase
NetBase é uma premiada plataforma de análise de redes sociais usada pelas empresas para monitorar marcas, construir negócios e se conectar com consumidores.

A plataforma processa diariamente bilhões de posts de mídia social em tempo real que ajudam a entender o ‘sentimento’ das pessoas em relação a empresas, marcas, políticos, etc., gerando insights para marketing, pesquisa, atendimento ao cliente, vendas, relações públicas e tomadores de decisão.

A NetBase atende empresas como AMC Networks, American Airlines, Arby’s, Coca-Cola, Kenneth Cole, Ogilvy, Taco Bell, Walmart e YUM!

Se você gostou deixe um comentário!

Como instalar o Instagram no seu aparelho com sistema Android

Instagram é um dos aplicativo mais famoso da atualidade para editar fotos tiradas na hora e publicar em redes sociais.

O Instagram esta disponível para varias plataformas inclusive na Google Play da gigante da internet Google para usuários que utilizam o sistema operacional Android.

∇ Confira abaixo um pouco sobre o que é o aplicativo, e como instalar o mesmo. 


» Instagram no Android… O que é o Instagram?

O Instagram é um aplicativo que foi desenvolvido primeiramente apenas para o sistema iOS, presente em telefones móveis da Apple, os iPhones.

Posteriormente o aplicativo foi desenvolvido também para o sistemas operacional Android, tal esse que gerou muito mais usuários, já que atualmente o sistema Android é líder em mercado, ultrapassando o concorrente desenvolvido pela Apple, o iOs.

O aplicativo serve para oferecer aos seus usuários efeitos para serem adicionados às fotos logo que são tiradas ou até mesmo em fotos que estejam já no aparelho celular, esses efeito e chamado de filtro dentro do aplicativo.

Através destes filtros e efeitos é possível deixar a imagem com uma nova aparência e transformá-la até mesmo em qualidade profissional.

Logo após isso, o próprio aplicativo lhe oferece as opções de compartilhamento com redes sociais onde após realizar o upload é possível visualizar as fotos publicadas nos sites, como facebook, teitter e etc.


» Como instalar o Instagram no Android?

Para instalar o aplicativo Instagram no Android é muito simples. Primeiramente conecte seu aparelho a internet, seja ela através da operadora ou através de um roteador.

Lembrando que através de roteadores o download do aplicativo poderá ser mais rápido.  Assim que conectar a internet, acesse o Google Play (antigo Android Market) e procure pelo aplicativo do Instragram no Android Market através do campo de busca.

Para então achá-lo de maneira mais prática e rápida (para isso é necessário realizar o login de sua conta Gmail ou uma conta Google). Assim que encontrar o aplicativo realize o download e assim que baixar será instalado automaticamente.


» Configurando e Criando uma conta no Instagram

Para configurar o aplicativo do Instagram no Android é simples. Acesse-o e logo em seguida será solicitado que crie uma conta ou realize o login.

Para fazer uma conta no instagram basta utilizar um endereço de e-mail ou informe uma senha, mas se preferir ainda existe a opção de utilizar sua conta existente do facebook para criar uma nova conta, utilizando essa opção o seu perfil já sai integrado com o seu facebook, sendo possível assim compartilhar as suas fotos além da timeline do Instagram a do Facebook.

Lembrando que os Likes (Curtidas no facebook) e o Gostos (Curtidas no Instagram) não se somam por causa dessa simples integração, a mesma apenas facilita o upload das fotos com os filtros aplicados pelo aplicativo em ambas redes sociais.

Agora basta entrar no aplicativo normalmente, tirar a foto, escolher o filtro desejado e compartilhar sua imagem através das redes sociais.

Se por algum motivo precisar deletar seu perfil da rede social, siga este passo a passo de como excluir o Instagram e apague seu perfil juntamente com suas fotos do aplicativo, lembrando que esse processo e irreversível e então tenha certeza do que você está fazendo e se e isso mesmo que quer.

Rebeldes das Mídias Sociais.

Não tenho Facebook, não uso WhatsApp… Instagram, o que é?

Espécimes raras, é verdade, mas, vez ou outra ouvimos falar de alguém que não tem presença marcada nas mídias sociais digitais.

Estamos falando de uma pessoa que não mantém um perfil ativo no Facebook, no Instagram, no Twitter ou no caçula Snapchat. Quanto menos tem uma conta para compartilhar suas fotos no Pinterest ou no Flickr.

Nos Estados Unidos, até um novo termo foi criado para enquadrar os rebeldes que se negam a fazer parte deste mundo virtual. São os Tech Abandoners.

Verdade é que há uma vasta lista de rótulos para estas pessoas que tem aversão ao digital que vão desde desplugados e antissociais até ermitões. #Diferentões

Sim, são uma minoria, pois, segundo pesquisa realizada em 2015 pela comScore, mais de 45% dos brasileiros estavam conectados a internet. E dadas as proporções e características socioeconômicas do nosso país, esta é uma constatação de grande relevância.

Ainda segundo o mesmo estudo, o Brasil figura como líder no tempo médio gasto especificamente em redes sociais, o que representa mais de 60% do que o resto do planeta.

Talvez, estes números sejam reflexo da mudança na composição do público que acessa a internet e principalmente de suas necessidades.

Basta retrocedermos ao final do século XX para recordarmos que a época o uso da internet era restrito as classes mais favorecidas economicamente ou a área científica.

Hoje, o uso das mídias sociais vai muito além e já pode ser considerado essencial no ambiente de trabalho. Por isso, barreiras socioeconômicas não são mais intransponíveis.


 Mas então o que leva as pessoas a este “enclausuramento” digital?
Dentre as motivações podem aparecer desde a busca por uma melhor qualidade de vida, dado que não são poucos os casos de relacionamentos que se deterioram e chegam ao fim pelos problemas que surgem com a exposição da vida pessoal do casal nas redes sociais.

Existem pessoas que deixam de cultivar suas relações sociais com amigos e familiares por estarem mais interessadas em interagir com a tela do seu Smartphone. Uma ironia se pensarmos que as mídias sociais surgiram justamente para facilitar estas conexões.

Temos também que considerar as situações em que esta opção não é puramente voluntária. Às vezes, trata-se de uma necessidade imperativa de proteger a privacidade e se preservar.

Por mais que o uso de mídias sociais tenha se tornado praticamente obrigatório em muitas empresas, para fins de tornar mais ágil a comunicação e a gestão do trabalho, existem segmentos em que é aconselhável um uso mais moderado e pautado e, em outros extremos até mesmo um afastamento definitivo.

Pensando em um médico, por exemplo, porventura seja mais prudente não se envolver em certas discussões e abster-se de participar de grupos e fóruns com conteúdos sensíveis a sua área.

Recentemente, tornou-se conhecido através de uma matéria exibida pelo Fantástico, da Rede Globo, o caso da juíza Daniela Barbosa que, por medo de represálias, prefere manter-se distante das redes sociais: “[…]não tenho perfil, não tenho páginas sociais[…]”.

Como a magistrada, muitos outros tomam esta postura para evitar perseguições de ex-companheiros e até mesmo para não serem alvos de vigilância por parte de seus empregadores.

Por fim, não deixamos de lado aqueles que optam por este desligamento ao aderirem um estilo de vida mais sustentável e até mesmo “cult”. Vertente esta que muito cresce para fazer frente a um mundo cada vez mais programado e impessoal.

Entram nesta conta as pessoas que fazem questão de manter hábitos “analógicos” como a leitura de livros e jornais em papel ou, mesmo fora deste escopo da internet, todos nós conhecemos um amigo ou um colega de trabalho que não come nada que seja transgênico. São os novos estilos de vida.


Doença das Redes Sociais?
Estudiosos e profissionais de mídias sociais tem dedicado uma atenção especial ao uso em exagero destas novas tecnologias que já são responsáveis pelo surgimento de algumas “síndromes” do mundo moderno.

O colunista Ronaldo Lemos da Folha de São Paulo, em seu artigo Medo de Perder Alguma Coisa (2015), fala de três delas: FOMO, FOBO e FODA. Respectivamente, estas siglas dizem respeito ao Medo de Perder Alguma Coisa, Medo de Ficar Desconectado e o Medo de Fazer Qualquer Coisa.

Quem de nós nunca teve aquele sentimento de não estar antenado em tudo? Ou entrou em surto quando viu que a bateria do celular estava acabando? E que atire a primeira pedra quem nunca ficou “zapeando” todos os canais de TV e terminou por não assistir nada? Quem?


É viável “morrer” para o mundo virtual?
Pelo menos não para os americanos! Uma pesquisa realizada pela Harris Poll identificou que 67% dos yankees tentaram no último, ao menos por uma vez, se desconectar das redes sociais. Conseguiram? Quase 40% dos entrevistados disseram ser irreal ficar off-line por mais de 2 horas!

Ao se inscrever em uma rede social, deveríamos receber o seguinte alerta: “Consuma com moderação! Sujeito a vício eterno.“ Por ora, o que podemos dizer é que, para o bem ou para o mal, estamos em um caminho sem volta. NO WAY BACK!

Artigo Escrito por: Thiago Campos

Se você gostou deixe um comentário!

Deixe uma resposta Cancelar resposta



Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


Redes sociais adicionam recursos de tradução para auxiliar usuários

A tradução automática em posts de língua estrangeira tem sido cada vez mais comum nas maiores redes sociais.

O planeta Terra comporta hoje cerca de 8 bilhões de pessoas, que falam mais ou menos 7 mil idiomas. A língua mais falada no mundo é o Mandarim, na China e o Hindi, língua oficial da Índia.

Se a gente juntar todos os países que falam português, conseguiremos ocupar o sétimo lugar no ranking dos idiomas. À título de curiosidade, o espanhol está em terceiro lugar, e o inglês, fica em quarto lugar.

Ainda sim, o inglês é a “linguagem predominante” na internet. Quem domina este idioma, certamente tem acesso a um leque maior textos, pesquisas e é capaz de iniciar amizades com pessoas de outros lugares com muito mais facilidade.

Quem ainda não domina muito esta língua conta hoje com alguns recursos na própria rede, como o Google Translator e outros serviços gratuitos de tradução.

Pensando em aumentar as fronteiras da comunicação entre pessoas do mundo todo é que as estratégias das redes sociais se concentram em facilitar a compreensão, e para isso tem dado atenção especial ao lançamento de serviços de tradução simultânea dentro das suas plataformas.

De 2015 pra cá, algumas novidades foram lançadas pelas principais redes sociais que prometem melhorar a forma como os usuários podem ter acesso a conteúdos em línguas estrangeiras.


Tradução automática no Facebook 

Você pode até não se assustar se souber que uma rede social como o facebook tem 1,5 BILHÕES de usuários ativos, mas com certeza não sabia que a maioria dessas pessoas fala outro idioma que não o é inglês. Por isso que o Facebook lançou no início de agosto uma ferramenta de tradução automática disponível para todos os perfis da plataforma.

Este recurso já estava liberado para as fanpages desde o início do ano, tempo suficiente para os programadores da maior rede social do mundo realizarem os ajustes necessários para liberar a atualização para os perfis. O “compositor multilíngue” permite que uma publicação seja traduzida para vários idiomas.

Nesse meio tempo, o sistema rodou em mais de cinco mil págnas, com cerca de 70 mil visualizações por dia, sendo que mais ou menos 25 milhões dessas visualizações são feitas por usuários que precisaram do sistema da tradução para poder ler os posts em outra língua.


Instagram segue a mesma tendência 

Com mais de 500 milhões de usuários espalhados pelo mundo, o Instagram – adquirido por Mark Zuckeberg em 2012 – tem testado tecnologias semelhantes para melhorar a compreensão entre seus usuários por meio das traduções automáticas de texto.

Nesta plataforma, o usuário tem a opção de verificar a tradução dos posts publicados no Instagram clicando na opção “ver tradução”, logo abaixo do post publicado. O recurso pode ser utilizado em bios, nas legendas de imagens e vídeos, e os usuários podem fazer a tradução para 24 idiomas diferentes. O sistema tem sido liberado aos poucos para as contas.


Twitter foi precursor

Ainda em 2011, o Twitter já estudava ferramentas de tradução simultânea para diversas linguagens, chegando a lançar novidades por meio de uma parceria com o Bing Translator, serviço oferecido pela Microsoft. Ao que tudo indica, a pesquisa foi pausada, pois o Twitter anunciou novidades em seu sistema de tradução somente em 2015.

Nesta atualização, o Twitter anunciou que os serviços de tradução do Bing foram adicionados ao Tweetdeck e para as versões da rede social, para Android e IOS. Até então, só quem acessava a rede via desktop tinha acesso a esta funcionalidade.

Diferente do sistema do Facebook, para obter a tradução no Twitter, o usuário precisa solicitar que o tweet seja traduzido clicando no ícone de globo no canto superior direito do post.


Google também anuncia novidades

Bastante utilizado por pessoas do mundo todo, o Google Translator ganhou uma atualização para sistemas mobile. Usuários que utilizam o Google Now on Tap no recém lançado Android 6.0 Marshmallow tem percebido mudanças nos recursos.

Uma dessas mudanças é o suporte de tradução de textos a partir de qualquer tela de maneira muito mais prática do que copiar o texto e passar para a área de tradução do Google Translator, facilitando a leitura nas mais diferentes línguas.


Tecnologia ainda possui limitações

Apesar de já ter avançado bastante na última década, os serviços gratuitos e automáticos oferecidos tanto pelo Google quanto pelas redes sociais, ainda oferecem limitações em relação às traduções.

Diferentemente das traduções técnicas, os tradutores automáticos podem apresentar falhas semânticas, sintáticas e de polissemia.

Portanto, redobre o cuidado se você precisar utilizar esse tipo de serviço para fazer traduções importantes como trabalhos escolares, redação de documentos importantes e currículos, por exemplo. Outra falha está na tradução de termos como gírias e expressões regionais que, ainda apresentam falhas nas traduções.

Se gostou deixe um comentário!

A tecnologia RFID e suas várias possibilidades.

O RFID (identificação por radiofrequência) é uma tecnologia usada desde a segunda guerra mundial para localizar e identificar aeronaves amigas.

Desde então, em todo o mundo, ela foi utilizada de diferentes formas para agilizar a rotina de diversas empresas e pessoas. Um bom exemplo é a rede de pedágios automáticos “Sem Parar”. Uma etiqueta RFID instalada no parabrisa do veículo permite a abertura da cancela e o valor daquela praça de pedágio é automaticamente creditado em sua conta.

Outra grande história de sucesso é uma loja de peças e acessórios para motos, localizada em Jundiaí, interior de São Paulo. De acordo com o diretor de marketing da empresa, semanas eram necessárias para dar baixa aos produtos que eram encaminhados para eventos por todo o país.

“Hoje utilizo o RFID na loja de forma muito rápida e dinâmica. Podemos contar mil capacetes em dez minutos, por exemplo. A agilidade para contar meus produtos e enviá-los para os eventos cresceu muito. Posso fazer todo o processo de semanas no dia anterior ao evento”, revelou.

Segundo o diretor executivo da Moura Informática, José Natal de Moura, a tecnologia pode ser utilizada em diferentes segmentos. “Temos o caso da loja de peças e acessórios em Jundiaí, outra fábrica de tapetes em São Carlos, uma grande fábrica de jeans em Minas Gerais, além do caso de sucesso com a têxtil Lupo e também outro grande projeto com uma fabricante de eletrodomésticos na região de Araraquara”.

No conglomerado de parques em Orlando, na Flórida (EUA), o RFID é usado nas pulseiras personalizadas que permitem a entrada dos colaboradores ou visitantes em diversos locais, além de ser a ‘chave’ que libera refrigerantes nas máquinas espalhadas pelos parques.

“Lá [em Orlando] a tecnologia é usada para quase tudo. Os funcionários do Parque da Disney, por exemplo, utilizam uma pulseira que libera sua entrada em espaços permitidos apenas para pessoas autorizadas”, explica Tales Boalim, Gerente de Tecnologia RFID da Moura Informática que participou recentemente da 14ª Conferência RFID Journal Live, na Flórida.

Em visita a Campus Party Brasil neste ano, Evgeny Chereshnev, vice-presidente de marketing da Kaspersky Lab, importante empresa de segurança digital mundialmente conhecida, mostrou um pouco sobre a tecnologia NFC (campo de comunicação por aproximação, na tradução), que permite abrir uma porta de alta segurança por meio de um chip do tamanho de um grão de arroz implantado na mão.

Além disso, essa tecnologia permite o pagamento de suas compras dispensando o uso do cartão de crédito, por exemplo.

O RFID e o NFC são tecnologias que avançam cada vez mais à medida que peças e equipamentos ficam acessíveis ao público em geral.

Se gostou deixe um comentário!

Deixe uma resposta Cancelar resposta



Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

A nova onda de Aplicativos – Realidade Virtual

Os smartphones têm tomado cada vez mais espaço na vida das pessoas. Eles são responsáveis por toda a interação com o mundo virtual.

Segundo a Anatel, órgão que regulamenta o uso de aparelhos no Brasil, atualmente são mais de 240 milhões de dispositivos móveis ativos – celulares e smartphones.

O app da Google, Play Store, possui 1,4 milhão de aplicativos disponíveis para download em aparelhos Android. A Apple oferece mais de 1,2 milhão deles.

De olho nesse mercado, as empresas têm investido cada vez mais em soluções para aparelhos móveis que interajam com seus clientes e, dessa forma, criam um mundo virtual paralelo.

YouTube lançou recentemente em sua plataforma a interação com realidade virtual por meio do Google Cardboard, um aplicativo que torna a experiência muito mais real.

Facebook transformou a vivência das pessoas que utilizam os dispositivos móveis. Após a compra do InstagramWhatsApp e outras startups menores, ela se tornou proprietária de um conglomerado de tecnologia virtual onde os usuários passam a maior parte do dia.

 Dezenas de aplicativos são desenvolvidos e lançados por dia, disponibilizando aos usuários uma lista interminável de opções.

Alguns são momentâneos e proporcionam às pessoas diversão e entretenimento – é o caso do Dubsmash, aplicativo que oferecia frases para serem dublados ou o Foursquare, que mostrava aos amigos conectados sua localização e experiência vivida naquele local.

A Moura Informática, uma desenvolvedora de software e aplicativos, irá lançar na ABF Franchising Expo, em São Paulo, um aplicativo que oferece ao usuário um provador virtual móvel. Isso significa poder realizar compras de roupas e acessórios sem sair de casa ou do trabalho.

“O aplicativo é a tendência para pessoas cada vez mais conectadas à internet. Nossa intenção é levar mais comodidade e tecnologia às pessoas. Com esse app, é possível fazer uma compra no intervalo do trabalho ou enquanto relaxa em casa.

 O diferencial é que a pessoa poderá escolher o tipo físico, o tom de pele, fotografar o rosto e ver a peça de roupa diretamente em um corpo muito próximo da realidade”, explica Natal Moura, Presidente do Grupo Moura.

Uma pesquisa de mercado aponta o funil para este tipo de atendimento ao cliente. “É um novo método de oferecer ao cliente a máxima experiência em inovação e tecnologia.

Para os empresários do setor têxtil, pode significar aumento em vendas – nas lojas físicas ou e-commerce”, finaliza Moura.

A estudante Pamela Mendes passa mais de 5 horas por dia conectada ao smartphone. “Faz parte do meu dia. Uso para conversar com meus amigos, me atualizar, estudar, ver novas tendências e principalmente para o trabalho” afirma.

Pamela lembra que estamos em novos tempos e acompanhar não é opção. “O mercado está em desenvolvimento frenético. Empresas que não inovam são rapidamente ultrapassadas”, finaliza.

Se você gostou deixe um comentário!